Gestão dos recursos hídricos capixabas

Falar da água e de como utilizá-la de forma adequada é um dos grandes desafios dos gestores públicos. Quais são os atores políticos responsáveis pela gestão dos recursos hídricos?

Pensar e colocar em prática a governança da água requer enxergar os interesses comuns sem afetar a autonomia e particularidade de cada bacia hidrográfica. É necessário ainda exercitar a representatividade e construir os consensos necessários para que tenhamos água em qualidade e em quantidade adequadas para as pessoas, os ecossistemas e as atividades produtivas.

De acordo com a Política Nacional de Recursos Hídricos,a gestão da água deve ser descentralizada e contar com a participação do poder público, dos usuários e das comunidades, além de proporcionar o uso múltiplo das águas, ou seja, deve ser um processo democrático. A Lei estabelece instrumentos que devem ser elaborados de forma participativa, para que os objetivos da gestão sejam colocados em prática.

O Espírito Santo deu um passo importante. Em outubro foi aprovado o Plano Estadual de Recursos Hídricos(PERH/ES). Instrumento da Política Estadual, o PERH/ES é uma ferramenta de planejamento para nortear o desenvolvimento ambiental, social e econômico do Estadonos próximos 20 anos, considerando a água como elemento fundamental para o seu crescimento sustentável.

A elaboração do Plano Estadual teve como premissa a participação democrática de instituições atuantes na área de recursos hídricos.

Foi criada uma Comissão Consultiva e de Apoio à Mobilização Social, formada por representantes do governo, dos usuários de água e da sociedade organizada, para dialogar com as suas representações e receber demandas a serem incluídas no Plano.

Com o Plano aprovado o desafio passa a ser colocá-lo em prática. Isso requer uma governança com a efetiva participação de todos os interessados na gestão dos recursos hídricos. As questões agora são: os atores, gestores e técnicos se apropriaram do Plano Estadual como um instrumento de planejamento? O Plano está sendo considerado no processo de planejamento e desenvolvimento estadual? Sem isso, podemos dizer que haverá uma governança da água?

A verdade é que a existência do Plano, por si só, não é garantia de que o planejamento elaborado para as águas do Espírito Santo vai ocorrer na prática. No âmbito da gestão de recursos hídricos, sabe-se muito bem que não é por ausência de planos que as bacias hidrográficas têm inúmeros problemas e que, Brasil afora, as pessoas sofremcom eventos de secas e inundações.

Para a efetiva governança da água é fundamental que o Plano Estadual, no mínimo, seja entendido e apropriado por todos – Estado, municípios, sociedade organizada, usuários de água, Comitês de Bacia – tendo o governo estadual como propulsor e articulador desse importante processo.

O trabalho em conjunto da elaboração deve prosseguir após a aprovação do documento, deve ser contínuo e coletivo com os interesses comuns sendo atualizados na medida em que as ações saírem do papel. Esse é o caminho para que todo o esforço empreendido na elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos seja revertido em uma gestão democrática das águas com resultados que beneficiarão toda a sociedade capixaba

Mônica Amorim é doutora em Recursos Hídricos


últimas dessa coluna


Quem cuida do cuidador?

Vemos, na prática clínica atual, um aumento sustentado na incidência de doenças crônicas incapacitantes que, majoritariamente, são agravadas pelos processos disfuncionais envolvidos no envelhecimento …


Reforma da Previdência é um debate atrasado

Para trazer ao debate questões de ordem demográfica e social, verificamos que nos anos 60, a razão de trabalhadores da ativa versus aposentados era 12 para 1. Em 2000, esta proporção caiu para …


O sentido da vida

Passadas as férias, findo o Carnaval, a agenda do ano novo entra de vez no cotidiano de 2019. Assim, temos como que um replay da questão que sempre marca as viradas: o que faremos do ano que se …


Multipropriedade imobiliária: inovação no registro de imóveis

Tudo o que é novidade gera dúvidas: as maiores inovações vêm carregadas delas. As pessoas questionam, ficam curiosas, pesquisam, se informam e no final colocam tudo na balança para pesar o que vale …


Tragédia em Suzano: fuja do discurso raso!

Diante da recente tragédia ocorrida em uma escola de Suzano (SP), que ceifou vidas e marcou indelevelmente famílias e amigos, a sociedade volta a se perguntar o que pode levar uma pessoa a cometer …


Doutrinação nas escolas vai além de um cabo de guerra político

O período da história do Brasil, que se estendeu da proclamação da República em 15 de novembro de 1889 até o golpe de 1930, liderado por Getúlio Vargas, faz de suas ações um eixo explicativo para …


O homem criminoso e as agressões contra mulheres

A visão da sociedade ainda é muito ingrata com as mulheres, séculos de discriminação e desrespeito não são facilmente apagadas do nosso cotidiano, mas o empoderamento feminino, que é a luta pelo …


Tecnologia ajuda a transformar os motoristas e o trânsito

Mapas atualizados em tempo real, aluguel de bikes, motoristas de aplicativo e até cursos exigidos pelos Departamentos Estaduais de Trânsito, como o de reciclagem para recuperação de Carteira Nacional …


Como se livrar das dívidas? Não é tarefa fácil, mas há luz no túnel

Estamos em março e as famílias sentem no bolso o peso das contas, como material escolar, rematrícula, IPVA, IPTU, Imposto de Renda e por aí vai. Quem dirá, para quem já carrega os débitos antigos. …


Mulher, a equilibrista

Era ainda menina e sonhava em construir a minha família. Igualmente me motivava construir uma carreira em que eu pudesse fazer a diferença na vida das pessoas. Meu avô me ensinou ainda criança que …