search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Filho diz que matou a mãe por mágoa por ter sido colocado para adoção

Notícias

Polícia

Filho diz que matou a mãe por mágoa por ter sido colocado para adoção


Ulisses de Almeida, de 28 anos, se entregou e confessou ter assassinado a própria mãe. (Foto: Divulgação)
Ulisses de Almeida, de 28 anos, se entregou e confessou ter assassinado a própria mãe. (Foto: Divulgação)
Ao se entregar na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher de Cariacica, Ulisses de Almeida, de 28 anos, disse ter matado a mãe, Carmem dos Santos, devido à mágoa que sentia por ter sido colocado para adoção.

Criado por uma família adotiva, Ulisses chegou a morar nas ruas e disse que somente agora havia decidido procurar Carmen, sua mãe biológica, em busca de abrigo. Em depoimento à polícia, ontem – três dias após ter cometido o crime –, confessou ser usuário de drogas.

Ele revelou que começou a pensar no assassinato da mãe no domingo. Na madrugada de segunda-feira, ao voltar para casa após ter consumido crack, teria se deitado no chão do quarto de Carmem, em cima de um tapete, e visto um martelo debaixo de uma das camas.

Ulisses disse que foi até a cozinha, onde pegou uma faca. Ao voltar para o quarto, começou a dar marteladas na cabeça da mãe, que estava dormindo. Depois, pegou o cinto que estava usando e apertou o pescoço dela, seguido por facadas no corpo da vítima.

A faca, o cabo do martelo e todo o material usado foram guardados dentro da mochila da mãe, que ficou debaixo do armário da cozinha.

No depoimento, Ulisses contou que limpou a cena do crime. Quando o dia amanheceu, foi para a rodoviária de Piúma, onde embarcou para Vila Velha.

Ele disse ter confessado o crime a um pastor e, depois, decidido se entregar à polícia. Ulisses afirmou que nada fez com a paciente da mãe. Por isso, a polícia acredita que Valdete pode ter morrido de fome, sede e falta de medicamentos dias após a morte de Carmem.

Entenda o caso

Carmem dos Santos (Foto: Reprodução)
Carmem dos Santos (Foto: Reprodução)
O filho da cuidadora de idosos Carmem dos Santos, de 68 anos, Ulisses de Almeida, de 28, se apresentou à polícia e confessou ter matado a mãe, com golpes de martelo, na última segunda-feira. O corpo da vítima foi encontrado ontem em avançado estado de decomposição na casa 27, da rua A, no bairro Lago Azul, em Piúma, no litoral Sul do Estado.

No local, também foi encontrado o corpo de Valdete Maria Cordeiro de Farias, de 53 anos, que tinha deficiência e era cuidada por Carmem. De acordo com a polícia, a paciente morreu por fome, sede e falta de medicamentos.

Segundo a Polícia Civil, Valdete estava no quarto sozinha, morta em cima da cama. Já Carmem foi encontrada em outro quarto, com as pernas amarradas e o rosto machucado.

Ulisses procurou a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, em Cariacica, ontem de manhã. Após o rapaz confessar o assassinato da mãe, a delegada entrou em contato com a Delegacia de Piúma, de onde os investigadores seguiram para o local.

A porta da casa foi arrombada pelos policiais civis, que encontraram os corpos. A vizinhança disse não ter estranhado o sumiço das duas, já que Carmem, sempre que precisava, levava Valdete ao hospital.

Quando a portadora de necessidades especiais precisava ficar internada, elas não voltavam para casa.

“Estranhamos o fato de ela não ter aparecido nos últimos dias. Ela sempre precisava ir ao médico com a Valdete. Já teve casos de levarem dias para voltar, porque Valdete ficava internada”, disse a vizinha, a dona de casa Lena Barbosa, de 53 anos.

A casa em Piúma pertencia a Carmem, e ela morava no imóvel há 19 anos. Os familiares contaram que, depois que o marido morreu, há cinco anos, Valdete passou a morar com a cuidadora.

Amiga de Carmem desde a infância, a enfermeira aposentada Maria da Penha Gomes dos Santos, 66, conta que Valdete era como uma filha para a cuidadora.

“Semana passada, passei vários dias com elas. Carmem era minha melhor amiga. É muito triste saber que ela foi assassinada”.

Os corpos das vítimas foram encaminhados para o Serviço Médico Legal (SML) de Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados