Fazendo as pazes com o espelho

Eulália Naves é psicóloga hipnoterapeuta e coaching de emagrecimento. (Foto: Divulgação)
Eulália Naves é psicóloga hipnoterapeuta e coaching de emagrecimento. (Foto: Divulgação)
Fazer as pazes com o espelho significa não só fazer as pazes com aquela imagem exterior que aparece refletida no espelho, mas também fazer as pazes com aquela imagem interna que existe dentro de você e que faz com que você se veja como bonito/feio, gordo/magro, capaz/incapaz, aceito/rejeitado, valorizado/desvalorizado.

Quantas vezes as pessoas se olham no espelho e vêem uma imagem desbotada de si mesmo, um reflexo de si, introjetado, a partir de uma história de vida, com um arcabouço de emoções ora prazerosas ora profundamente desprazerosas e dolorosas. Desde o momento da sua concepção até os dias de hoje, as pessoas vão se distanciando do seu Eu verdadeiro, e projetam uma imagem criada na sua mente, que não se alinha com sua essência, desconfigurando nas mais das vezes o ser, em visões pré-concebidas.

Iniciei meus estudos relacionados à obesidade, me aprofundando no assunto através de técnicas de hipnose e toques de PNL, com o objetivo de ajudar as pessoas que têm dificuldade de controlar a sua vontade de comer, e buscam a comida, mesmo sem fome, de maneira inconsciente. O gatilho para deflagrar uma alimentação compulsiva pode ser uma ansiedade, uma frustação, uma decepção, ou como uma fuga de determinadas situações.

Mas após cederem ao impulso de comer, as pessoas acabam por desenvolverem outros processos de insatisfação, em consequência do aumento de peso, tais como: angústia, depressão e baixa autoestima. Aliado a isso, é comum sentirem-se desmotivadas na hora de comprar uma roupa nova, pois quase não encontram uma peça que lhes caia bem. O processo de autoexclusão advém, em virtude de sentirem-se envergonhadas na hora de tirar uma foto ou mesmo ir à praia, julgando-se diferente das outras pessoas e incapazes de se sentir bem consigo mesmas.

Sair desse lugar onde, um padrão comportamental, que virou hábito, não o escravize mais; onde seja possível conseguir ter domínio sobre si mesmo e mudar o jogo, admitindo a possibilidade de vir a ser uma pessoa desejante, cujo desejo possa fazer com que alcance os seus sonhos não está distante, muito pelo contrário, está ao alcance de você! Usando a mente, que é quem cria tudo na sua vida, e que através dos pensamentos torna o virtual em real, é perfeitamente possível aprender a criar uma nova realidade e transformar seus hábitos e sua vida em mais saudáveis e melhores para você.

Foi isso que mais me atraiu para encontrar um diferencial que fosse capaz de auxiliar essas pessoas a se olharem no espelho e verem quem realmente são: pessoas maravilhosas, lindas, capazes, atraentes, divertidas, enfim uma perfeita obra de Deus. O resultado vai muito além do espelho, e traduz-se em oportunizar às pessoas a descobrirem sua força, sua capacidade de superação, bastando para isso voltarem-se para si, na busca por compreender como funciona a sua mente inconsciente.

Ao assumir poder e controle sobre a mente, é natural o processo de transformação do hábito de buscar o alimento como meio de suprimir questões emocionais. Tornar-se finalmente é assumir a decisão de procurar trabalhar em seu favor, na busca por viver uma vida com plenitude e qualidade.

Eulália Naves é psicóloga hipnoterapeuta e coaching de emagrecimento


últimas dessa coluna


Depois das eleições

Passada a apuração final dos votos de uma das mais conturbadas eleições, incluindo tentativa de assassinato de um dos candidatos, ironicamente o vencedor, assusta-me a continuidade das hostilidades e …


A exoneração da pensão alimentícia entre ex-cônjuges

A pensão alimentícia é uma obrigação de pagar que surge a uma pessoa em favor de outra como fruto de acordo ou decisão judicial. Com o advento do Código de Processo Civil de 2015, o tema voltou a ser …


Sua identidade é sua vida

Cada um de nós tem identidade diferente. Mesmo gêmeos univitelinos são diferentes. Mas, quem sou eu? Sócrates nos recomendava a conhecermo-nos a nós mesmos. E por não nos conhecermos, pensamos, …


A bonequinha do rádio

Durante o centenário da independência do Brasil, em 1922, muitos festejos foram promovidos país afora. Um dos eventos de maior impacto foi a primeira radiodifusão sonora no Brasil, no Rio de Janeiro. …


Imprensa e algoritmos na era da pós-verdade

A imprensa vem sendo submetida a um linchamento nas redes sociais. Robôs e pessoas que agem como tal estão entrincheirados para atacar o divergente, o controverso, o plural. Tristes tempos, mas temos …


Quartel de Maruípe: 80 anos de história

A PMES foi criada pelo Conselho de Governo, em 12.12.1831, como Companhia ou Corpo de Permanentes, e substituída em 6.04.1835, pela Guarda de Polícia Provincial. O seu primeiro quartel foi do Forte …


Uma tragédia anunciada

Não teve quem não se indignou ao assistir a tragédia no Museu Nacional do Rio de Janeiro que destruiu 90% do seu acervo. Enquanto as labaredas consumiam os 200 anos de pesquisa, uma coisa se passava …


Um novo modelo fiscal para o fluxo de mercadorias

Através de um acordo de cooperação técnica firmado entre o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Receita Federal e os Estados da União por intermédio de suas Secretarias de Fazenda, formalizou-se o …


O médico diante da morte

O papel do médico é debelar doenças, essas simpatizantes da morte. Presente onde existe vida, o morrer também assusta o profissional de saúde. Enquanto a luz brilha no paciente, o médico labuta …


Fim da burocracia

Aquela “dor de cabeça”, que muita gente tem ao ter que carregar aquele montante de documentos ao se dirigir à algum órgão público, chegou ao fim, pelo menos em relação a algumas exigências específica…