Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco
Tribuna Livre

Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, decide calar. Mas o certo é que há uma estatística, sim! E somos testemunhas pelas vezes em que a Terceira Ponte é interditada.

Na maioria dos casos, as pessoas cometem o suicídio na tristeza de sua solidão e de imediato.

Mark Golden, Paul Wender e Donald Klein afirmam que são quatro as principais causas. Nessa ordem: Depressão, Alcoolismo, Drogas e Disfunções mentais (psicopatologias).

Do ponto de vista fisiológico, a doutora Marie Asberg, da Suécia, realça que o suicida apresenta um baixo nível de serotonina, em que o fluido cérebro-espinal – o 5-HIAA (ácido hidroxindo aleacético) – apresenta-se anormalmente baixo.

Suicídio não é acontecimento novo. Por milhares de anos na História encontramos pessoas dando cabo da vida. Na própria Bíblia, há sete casos, desde o governador israelita Abimeleque até Judas Iscariotes. Foram seres humanos com suas dificuldades afetivo-emocionais.

Daí porque o doutor Gary Collins pergunta se o suicídio é problema emocional ou espiritual. E ele diz que as feridas emocionais que ficam escondidas mais uma fé religiosa vacilante produzem o caminho de acesso mais facilitado.

Ele nos dá uma boa diretriz, tanto para quem pensa em cometer o ato como para aqueles que convivem com essa pessoa.

Ele diz: buscar meio de ter a confiança em Deus cada vez mais estimulada. Tratar os sintomas de desencorajamento. Alerta para as situações depressivas. Procurar aprender a expressar a raiva apropriadamente e a culpa como ensino para a vida. Incentivar pensamentos desafiadores e mudar quando vierem os negativos e desencorajadores. E, o mais especial, buscar ajuda com especialista ou pessoa de confiança.

Alguns sinais de alerta devem ser observados pelos familiares e amigos: a pessoa que já tentou, que fala em praticar, o histórico familiar, se houve uma grande perda, especialmente de pessoas ou dinheiro, enfermidades terminais, mania de ser perseguido, falta de esperança, pessoa sem visão de um futuro agradável.

Do ponto de vista religioso, o suicídio deve ser visto como um pecado igual aos outros. A ideia bíblica do perdão incondicional mediante a morte de Cristo, alcança plenamente a quem comete o suicídio.

A graça de Cristo não faz acepção de pessoas nem de pecados. Mas, por outro lado, uma pessoa que vive na graça, perdoada em Cristo, pode até pensar em suicídio, mas não chega lá.

A não ser como resultado de um profundo distúrbio mental ou de uma religiosidade superficial e descomprometida. A própria Bíblia diz em Filipenses 1:6.

“Tenho certeza de que aquele que começou a boa obra em vocês irá completá-la até o dia que Cristo Jesus voltar”.

Li, outro dia, uma frase, não lembro o autor, que diz: “Suicídio não é solução para um problema permanente, antes é a solução permanente para um problema temporário”.

Em Romanos 8:1, Paulo faz a pergunta: “O que nos separará do amor de Cristo”? Em seguida, ele enumera uma série de situações e coisas que poderiam nos separar. E, como numa extraordinária apoteose, ele finaliza no verso 39: “...nada (...) jamais poderá nos separar do amor de Deus revelado em Cristo Jesus, nosso Senhor”.

Erasmo Vieira é psicólogo e pastor


 


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado de trabalho e o profissional do futuro

Com um mercado de trabalho que muda a cada dia, muitos profissionais ficam em dúvida sobre qual caminho seguir. Afinal de contas, vale a pena investir em uma profissão do futuro? Quando é o momento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Isenção do “imposto sobre a herança” no Espírito Santo

Como defensor público titular da 2ª Defensoria de Órfãos e Sucessões de Cariacica efetuo diariamente orientações aos meus assistidos sobre as regras legais para a elaboração de inventários e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Dragagem ainda não trouxe os resultados esperados

As obras de dragagem no Porto de Vitória foram concluídas em outubro de 2017. A tão esperada dragagem previa que o canal passaria de uma profundidade de 11,7 metros para 14 metros e de 11,7 metros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A intolerância do preconceito

Mais uma vez, ficamos chocados com ondas de ataques simultâneos às pessoas inocentes, morrendo, sem motivo aparente, senão à cor que mais uma vez se manifesta diante do racismo radical, abalando a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Competindo com eficiência

O Espírito Santo é o maior produtor mundial de pelotas de minério de ferro e o terceiro maior produtor de aço do Brasil, sendo que, juntos, os dois setores representam mais de 20% do PIB estadual, …


Exclusivo
Tribuna Livre

A polêmica “PL do saneamento”

Desde a edição da Medida Provisória (MP) 868 no ano passado, a necessidade de se estabelecer um novo Marco Regulatório sobre Saneamento Básico no País está em voga. É que na última década, os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tráfico de pessoas: um perigo que ainda ronda entre nós

Estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU) consideram haver cerca de 2,5 milhões de vítimas de tráfico de seres humanos. Esse é um assunto de grande relevância mundial, pois criminosos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qual é o lugar do esporte no Brasil?

O esporte é um ótimo indicador social. Tenho acompanhado o Pan de Lima, e a cada vez que um brasileiro ou uma brasileira sobe ao pódio me encho de alegria, pois sei que competir em alto nível …


Exclusivo
Tribuna Livre

Construção de uma nova rodoviária em Vitória

Entre 2000 e 2010, verificou-se, em Vitória, a ocupação da Enseada do Suá e adjacências, solidificando a constituição dessa região como um novo marco de desenvolvimento na região. Como resultado…


Exclusivo
Tribuna Livre

O histórico Orfanato Cristo Rei

Orfanato Cristo Rei, do sacrifício à ascensão, é o sétimo livro do escritor capixaba Marcos Bubach, atual presidente da Academia Cariaciquense de Letras. O livro surgiu do interesse em imortalizar a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados