Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Iemanjá, diversidade e tolerância
Tribuna Livre

Iemanjá, diversidade e tolerância

Há pouco, o calendário marcou o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa (21/01). Em 02 de fevereiro, celebra-se Iemanjá, “a mãe dos orixás”. Com fé, ou não, andemos a reverenciar a diversidade de crenças no Brasil, garantida pela Constituição, mas, infelizmente, massacrada por crescentes cruzadas de violência e preconceito contra a devoção que não é espelho.

Não é à toa que precisamos de um dia para lembrar que a intolerância religiosa existe e deve ser combatida. Enfrentá-la é algo decisivo para a liberdade de crer, mas lutar contra esse tipo de discriminação vai além do campo da fé. Essa lição a história nos dá.

A discussão sobre as intolerâncias na caminhada civilizatória surgiu exatamente com o debate acerca das perseguições religiosas. Essa temática atravessa duas das principais referências filosóficas sobre a questão: a Carta sobre a Tolerância, de John Locke (1689), e o Tratado sobre a Tolerância, de Voltaire (1762).

Pode parecer incabível pensar que a intolerância religiosa esteja na matriz da ampla maioria das opressões que se praticam desde há muito. Mas, sim, amparados em verdades redentoras e radicais, intolerantes justificam desde os mais comezinhos gestos de desprezo ao semelhante até hediondos crimes de guerra.

Se a intolerância religiosa “inspira” outras intolerâncias, pode-se concluir que a tolerância à diversidade de credo seja um dos fundamentos da vida fraterna entre nós. Daí a importância desse debate.

Locke oferece uma pista para que avancemos nesse desafiante caminho de convivência pacífica na diversidade. Observando duas esferas da existência – uma pública, concernente à vida em comum, regulada por leis, e outra privada, orientada pelas livres escolhas da consciência individual –, o pensador fixa um modo de se evitar a intolerância. Trata-se do fator indiferença.

E o que deve ser indiferente? É alguma ideia, situação, comportamento e/ou escolha que, se forem mudados, não fazem a menor diferença ao conjunto da vida social. Num exemplo: a fé que eu professo faz alguma diferença para o universo das leis que regem a comunidade em que eu vivo? Não! Isto é, a não ser que exista alguém que se arvore o direito de dizer no que eu devo crer, buscando “salvar” a mim mesmo das minhas próprias escolhas.

E, nesse caso, Locke também oferece um raciocínio lúcido. “Nem o próprio Deus pode salvar os homens contra a vontade destes”, cabendo a “cada homem a preocupação com sua própria salvação, cuja obtenção não pode ser facilitada pelo esforço de outro homem, nem sua perda se transformar em prejuízo deste”.

Como descreveu Mircea Eliade, “o sagrado e o profano constituem duas modalidades de ser no Mundo”. O sagrado “é a manifestação de algo de ordem diferente – de uma realidade que não pertence ao nosso mundo – em objetos que fazem parte integrante do nosso mundo ‘natural’, ‘profano’”. As religiões se colocam como sistematizadoras da relação do homem de fé com o sagrado.

Dessa forma, que o inventar e o vivenciar religiões sejam respeitados como uma escolha legítima, como um fenômeno histórico de livre criação de sujeitos em busca de algo que lhes diga um pouco mais da experiência de existir. E que as religiões sejam sinal de fraternidade entre nós, e não justificativa para quaisquer intolerâncias. Odoyá, Iemanjá!

José Antonio Martinuzzo é doutor em Comunicação, pós-doutor em Mídia e Cotidiano, professor na Ufes, membro da Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A pasta para dentes e a propaganda abusiva

No Ocidente, os egípcios e gregos foram os primeiros a compor uma mistura para limpar os dentes. A fórmula era bastante variada (cinzas, casca de ovo, pedra-pomes, ervas, carvão, hortelã...). …


Exclusivo
Tribuna Livre

A música romântica e a visão de mundo

Em 1995 escrevi algo sobre a as diferenças entre o romantismo pós-wagneriano e o estilo francês (impressionista, pós-impressionista, de Stravinsky, de Satie, etc). Hoje, retomo ao tema, estando …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado de trabalho e o profissional do futuro

Com um mercado de trabalho que muda a cada dia, muitos profissionais ficam em dúvida sobre qual caminho seguir. Afinal de contas, vale a pena investir em uma profissão do futuro? Quando é o momento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Isenção do “imposto sobre a herança” no Espírito Santo

Como defensor público titular da 2ª Defensoria de Órfãos e Sucessões de Cariacica efetuo diariamente orientações aos meus assistidos sobre as regras legais para a elaboração de inventários e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Dragagem ainda não trouxe os resultados esperados

As obras de dragagem no Porto de Vitória foram concluídas em outubro de 2017. A tão esperada dragagem previa que o canal passaria de uma profundidade de 11,7 metros para 14 metros e de 11,7 metros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A intolerância do preconceito

Mais uma vez, ficamos chocados com ondas de ataques simultâneos às pessoas inocentes, morrendo, sem motivo aparente, senão à cor que mais uma vez se manifesta diante do racismo radical, abalando a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Competindo com eficiência

O Espírito Santo é o maior produtor mundial de pelotas de minério de ferro e o terceiro maior produtor de aço do Brasil, sendo que, juntos, os dois setores representam mais de 20% do PIB estadual, …


Exclusivo
Tribuna Livre

A polêmica “PL do saneamento”

Desde a edição da Medida Provisória (MP) 868 no ano passado, a necessidade de se estabelecer um novo Marco Regulatório sobre Saneamento Básico no País está em voga. É que na última década, os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tráfico de pessoas: um perigo que ainda ronda entre nós

Estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU) consideram haver cerca de 2,5 milhões de vítimas de tráfico de seres humanos. Esse é um assunto de grande relevância mundial, pois criminosos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qual é o lugar do esporte no Brasil?

O esporte é um ótimo indicador social. Tenho acompanhado o Pan de Lima, e a cada vez que um brasileiro ou uma brasileira sobe ao pódio me encho de alegria, pois sei que competir em alto nível …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados