Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Filme 'Coringa' provoca debate antes da estreia
Claquete

Filme 'Coringa' provoca debate antes da estreia

Por Mariane Morisawa (Agência Estado)

Um dia depois da sessão de gala do Festival de Veneza - e antes, portanto, do Leão de Ouro -, o diretor norte-americano Todd Phillips se disse aliviado, mas ainda ansioso. "Quando se faz uma produção chamada Coringa, há sempre um nível enorme de expectativa", afirmou. "Mesmo que tenhamos deixado claro que não era um filme de quadrinhos. De jeito nenhum queríamos enganar as pessoas e levar a pensar que era um longa de ação e que o Batman ia aparecer", completou. Batman de fato não aparece, mas a família Wayne, sim. "Quisemos brincar com o cânone, por exemplo, apresentando Bruce Wayne ainda criança e seu pai, Thomas."

É impossível assistir a "Coringa" sem fazer um paralelo com os dias de hoje. "É um filme humanista, e acho que precisamos de mais desses. Então, se você assiste e vê como um espelho do que está havendo no mundo, certamente nos Estados Unidos e provavelmente no Brasil, não acho ruim", disse o diretor, mais conhecido pela franquia de comédias "Se Beber, Não Case!"

Phillips se disse empolgado com as diversas interpretações do longa-metragem. "Um amigo, por exemplo, achou que o Coringa era o Trump", contou. "Quero deixar claro que não estou afirmando isso. Eu e o Joaquin (Phoenix) temos certa dificuldade de falar do que o filme trata. Há muitos modos de ver Coringa. E para mim isso é legal, embora seja frustrante para algumas pessoas. É o que tentamos fazer", falou, referindo-se a poder abrir diversos temas de discussão.

Joaquin Phoenix como Coringa (Foto: Reprodução/ YouTube Warner Bros. Pictures Brasil)
Joaquin Phoenix como Coringa (Foto: Reprodução/ YouTube Warner Bros. Pictures Brasil)

E eles são muitos, da pressão pela felicidade constante ao abismo entre ricos e pobres, da invisibilidade de tantos que não se encaixam nos moldes à doença mental sem que haja tratamento adequado, e a busca pela fama e pela adoração.

Antes mesmo de sair de Veneza, o filme, que tem chances de emplacar algumas indicações para o Oscar, foi debatido. Para alguns, Coringa passa o pano para os "incels", os homens, em geral brancos e de classe média, que exigem atenção do mundo e das mulheres e, se não conseguem, promovem tiroteios em massa. Se o Coringa virar um herói de pessoas assim, não seria a primeira vez. "É uma terrível má interpretação do filme", explicou Phillips. "Mas pode acontecer e não há como controlar."

Elogiado astro do primeiro filme sobre o arqui-inimigo do Batman, Joaquin Phoenix tentar entender a cabeça de pessoas como Arthur Fleck, o comediante perturbado e fracassado que depois se torna o macabro Coringa. "Não deveríamos fazer isso, compreender gente que não compartilha nossos valores e opiniões?", questionou o ator que foi muito aplaudido após a exibição de "Coringa" no Festival de Veneza, além de ser unanimemente elogiado pela crítica. "Quero que as pessoas tenham uma reação visceral, mas certamente não posso ditar como as pessoas vão assistir a um filme", revelou o astro que emagreceu 23 quilos para viver o personagem sombrio. Como ele afirmou, as discussões são importantes. E reiterou: "O Coringa é um vilão". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados