Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Geração do hexa?
Papo do Dias
Flávio Dias

Flávio Dias


Geração do hexa?

David Neres e Richarlison, da nova geração, com o veterano Daniel Alves (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
David Neres e Richarlison, da nova geração, com o veterano Daniel Alves (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)
Na terceira Copa América em apenas cinco anos, uma banalização da competição — e, acreditem, ano que vem tem mais uma! —, o Brasil perdeu Neymar, a procura por ingressos é abaixo do esperado e a unanimidade em torno do Tite parece ter acabado.

Assim, o que esperar da Seleção Brasileira no torneio que começa sexta-feira (14)? Que tal torcermos para que seja plantada aqui a semente do hexa?

A última edição da Copa América disputada no Brasil foi em 1989. A Seleção também estava pressionada. Até mais do que agora, para falar a verdade. Mas ganhou e começou, naquela conquista, a forjar o time campeão do mundo em 1994.

Da Seleção campeã da Copa América de 89, 10 jogadores permaneceram até a conquista do tetra, cinco anos depois, nos Estados Unidos: Taffarel, Jorginho, Branco, Mazinho, Ricardo Rocha, Aldair, Dunga, Bebeto, Müller e Romário. À exceção de Müller, todos foram titulares no Mundial dos EUA — Ricardo Rocha perdeu a posição por lesão logo no início da Copa, e Mazinho fez o caminho inverso e ganhou a posição de Raí durante a competição.

É possível repetir a fórmula agora? Acredito do que sim.

Neste sentido, a ausência de Neymar pode ajudar. Como? Dando aos demais jogadores a chance de serem protagonistas, o que nunca acontece quando o camisa 10 está em campo. Assim, há possibilidade de crescimento e amadurecimento de jogadores jovens com grande potencial como Richarlison, David Neres, Everton e Gabriel Jesus, por exemplo.

Até mesmo alguns mais “velhos”, como Philippe Coutinho e Firmino, podem se soltar mais sem a “obrigação” de dar a bola para o Neymar o tempo todo.

Ainda não temos laterais e zagueiros para a próxima Copa do Mundo. Mas do meio de campo para a frente, boa parte da Seleção que estará no Catar em 2022 já estará em campo na Copa América.

***

Jesus vai dar o que falar

Jorge Jesus mostrou que é bom de entrevista em sua apresentação no Flamengo (Foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem)
Jorge Jesus mostrou que é bom de entrevista em sua apresentação no Flamengo (Foto: Alexandre Vidal/Fla Imagem)
Jorge Jesus só vai começar a trabalhar no Flamengo no dia 20. Sua estreia será na Copa do Brasil, no jogo de ida das quartas de final contra o Athletico/PR, fora de casa.

É esperar para ver. Mas é certo que as entrevistas do treinador vão dar o que falar. Frasista, deve competir com Renato Gaúcho no ranking das melhores declarações.

Se tamanha confiança vai se refletir dentro das quatro linhas, só os resultados dirão. Mas dizer que o Flu jogou para não perder o Fla-Flu da oitava rodada foi preocupante... Sinal de miopia?


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados