Impacto da reforma da Previdência

O impacto causado pelo resultado da previdência social no déficit fiscal do governo federal é motivo de preocupação, visto que ele diminui a confiança a respeito da capacidade do país em honrar os seus compromissos futuros. Em virtude disso, a reforma da Previdência Social tem retornado constantemente aos noticiários econômico e político do Brasil.

De acordo com informações disponibilizadas pela Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda, o déficit acumulado de janeiro a setembro de 2018 da Previdência Social dos trabalhadores urbanos foi de 72,4 bilhões de reais. No mesmo período, o déficit referente à Previdência dos trabalhadores rurais alcançou o montante de 84,8 bilhões de reais.

O Relatório Resumido da Execução Orçamentária, publicado em agosto pela Secretaria do Tesouro Nacional aponta situação similar na previdência de servidores públicos civis e militares. De janeiro a agosto, o montante do déficit da previdência dos servidores públicos foi de 31,3 bilhões. O déficit dos militares no mesmo período foi de 28,5 bilhões de reais.

Hoje, o total de beneficiários, entre inativos e pensionistas, é de 9,5 milhões de pessoas na previdência social rural, 20,6 milhões na previdência social urbana, 640 mil no Regime Próprio dos Servidores Públicos e 375 mil no Regime Próprio dos Militares.

A cada mês o déficit médio, ou seja, a contribuição da União para os trabalhadores urbanos é de R$ 400, R$ 1 mil para os trabalhadores rurais, R$ 6.100 para os servidores públicos e R$ 9.500 para os militares.

Além disso, os brasileiros estão vivendo mais e, com isso, o rombo tende a crescer. Hoje, o Brasil tem 12,4 milhões de pessoas acima de 70 anos, ou 5,9% do total da população. Em 2030, esse patamar será de 9% (20,4 milhões), o que significa mais pessoas na fila da aposentadoria.

Conhecendo o tamanho do déficit, que ultrapassa 200 bilhões somente neste ano, e que tende a crescer nos próximos, fica fácil entender porque a reforma da previdência social foi assunto tratado por todos os candidatos na recente campanha presidencial. No entanto, nenhuma das soluções possíveis para o problema é fácil,tampouco agradável.

Essas contas envolvem dois grupos distintos de pessoas. Aquelas que já se aposentaram e figuram no campo da despesa previdenciária e aquelas que ainda se encontram ativas e contribuem para a receita previdenciária. Qualquer solução adotada para a reforma não diminuirá a quantidade de recursos necessários para pagamento daqueles que são aposentados, pensionistas ou ainda militares inativos, visto o seu direito adquirido. Este fato impede que qualquer solução seja capaz de reduzir o déficit no curto prazo.

As mudanças que podem ser feitas pelo governo afetarãosomente aqueles que hoje percorrem o caminho rumo à aposentadoria, seja na iniciativa privada ou no serviço público civil ou militar.

Ao realizar a reforma, o trabalho essencial do legislador será o de garantir que os direitos dos cidadãos sejam protegidos de forma proporcional à contribuição que já deram ao país, bem como à classe social em que se encontram. Assim, os mais idosos deverão ser mais preservados em relação aos mais jovens. Ao mesmo tempo, os mais ricos devem suportar um peso maior do que os mais humildes nas mudanças que virão.

Sérgio Vidigal é deputado federal pelo PDT do Espírito Santo


últimas dessa coluna


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …


Tecnologia nos distancia do amor e nos aproxima da violência

Celular… Essa maquininha veio com a promessa de aproximar as pessoas, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia aumenta mais a distância entre os corações humanos. É na convivência com as …


A histórica igrejinha do Rosário da Prainha em Vila Velha

Durante o processo de expansão marítima de Portugal por vários reinados, foi determinado não somente a expansão da religião católica, com os símbolos religiosos, com prevalência da Cruz relativa a …