search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Governador troca líder do governo na Assembleia
Plenário
Fabiana Tostes

Fabiana Tostes


Governador troca líder do governo na Assembleia

Enivaldo deixa a função de líder e Freitas assumirá (Foto: Divulgação / Ales)
Enivaldo deixa a função de líder e Freitas assumirá (Foto: Divulgação / Ales)

Por Fabiana Tostes e Kleber Amorim

O governador Renato Casagrande (PSB) trocou o líder do governo na Assembleia, Enivaldo dos Anjos (PSD). A mudança ocorreu na tarde deste sábado (30), após a chegada do governador de um encontro partidário que teve no Rio de Janeiro. Em seu lugar entra o deputado Eustáquio de Freitas (PSB). O governador escreveu em seu Twitter que fez o convite ao socialista, ele aceitou, e que assume a liderança a partir deste momento.

O deputado Enivaldo comunicou sua saída e disse que deixa a liderança por motivos pessoais. “Comunico a todos que deixo no dia de hoje (30) a liderança do governo, por motivos pessoais, e que continuo trabalhando pela harmonia na política do Espírito Santo. Agradeço a todos que comigo colaboraram durante o exercício da liderança”.

Porém, a coluna Plenário apurou que a mudança está ligada à eleição da Mesa Diretora da Assembleia ocorrida na quarta-feira. O governador estava fora do Estado, em São Paulo, na quarta-feira pela manhã quando foi informado que a eleição seria feita na Assembleia. Ele, pessoalmente, teria ligado para o líder, Enivaldo, para barrar a eleição, orientando que a base votasse contra. O que não foi feito.

Um dia antes, na terça-feira, o governador, Enivaldo, o presidente da Assembleia, Erick Musso, e o deputado Marcelo Santos se reuniram no Palácio Anchieta para tratar da eleição. Erick queria em fevereiro, Casagrande teria dito que seria melhor após o recesso de julho. A reunião terminou, sem consenso, mas com um acordo de todos refletirem sobre o assunto. No dia seguinte a eleição pegou a cúpula do governo de surpresa.

Na coluna Plenário publicada hoje, Enivaldo afirma que só ficou sabendo da eleição na quarta-feira pela manhã, que foi apenas comunicado, e que não havia nada que pudesse ser feito para mudar a movimentação. Ele também disse que, por ele, continuaria sendo líder, embora já houvesse um burburinho de que ele poderia deixar a liderança.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados