search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Gravadora nega que proibiu Taylor Swift de cantar suas músicas antigas

Entretenimento

Entretenimento

Gravadora nega que proibiu Taylor Swift de cantar suas músicas antigas


A Big Machine Record, administrada por Scott Borchett a e Scooter Braun, negou que proibiram a cantora Taylor Swift de cantar alguns de seus grandes sucessos em apresentações gravadas, como o American Music Awards, que acontece no próximo dia 24, e no qual ela será homenageada. Ela deixou a gravadora no ano passado.

A cantora ainda disse que a dupla estaria proibindo a Netflix de usar as músicas antigas dela em um documentário que está sendo produzido sobre sua vida.

"Em momento algum dissemos que Taylor não poderia atuar nos AMAs ou levar à frente o seu especial da Netflix. Na verdade, não temos o direito de impedi-la de se apresentar ao vivo em qualquer lugar ", afirma o comunicado divulgado no site da gravadora. "Desde a decisão de Taylor de deixar a Big Machine no ano passado, continuamos atendendo a todos os pedidos dela para licenciar seu catálogo a terceiros."

Eles afirmam que as conversas estavam avançando até que a cantora fez esse desabafo público. "Taylor tomou uma decisão unilateral na noite passada para recrutar a sua base de fãs de uma maneira calculada que afeta muito a segurança de nossos funcionários e suas famílias", dizem os empresários no comunicado. "Taylor, a narrativa que você criou não existe. Tudo o que pedimos é ter uma conversa direta e honesta".

Em resposta ao comunicado, os empresários de Swift afirmaram ao site da Entertainment Weekly que a cantora recebeu uma carta da gravadora dizendo que eles "não concordariam em emitir licenças para gravações existentes ou renunciariam às restrições de regravação relacionadas a esses dois projetos: O documentário da Netflix e o evento Alibaba Double Eleven."


Entenda o caso
Em julho deste ano, Swift usou as redes sociais para publicar uma carta aberta ao empresário Scooter Braun, que acabara de comprar a Big Machine Records, gravadora que detém a maioria das gravações da cantora.

A venda, segundo a revista norte-americana Variety, não teria sido informada à artista, que já tem um histórico de problemas com Braun -na carta publicada, ela diz que teria vivido anos de "bullying e controle obsessivo" sobre a sua carreira, e que por isso está "triste e atordoada" com a novidade.

"Por vários anos eu pedi e implorei por uma chance de ser dona do meu próprio trabalho. Ao invés disso, eu tive a oportunidade de renovar com a Big Machine Records e 'ganhar' um álbum de volta de cada vez, um para cada novo que eu entregasse. Eu fui embora porque sabia que uma vez que assinasse esse contrato, Scott Borchetta venderia a gravadora, vendendo assim a mim mesma e o meu futuro", escreveu na carta, publicada em sua conta na rede social Tumblr.

"Tive que fazer a escolha excruciante de deixar para trás o meu passado, canções que escrevi no chão do meu quarto e vídeos que sonhei e paguei com o dinheiro que ganhei tocando em bares, depois em clubes, depois em arenas e depois em estádios", continua.

Sobre a compra da gravadora, ela diz que, quando soube, "tudo o que eu conseguia pensar era no incessante e manipulador bullying que sofri em suas mãos por anos".

Swift disse que o nome do rapaz, para ela sempre era associado a algo ruim e motivo de choro. "É o que acontece quando você assina um contrato aos quinze anos com alguém para quem o termo 'lealdade' é claramente apenas um conceito contratual. E quando esse homem diz que 'a música tem valor', ele quer dizer que seu valor é devido a homens que não participaram da criação."

Sabendo da repercussão, famosos começaram a tomar partido na briga, especialmente para o lado de Swift. A imprensa norte-americana noticiou que Miley Cyrus, Britney Spears, Nicki Minaj, Rihanna, Katy Perry e Billie Eilish deixaram de seguir Braun nas redes sociais; já outros, como Iggy Azalea, se manifestaram com mensagens de apoio a Swift. A cantora também acusou Braun de incentivar atitudes de Kanye West, Kim Kardashian e de Justin Bieber contra ela.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados