Impacto da reforma da Previdência

O impacto causado pelo resultado da previdência social no déficit fiscal do governo federal é motivo de preocupação, visto que ele diminui a confiança a respeito da capacidade do país em honrar os seus compromissos futuros. Em virtude disso, a reforma da Previdência Social tem retornado constantemente aos noticiários econômico e político do Brasil.

De acordo com informações disponibilizadas pela Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda, o déficit acumulado de janeiro a setembro de 2018 da Previdência Social dos trabalhadores urbanos foi de 72,4 bilhões de reais. No mesmo período, o déficit referente à Previdência dos trabalhadores rurais alcançou o montante de 84,8 bilhões de reais.

O Relatório Resumido da Execução Orçamentária, publicado em agosto pela Secretaria do Tesouro Nacional aponta situação similar na previdência de servidores públicos civis e militares. De janeiro a agosto, o montante do déficit da previdência dos servidores públicos foi de 31,3 bilhões. O déficit dos militares no mesmo período foi de 28,5 bilhões de reais.

Hoje, o total de beneficiários, entre inativos e pensionistas, é de 9,5 milhões de pessoas na previdência social rural, 20,6 milhões na previdência social urbana, 640 mil no Regime Próprio dos Servidores Públicos e 375 mil no Regime Próprio dos Militares.

A cada mês o déficit médio, ou seja, a contribuição da União para os trabalhadores urbanos é de R$ 400, R$ 1 mil para os trabalhadores rurais, R$ 6.100 para os servidores públicos e R$ 9.500 para os militares.

Além disso, os brasileiros estão vivendo mais e, com isso, o rombo tende a crescer. Hoje, o Brasil tem 12,4 milhões de pessoas acima de 70 anos, ou 5,9% do total da população. Em 2030, esse patamar será de 9% (20,4 milhões), o que significa mais pessoas na fila da aposentadoria.

Conhecendo o tamanho do déficit, que ultrapassa 200 bilhões somente neste ano, e que tende a crescer nos próximos, fica fácil entender porque a reforma da previdência social foi assunto tratado por todos os candidatos na recente campanha presidencial. No entanto, nenhuma das soluções possíveis para o problema é fácil,tampouco agradável.

Essas contas envolvem dois grupos distintos de pessoas. Aquelas que já se aposentaram e figuram no campo da despesa previdenciária e aquelas que ainda se encontram ativas e contribuem para a receita previdenciária. Qualquer solução adotada para a reforma não diminuirá a quantidade de recursos necessários para pagamento daqueles que são aposentados, pensionistas ou ainda militares inativos, visto o seu direito adquirido. Este fato impede que qualquer solução seja capaz de reduzir o déficit no curto prazo.

As mudanças que podem ser feitas pelo governo afetarãosomente aqueles que hoje percorrem o caminho rumo à aposentadoria, seja na iniciativa privada ou no serviço público civil ou militar.

Ao realizar a reforma, o trabalho essencial do legislador será o de garantir que os direitos dos cidadãos sejam protegidos de forma proporcional à contribuição que já deram ao país, bem como à classe social em que se encontram. Assim, os mais idosos deverão ser mais preservados em relação aos mais jovens. Ao mesmo tempo, os mais ricos devem suportar um peso maior do que os mais humildes nas mudanças que virão.

Sérgio Vidigal é deputado federal pelo PDT do Espírito Santo


últimas dessa coluna


Natal para todos

Começamos o tempo litúrgico do Advento, em que várias tradições cristãs se preparam para a solenidade do Natal. “Natal” significa “nascimento” e a Festa do Natal lembra o nascimento de Jesus, que se …


O mundo virtual está moldando a sociedade em que vivemos?

Tenho acesso a internet desde os meus 12 anos, sempre fui curiosa em relação a essas coisas, mas meus pais não tanto. Na maior parte do tempo eles só sabem entrar em redes sociais, baixar algum jogo …


Violência: onde está a saída?

O que é o que é que quanto mais se tira maior fica? Quando o meu avô me propôs essa questão, deu um nó na minha cabeça: tirar = aumentar? Não soube responder que era o buraco. Não percebi que se …


Por onde anda o seu foco?

O verbo da moda é focar. Ele está na boca de quase todo mundo, principalmente dos ansiosos. Todos se dizem focados em alguma coisa, essa é a grande mentira do mundo moderno. Como uma mente …


Bases comunitárias móveis. A verdadeira polícia de proximidade

Um fator preponderante para estimular a confiança, respeito e credibilidade em qualquer relação é a presença física, com demonstração constante de preocupação, cuidado e total atenção. O …


Violência nos ônibus: transporte do medo

Diariamente, milhares de capixabas utilizam o transporte público para realização de uma série de atividades. Nas últimas semanas, esse sistema virou alvo fácil dos bandidos. Os passageiros, desprovid…


Os idosos e a depressão

Com o passar dos anos, que traz o envelhecimento, as relações sociais das pessoas idosas tendem a diminuir. Em razão da aposentadoria, por exemplo, muitos passam a ficar mais tempo em casa. Ou, …


Direitos humanos e desafios

Amanhã, dia 10 de dezembro, o mundo celebra os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Mais do que um documento histórico chancelado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948, …


A humanidade como virtude

Não nascemos humanos, transformamo-nos em humanos – ou não! Pode parecer estranho, mas é exatamente a contingência histórica que promove seres nascidos potencialmente humanos a humanos de verdade. …


Cartórios são mais que registradores

A maioria da população não sabe o porquê da existência dos cartórios e muito menos reconhecem a sua grande importância dentro da sociedade. Do nascimento à morte, os cartórios têm a função de …