Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Futuro ministro diz que privatização dos Correios está fora da pauta

Notícias

Política

Futuro ministro diz que privatização dos Correios está fora da pauta


O astronauta Marcos Pontes, escolhido por Jair Bolsonaro para ser seu ministro de Ciência, Tecnologia e Comunicações, afirmou nesta quinta-feira (6) que a privatização dos Correios não está na pauta.

"Estão com a gente [os Correios], temos a parte de Comunicações [no ministério]. Por enquanto não está na pauta [a privatização]."

A declaração foi feita no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), em Brasília, onde funciona o gabinete do governo de transição. A administração dos Correios permanecerá subordinada à pasta que será chefiada pelo astronauta.

A fala sobre a privatização diverge do que defende o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

De formação liberal, ele planeja fazer um amplo processo de privatização das estatais a partir do ano que vem.

Pontes se reuniu com representantes de setores de Ciência e Tecnologia para discutir o futuro da pasta que vai comandar.

O futuro ministro, que é tenente-coronel da Aeronáutica, chegou ao local da entrevista vestindo um macacão de astronauta com as cores da bandeira brasileira e um símbolo da Nasa.

"Eu vim de macacão porque era uma reunião de Ciência e Tecnologia e eu queria falar um pouquinho sobre a vida, sobre essa parte espacial. Também por isso que o traje foi diferente aqui do normal", disse, em meio a pessoas vestidas de terno e gravata.

Pontes disse que um dos pontos que defenderá é a garantia de recursos para recuperar o prestígio de Ciência e Tecnologia no país.

Ele prometeu divulgar os nomes de seus secretários em breve e evitou dar sua opinião sobre as críticas de Bolsonaro ao acordo de Paris, do qual já ameaçou sair, a exemplo do presidente americano Donald Trump.

O futuro ministro disse apenas que do nosso ponto de vista da ciência, é favorável ao acordo.

"Somos favoráveis, mas logicamente a decisão é do presidente e a gente respeita", afirmou.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados