search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Herpes-zóster, esse filho da catapora
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se instala para arruinar a pele, com suas “pipoquinhas”.

No começo, o processo é discreto, surgindo uma espinha do nada. A vítima estoura e ela some. Com o problema resolvido, o adolescente vai para a escola, talvez usando um disfarce para esconder a lesão.

No segundo dia, ampliando seu campo de batalha, o vírus deposita mais espinhas no rosto e em outras partes do corpo. Estourá-las não ajudará em nada, pois surgirão duas no lugar.

No terceiro dia, seriamente preocupado com a vaidade, a vítima nota o quadro piorar, observando bolhas surgirem por todos os cantos.

Envergonhado, o adolescente já pensa em colocar uma sacola de supermercado na cabeça e começar a rezar para que ninguém pergunte a razão daquilo.

No quarto dia, o vírus já se espalhou em outras células da pele, fazendo a vítima quase ter uma pele de espinhas cobrindo seu rosto.

No estágio final, o adolescente mal consegue sair de casa por causa da maldita varicela, digo, catapora. Entretanto, caso não complique, a doença irá desaparecer, permitindo a vaidade continuar embalando sua juventude.

A enfermidade desaparece, mas poucos ficam sabendo que o agente responsável por ela irá, para o resto da vida, fixar residência no corpo, podendo, no futuro, retornar com outro nome: herpes-zóster.

Com o tempo, a vítima esquece-se das bolhas na pele e acha que a doença nunca mais vai incomodar. Anos depois, surge um formigamento incômodo nas costelas.

A catapora, vencida pelo sistema imunológico da pessoa, se esconde no corpo a espera de um momento oportuno para voltar.

Surge o herpes-zóster, uma nova tentativa por parte do vírus adormecido, que não se consegue eliminar do corpo que albergou a varicela.

Conhecida como cobreiro, o vírus do herpes-zóster se aloja em um gânglio nervoso, permanecendo incubado por tempo indeterminado.

Um detalhe curioso é que, como esse patógeno agride uma raiz nervosa, ele afeta apenas um lado do corpo.

O que provoca a reativação do vírus incubado não é conhecido. Acredita-se que o enfraquecimento do sistema imunológico possa desencadear o despertar do vírus.

Seguindo o caminho do nervo onde está alojado, ele causa bolhas semelhantes às da catapora.

Entretanto, nesse caso, as lesões são localizadas apenas na região onde se encontra o nervo afetado.

O herpes-zóster não é transmitido pelo ar, apenas pelo contato, já que os vírus ativos só estão presentes dentro das bolhas, na pele e no nervo. Com o passar dos dias, o sistema imunológico elimina a doença.

O único risco de contrair herpes-zóster é ter albergado o vírus da catapora no passado.

A neuralgia presente no herpes-zóster é causada pelo sistema imunológico se defendendo do vírus.

Essas sensações nervosas não estão relacionadas a estímulos exteriores.

Quando o vírus acorda e começa a percorrer o nervo que será afetado, é possível que haja coceira na região onde surgirão as futuras bolhas.

O formigamento é outro sinal de irritação nervosa, que indica o início do herpes-zóster.

Assim como a coceira, esse sintoma pode ocorrer na região onde as bolhas irão aparecer, ou seja, na base de um nervo que sai da espinha dorsal.

Migrando pelo nervo, os vírus enchem a pele de bolhas, contendo um líquido que mantém esses patógenos ativos.

Quem quiser colher saúde, trate de vigiar a semente doente. Deixe-a no solo seco, onde o sol seja mais quente. Pois se for irrigada, ela acorda e adoece a gente.

As doenças têm melhor memória que a saúde.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados