search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Grande e contagiante encontro de amigos

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Para Dançar

Grande e contagiante encontro de amigos


 (Foto: Marcos Hermes/Divulgação)
(Foto: Marcos Hermes/Divulgação)
Uma amizade incrível, um grande encontro. Já é possível ouvir os sinais! São os versos sussurrados pelos anjos que anunciam Alceu Valença, Geraldo Azevedo e Elba Ramalho juntos no palco em Vila Velha.

“Anunciação” abre a noite de quinta no show “O Grande Encontro: 20 Anos”, uma grande celebração da cultura nordestina.

E é só o começo. A partir daí, tem “Dia Branco”, “Sabiá”, “Caravana”, “Moça Bonita”, “Bicho de 7 Cabeças”, “Chão de Giz”, “Coração Bobo”, ou seja, um verdadeiro desfile de clássicos dos trovadores nordestinos acostumados a encantar o público com letras envolventes e ritmo contagiante.

No palco, aos 67 anos, Elba Ramalho é pura energia. “Eu não canto por cantar, canto para dizer alguma coisa”, explica ela ao AT2.

E há uma mensagem favorita? “Esta é uma pergunta muito difícil, o repertório do show é incrível, mas eu tenho uma favorita sim. A música 'O Princípio do Prazer', de Geraldo Azevedo. Estes versos expressam muito do que eu sinto: 'Faz a tua luz brilhar, para iluminar a nossa paz / O meu coração me diz 'fundamental é ser feliz'”, cita a paraibana.

Alceu Valença, Elba e Geraldo Azevedo relembram músicas  que marcaram gerações (Foto: Marcos Hermes/Divulgação)
Alceu Valença, Elba e Geraldo Azevedo relembram músicas que marcaram gerações (Foto: Marcos Hermes/Divulgação)
“Gosto dos improvisos, de ser provocada” - Elba Ramalho, cantora

AT2: Mais de 20 anos depois, dá para dizer que “O Grande Encontro” foi um marco em suas carreiras?
Elba Ramalho: Certamente. Todos nós já tínhamos carreiras muito sólidas e estabelecidas, mas a nossa reunião acabou potencializando ainda mais a carreira individual de cada um.

Na formação original, estávamos nos apresentando de voz e violão, de forma bem acústica. Agora, temos uma superbanda, o que traz mais peso e mais liberdade para nossas interpretações. Em Vila Velha mesmo, estivemos no ano passado e estamos retornando em função dos pedidos.

AT2: Geraldo Azevedo disse: “Nenhuma intérprete teve uma história tão grandiosa na minha carreira quanto Elba”. A sinergia é total?
Elba Ramalho: Tenho a honra de ser a artista que mais gravou as composições de Geraldo Azevedo. Somos compadres e amigos fraternos, de longa data. Enquanto intérprete, eu tenho a obrigação de escolher a canção mais bonita. E Geraldo sempre me tocou com a sua música.

AT2: Alceu disse que estar no palco com você é “como cantar em casa”. Como é para você?
Elba Ramalho: Eu gosto de dividir o palco, gosto dos improvisos, gosto de ser provocada. Os tons das músicas não me favorecem, estamos cantando em tons masculinos, mas vale o meu esforço. Acima de tudo, somos amigos.

 (Foto: Marcos Hermes/Divulgação)
(Foto: Marcos Hermes/Divulgação)

AT2: O palco é o lugar para celebrar essa amizade? Vocês se entendem totalmente?
Elba Ramalho: O palco sempre é um lugar especial e onde eu me sinto plena. É claro que existem discordâncias, mas nos entendemos muito bem.

O poder da música está acima de qualquer discórdia.

AT2:  Em seus shows, você esbanja vitalidade. Qual é o papel da música nessa energia que você exibe? E da religiosidade?
Elba Ramalho: A música é a mais transformadora das artes, a mais catalisadora. Cantar tem relação direta com viver. Meu canto tem a energia nos momentos certos. Minha fé é inabalável, e minha religiosidade está presente em tudo o que eu faço, inclusive na minha música.

Serviço:
“O Grande Encontro - 20 anos”
O quê: Show com Elba Ramalho (PB), Alceu Valença (PE) e Geraldo Azevedo (PE), com clássicos da MPB
Quando: Quinta-feira, 22h. Abertura dos portões às 21h
Onde: Espaço Patrick Ribeiro, na Área de Eventos do Shopping Vila Velha, Av. Luciano das Neves, 2418, Divino Espírito Santo, Vila Velha
Ingressos (1º lote/meia): Pista a R$ 50, Cadeira Bronze a R$ 60 e Cadeira Prata a R$ 70. Cadeiras Ouro esgotadas. Mesas para 4 pessoas (único): Setor Bronze a R$ 800, Setor Prata a R$ 1.000 e Setor Ouro a R$ 1.200
Vendas: Metal Nobre (Grande Vitória e Linhares), Soft Modas (Guarapari), bilheteria da Área de Eventos e tudus.com.br
Classificação: 16 anos. Menores somente acompanhados dos pais ou responsável
Inf.: 3533-2221
Apoio: Rede Tribuna


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados