search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

FOTOS: Com repertório 'matador', Bon Jovi domina a plateia do Rock in Rio

Entretenimento

Diversão

FOTOS: Com repertório 'matador', Bon Jovi domina a plateia do Rock in Rio


Bon Jovi, ao lado do guitarrista (Foto: Francisco Cepeda/AgNews)
Bon Jovi, ao lado do guitarrista (Foto: Francisco Cepeda/AgNews)

Pulando e sorrindo, aos 57 anos, Jon Bon Jovi subiu ao palco Mundo, o principal do Rock in Rio, às 0h32, começo da madrugada desta segunda-feira (30), para fechar o terceiro dia do evento.

Abriu com a ótima "This House Is Not for Sale", de seu disco de 2016. De cabelos grisalhos e mais curtos do que nos anos 1980, cantou sem gritar a música seguinte, o grande sucesso "Born to Be My Baby", de 1988.

Apesar da contenção, o público respondeu feliz. Cantando e pulando, esse era o show que todos esperavam no domingo. Jon usa uma camisa preta, que logo encobrirá com uma jaqueta branca. Está meio frio no Rio.

"You Give Love a Bad Name" chacoalha a arena do rock. Sem Richie Sambora, seu parceiro de 30 anos, ele mantém o carisma e domina a plateia. Muitos hits ainda virão nesta noite.

Jon Bon Jovi é amado pela plateia. E há razões antigas: a garotada masculina dos anos 1980 odiava o rock de arena do Bon Jovi. Mas porque ele era bonito.

A garotada feminina dos anos 1980 podia até odiar o rock de arena do Bon Jovi. Mas o amava porque ele era bonito.

Poucos sabem que Jon Bon Jovi é um herói de New Jersey, sua cidade. Onde, desde 2011, ele mantem uma uma fundação e um restaurante, The Soul Kitchen, grátis para os pobres. Ou ricos. Basta chegar, comer e pagar, se quiser.

Na metade do show do Rock in Rio, provavelmente sem saber o que significa se enrolar com uma bandeira do Brasil no Brasil dos dias de hoje (ele é anti-Trump), Bon Jovi se enrolou com uma.

Sua voz quase sexagenária anda esquisita, às vezes parece uma imitação feita pelo Pato Donald, ou o inverso. Principalmente quando ele fala, após cantar quase uma dezena de músicas.

Para dar um refresco, o tecladista assume o vocal por uma canção. Mas no fim há uma fila de hits, todos executados com tesão pela banda e cantadas com animação pelo vocalista. "Keep the Faith", "Bed of Roses", "It's My Life", "Lay Your Hands on Me", "Wanted Dead or Alive" e "Bad Medicine".

Após cinco minutos de suspense, o bis com a matadora balada "I'll Be There for You" e o estupendo rock "Livin' on a Prayer".

As versões não foram viscerais, longe disso. O que se viu foi mais uma banda de apoio ao cantor, que se esforçou a valer. Mesmo assim, é certo dizer que foi a set list mais 'matadora' do primeiro fim de semana desse Rock in Rio 2019.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados