Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

'Fogueira em alto mar' em três EPs, celebra os 20 anos de carreira de Ana Carolina

Música

'Fogueira em alto mar' em três EPs, celebra os 20 anos de carreira de Ana Carolina


 (Foto: )
(Foto: )

Há 20 anos, a voz grave da mineira Ana Carolina arrebatou o Brasil. A cantora havia lançado o álbum homônimo que logo teve três músicas entre as mais tocadas nas rádios e que se tornaram trilhas sonoras de novelas: Garganta, em Andando nas nuvens; Tô saindo, no folhetim Vila Madalena; e Nada pra mim, na temporada da época de Malhação. A partir daí, a artista se tornou sinônimo de composições românticas e marcou seu espaço na música brasileira. “Nunca imaginei quando comecei a fazer música que poderia ter a carreira que tenho hoje. Me sinto realizada, vitoriosa, feliz. Ao mesmo tempo, sei que tenho que aprender muito ainda”.

Em celebração à marca, Ana Carolina lançou na última sexta-feira o EP Fogueira em alto mar, o primeiro de três volumes que completarão
um álbum, formado por 12 faixas, sendo 10 inéditas e compostas por Ana Carolina e duas regravações, e que darão origem a uma turnê, que passará por Brasília em agosto. “Comemorar os 20 anos de carreira é olhar para trás e ver a beleza de onde acertei, onde errei e para
onde tenho que ir agora. Tenho que formular novas perguntas para manter minha curiosidade sobre a música. Acho que nesses 20 anos
foram mais ou menos isso. Como eu disse no material de divulgação do disco, eu viveria minha vida infinita vezes”, afirma.

O EP volume 1, que já está disponível nas plataformas digitais, é formado por seis músicas, destas quatro românticas que remetem ao trabalho de 1999. São elas, as canções Não tem no mapa, Fogueira em alto mar, O tempo se transforma em memória e Canção antiga.
“Fiquei seis anos sem compor. Fique nesse hiato e em 2018 fiquei compondo as canções de Fogueira em alto mar. Ele surge depois dessa espera e num momento frutífero, em que voltei a compor, fazer canções no violão. Acho que é um trabalho que me aproxima muito do início da minha carreira, do disco Ana Carolina, que é baseado no violão e nas canções de amor”, explica.

Samba

As demais faixas do EP formam um bloco de samba (Da Vila Vintém ao Fim do Mundo e 1296 mulheres), um desejo de Ana Carolina, que há alguns anos mostra aos poucos a aproximação com o estilo musical. “Sempre tive uma relação com o samba, mas não nos primeiros discos. Comecei a minha relação, acho que de forma estampada, quando gravei Não fale desse jeito, uma parceria minha com Seu Jorge. No último disco #AC, apesar de ser para dançar e eletrônico, tinha Resposta da Rita que gravei com Chico Buarque, que é uma resposta ao samba dele, A Rita. Nesse disco atual eu queria um bloco de samba”, revela.

Isso aconteceu graças a um pedido de Elza Soares em 2017 para que Ana Carolina escrevesse uma canção para ela. Nervosa, a cantora não teve condições de fazer na época — algo que ela diz que acontece sempre que alguma diva à pede: “eu fico paralisada, nervosa e não consigo”. Mas, ao lado do compositor pernambucano Zé Manoel, conseguiu escrever a faixa Da Viola Vintém ao Fim do Mundo, uma homenagem a Elza com quem ela divide os vocais na canção. “Fiz esse samba, em que ela canta junto comigo, que é um dos momentos
mais emocionantes do disco”, lembra. “Foi como estar no pódio na Olimpíada. Foi o momento mais importante do disco. Ela tem uma energia muito incrível, canta muito, é alto astral, uma pessoa legal, bacana. Fiquei toda boba”, explica sobre a participação de Elza Soares no EP.

O outro samba que compõe o disco é 1296 mulheres, de Moreira da Silva. A canção entrou no repertório indicada pelo pesquisador e
escritor Rodrigo Faour. “Ele me soprou a ideia dessa música. Daí consegui fazer esse bloco de samba. Tenho me aproximado cada vez mais do samba. Eu queria que o disco tivesse esse bloco de samba, eu corri atrás disso”, garante.

Próximos lançamentos

Dividir o lançamento de Fogueira em alto mar coloca Ana Carolina numa estratégia adotada por muitos artistas no último anos. Os próximos EPs chegam em 28 de junho e 26 de julho, respectivamente, e assim formam o álbum completo. “Hoje em dia o público entende a música vinda da internet muito mais nesse tipo de processo de EP. E eu gostei dessa maneira que o EP foi dividido, apresentando seis canções agora e ainda gerando uma curiosidade com mais dois EPs. Acho que é a melhor maneira, a mais apropriada de lançar”, comenta.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados