search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Importância da dor para a preservação da vida humana
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a sensação de ameaça à integridade da pessoa.

Como ela é um experimento, cada ser irá vivenciar a dor de forma diferente.

Como está intimamente ligada à maneira como lidamos com ela, não dá para separar dor de emoção.

Antigamente, se acreditava que a dor pudesse surgir do coração, tamanha é a relação entre ela e a emoção.

A dor alerta ao cérebro que o organismo pode estar em perigo, mesmo que não tenha havido nenhuma lesão física.

Embora incômoda e desagradável, ela desempenha a função biológica de manter a plenitude da vida, contribuindo para a preservação da espécie.

Estímulos térmicos, mecânicos, químicos e elétricos podem causar dor rápida ou lenta, com manifestações localizadas, irradiadas ou referidas.

Existem dores que, apesar de produzirem sensações no corpo, nada têm a ver com o físico, ou seja, não existem alterações nos tecidos.

Denominadas psicossomáticas, essas algias manifestam-se no organismo, não pelo fato de haver um problema nele, mas porque existe algo em nível psicológico, mental e ou emocional. Estas dores enganam pacientes e médicos, se mostrando reais e dolorosas.

Em algumas situações, as dores psicossomáticas têm uma mistura de dor física e emocional.

Estando interligadas, torna-se difícil saber por onde elas começam e, mesmo quando se descobre, levam tempo para serem esclarecidas.

As manifestações dolorosas psicossomáticas também são encontradas em dores crônicas e, o fato de agirem no corpo, levam os pacientes a nunca acreditarem que elas tenham uma causa emocional.

Este é o principal motivo porque muitas dores crônicas não conseguem ser eliminadas.

A maior parte dessas desordens está muito abaixo do nível de consciência do indivíduo, fazendo com que ele não perceba que existam realmente.

Por mais que olhe para o seu passado, a pessoa nunca consegue encontrar nenhum trauma, problema emocional ou algo que possa ser responsável pelas suas dores.

Além das emocionais, existem dores denominadas “existenciais” ou da “alma”. As dores psíquicas se devem a conflitos internos ou externos que a pessoa vive ou viveu. Estas dores alteram o funcionamento dos sistemas nervoso e hormonal, provocando quadros de depressão, ansiedade, inquietude, apreensão, medo, etc.

Caso não sejam resolvidas, as dores emocionais acabam por serem somatizadas com as consequências que daí surgem, quer em termos de modificações físicas, com os respectivos problemas de saúde, quer em alterações mentais, com as respectivas consequências.

Muitas vezes, qualquer terapia que ajude a reduzir o estresse pode ser benéfica na eliminação das dores emocionais, pois a pessoa aprende a olhar, dominar e resolver seus assuntos, conflitos e sofrimentos existenciais.

Dor existencial é algo bem mais profundo e que está fora do controle racional e consciente. Dor da alma é aquilo que se sente, mas que não se vê como tal e que não se consegue controlar.

Dor existencial é aquele tormento que habita no inconsciente, que dói lá, está lá, mas que não se consegue alcançar.

Dores da alma requerem uma abordagem diferente e com mais profundidade. Dores existenciais raramente têm relação com conflitos conhecidos ou vividos, acontecimentos estes que provocam dores emocionais. As dores da alma têm mais a ver com o funcionamento mental.

Filha da vida, a dor é a grande mestra do ser humano. Quem nunca sofreu não se conhece. Mudamos, quando a dor é maior que o medo da mudança.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Coçar nem sempre cessa coceira

O nome “Jussara” vem da palavra tupi que significa “coceira”, sendo usada para designar os espinhos de uma palmeira que os índios utilizavam como agulhas para tecer. O pó que saía …


Exclusivo
Doutor João Responde

Flatulência e arroto

O pudor é uma vigilante virtude. Apesar disso, liberar flatos e arrotos é um hábito saudável. Os distúrbios relacionados com o conteúdo de gás no tubo digestivo são frequentes em consultórios de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nó na garganta nem sempre tem uma causa emocional

Lágrimas escorrendo sobre os olhos, olhar disperso e um coração silencioso, amarrando as palavras com as cordas vocais, apertando o nó na garganta. Angústia e angina derivam de “angere”, que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Divertículo de Meckel, o inimigo que derrotou Tancredo Neves

Cansado dos sucessivos governos militares, eu também ansiava por um presidente civil, ainda que indicado por meio de eleição indireta, como aconteceu com o mineiro Tancredo de Almeida Neves. Na …


Exclusivo
Doutor João Responde

A embaraçosa urina solta

Semana passada eu atendi uma senhora acometida por incômoda incontinência urinária. Este sintoma se mostra tão constrangedor que a paciente fez um longo rodeio, antes de abordar a referida queixa. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Síndrome do ombro congelado

Esperando que o tempo lhe devolva a atividade, um braço repousando na tipoia nos ensina a vital importância de cada pedacinho do corpo. Se, durante a noite, fazemos um movimento descuidado dentro do …


Exclusivo
Doutor João Responde

A torturante insônia

Quem tem insônia não dorme e nem acorda de verdade. Com ruminantes pensamentos, noites de insônia tornam cansado o amanhecer. Tentando me concentrar, rolo na cama de um lado para o outro, e nada do …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pombos podem transmitir doenças

Embora pareçam indefesos e frágeis, os pombos urbanos são transmissores de doenças. Isto ocorre, não por que eles querem; muito pelo contrário, na verdade os pombos se contaminam e depois acabam …


Exclusivo
Doutor João Responde

Os cuidados necessários com o pé diabético

Abençoados pés, que nos apoiam e nos levam de um lado para o outro. Dependemos deles para não dependermos de ninguém para caminhar. São os pés que nos ligam a terra, simbolizando suporte, absorvendo …


Exclusivo
Doutor João Responde

A importante cera do ouvido

“Fazer cera” significa demorar de forma proposital para realizar alguma coisa que já poderia ter sido feita. Talvez por isso, a palavra “sincera” significa “sem cera”. Todavia, em se tratando do …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados