search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Governo do Estado cria Comitê de Crise após chegada de óleo ao Sul da Bahia

Notícias

Cidades

Governo do Estado cria Comitê de Crise após chegada de óleo ao Sul da Bahia


Agentes da Prefeitura de Salvador estão atuando para a retirada de novas manchas de óleo na Pedra do Sal, em Itapuã (Foto: Divulgação / Prefeitura de Salvador)
Agentes da Prefeitura de Salvador estão atuando para a retirada de novas manchas de óleo na Pedra do Sal, em Itapuã (Foto: Divulgação / Prefeitura de Salvador)

Para conter eventuais danos da possível chegada do óleo que atingiu praias do Nordeste no litoral capixaba, o governo do Estado criou um Comitê de Preparação de Crise, formado por representantes da Marinha, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama-ES), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama), que vai coordenar a ação.

A decisão foi tomada nesta segunda-feira (21) em uma reunião, antecipada pela Coluna Plenário, entre o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), Defesa Civil, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama-ES), ICMBio e Capitania dos Portos.

Através de nota, a Seama afirmou que também foram criados grupos de trabalho com diferentes temáticas, como: Institucional/Municípios, Técnico, Comunicação, Segurança/EPI´s, Fauna, Unidades de Conservação e Logística.

"Já está sendo articulada uma reunião com gestores municipais de Conceição da Barra, São Mateus e Linhares para unificação de informações e de ações preventivas. E também será agendada uma visita, de representantes da Seama e do Iema, à Bahia para verificação in loco dos procedimentos de governança e das atividades práticas de recuperação e limpeza das praias e do manuseio da fauna oleada, entre outras", diz o comunicado.

De acordo com a secretaria, ainda não é possível precisar a chegada do óleo ao Espírito Santo, porém o monitoramento é contínuo. "A Secretaria está em contato permanente com os gestores costeiros baianos, e recebe a todo momento informações atualizadas dos órgãos federais de meio ambiente", finaliza.

A doutoranda em engenharia ambiental pela UFES, Lorena Dornelas Marsolla explica que os danos provocados pelo derramamento de petróleo no mar podem ser variados, principalmente, se for considerada a qantidade do produto e as áreas atingidas.

Manchas de petróleo chegaram à capital baiana (Foto: Igor Santos/ SECOM-Salvador)
Manchas de petróleo chegaram à capital baiana (Foto: Igor Santos/ SECOM-Salvador)
“Quando derramado no mar, o petróleo se espalha pela ação dos ventos e corrente marítima, atingindo diferentes áreas da zona costeira, sendo praia, corais e manguezais, por exemplo. O petróleo contém substâncias tóxicas que contaminam o ambiente, a água e provocam mortandade de animais, como peixes, crustáceos, tartarugas e aves", disse.

A professora do curso de Engenharia Ambiental também afirma que esses acidentes causam impactos de grande magnitude, podendo atingir esferas ambientais e atividades socioeconômicas, principalmente a pesca e o turismo.

"Os pescadores são grandes afetados, pois perderiam sua principal fonte de renda com a contaminação dos peixes. Além disso, atividades turísticas também sofreriam, principalmente àquelas que dependem ou tem relação direta com o ambiente marítimo, e por consequência disso a economia local também seria afetada”, afirmou.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados