Hérnia hiatal nem sempre é doença

O diafragma é um músculo responsável pela respiração humana. Ele está localizado na transição do tórax com o abdômen, separando essas duas cavidades corporais. Nessa estrutura muscular existe um orifício, conhecido como hiato, onde o esôfago penetra na cavidade abdominal e se liga ao estômago.

A hérnia hiatal caracteriza-se pelo enfraquecimento do diafragma e alargamento do orifício nele contido, por onde uma parte do estômago desliza em direção ao esôfago.

Não é fácil descobrir a causa específica da hérnia de hiato, mas sabe-se que, além de problemas genéticos, alguns outros fatores facilitam seu aparecimento, como idade avançada, excesso de peso, ingestão de grandes quantidades de alimentos, traumas abdominais e prática de esportes que distendam a musculatura abdominal.

Na ligação do esôfago com o estômago existe um músculo chamado esfíncter esofágico inferior. Este se abre para permitir a passagem dos alimentos em direção ao estômago e se fecha para impedir que o ácido clorídrico suba para o esôfago.

Qualquer alteração nesse mecanismo pode provocar retorno do conteúdo do estômago para o esôfago. Como a mucosa esofágica não está preparada para receber o conteúdo ácido do estômago, isso pode desencadear inflamação no esôfago.

Sintomas, como azia, eructação e dor são algumas vezes atribuídos à presença da hérnia hiatal. Durante muito tempo, esse distúrbio foi relacionado com o aparecimento de refluxo gástrico esofagiano, alcançando a garganta e provocando tosse ou sensação de vômito.

Sem dúvida, a agressão ácida crônica é responsável pelo surgimento de úlceras e esofagites, mas nem sempre a culpa é da hérnia hiatal.

Quando muito volumosa, ela realmente é capaz de gerar complicações advindas do refluxo gastroesofágico, como o esôfago de Barrett, doença causada por exposição prolongada do ácido existente no estômago e com preocupante potencial cancerígeno.

Laudos de endoscopia digestiva que acusam a presença de hérnia de hiato costumam deixar os pacientes preocupados.

Entretanto, esse achado diagnóstico não significa necessariamente a patologia, porque a hérnia hiatal é uma condição anatômica, podendo ou não provocar doença do refluxo gastroesofágico.

Muitos pacientes reclamam que sofrem de hérnia de hiato. Todavia, mesmo frequente, ela não deve ser supervalorizada.

Alguns indivíduos procuram atendimento médico quando apresentam sintomas de azia, regurgitação, tosse sem explicação ou dor torácica de origem não cardíaca. Entretanto, dispepsias são consideradas manifestações normais, em certa quantidade e frequência.

A realização de endoscopia digestiva alta vai apontar se existe hérnia de hiato, e se ela realmente está provocando doença do refluxo gastroesofágico.

Na maioria dos casos, o problema é resolvido com uso de remédios e mudanças de hábitos alimentares.

Pacientes dispépticos devem evitar alimentos que podem causar ou agravar os sintomas do refluxo, como frutas cítricas, tomate, cebola, alho, comida muito temperada, frituras, chocolate e café.

É importante também abandonar o cigarro, reduzir o peso e evitar deitar logo após comer. Convém esperar pelo menos duas horas antes de ir para a cama após as refeições.

Medicamentos que reduzem a produção de ácido clorídrico pelo estômago são frequentemente utilizados, embora produzam efeitos colaterais, como cefaleia, diarreia, cólica e constipação.

O uso contínuo de antiácidos reduz a absorção de cálcio, favorecendo o aparecimento da osteoporose, o que eleva o risco de fraturas.

Enfermidades agridem não apenas o nosso corpo, mas também os nossos pensamentos. Algumas vezes, o diagnóstico torna-se, erroneamente, a causa da doença.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria. O …


O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a …


Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão? Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação …


O ninho da alma

Quando eu era acadêmico de Medicina, durante uma aula de Anatomia, segurando um cérebro na mão, meu professor perguntou se alguém sabia onde ficava a casa da alma. Como ninguém respondeu, ele …


Doença virou moda

“Doutor João, hoje eu não estou sentindo nada! Será que isso é muito grave?”. Como não achar graça diante desse desabafo inusitado? Apesar disso, a mensagem é bastante séria, pois mostra a perigosa …