Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Família multiesportiva e filho campeão

Esportes

Esportes

Família multiesportiva e filho campeão


 Dayene, Cauã e Thiago, no tatame na casa da família, em Praia de Carapebus (Foto: Acervo pessoal)
Dayene, Cauã e Thiago, no tatame na casa da família, em Praia de Carapebus (Foto: Acervo pessoal)
Em uma família que respira esporte e treina até mesmo em casa, Cauã Pacheco surge como uma promessa do jiu-jítsu capixaba. Mesmo com apenas 10 anos, o pequeno lutador já coleciona 23 medalhas em três meses na modalidade.

Só neste mês de abril, ele conquistou duas medalhas de ouro. Cauã foi campeão brasileiro no X-Combat (CBLP), no último dia 14, e campeão da Copa COB (FCJJE), no dia 16.

Entre as conquistas mais importantes do jovem talento estão o bicampeonato sul-americano X-Combat (CBLP), em 2017 e 2018, e a medalha de prata no Brazil National PRO, que ocorreu em Guarapari no ano passado, organizado pela UAEJJF, a federação de jiu-jítsu dos Emirados Árabes.

“Sinto que estou evoluindo quando ganho mais campeonatos. Os campeonatos são como provas para mim e os treinos são como se fossem os estudos. Sinto que meu desempenho está evoluindo”, analisa o estudante Cauã.

O capixaba é atleta da academia Gracie Barra, em Laranjeiras, na Serra, mas também treina com os pais, Thiago e Dayene, em um tatame dentro da casa da família, na Praia da Carapebus, no mesmo município.

O pai já havia praticado jiu-jítsu na juventude, mas resolveu voltar aos tatames quando matriculou o filho no esporte. DE quebra, convenceu a mulher a treinar.

“O jiu-jítsu ajudou muito o Cauã a ser mais concentrado e a ter mais responsabilidades. Ele começou sem saber nada e desenvolveu bastante rápido. Da faixa branca, pulou direto para a amarela, nem foi para a cinza, e depois para a amarela com preto. E a gente resolveu instalar esse tatame em casa para praticar junto”, explica Dayene, de 30 anos.

Ela já conquistou três medalhas, sendo uma de prata e duas de bronze. Thiago, de 31 anos, já soma 15 medalhas, sendo três de ouro, no sul-americano X-Combat (CBLP) 2017, na Copa SVA 2017 e na Copa Sooretama 2019. Ele também tem nove medalhas de prata e três de bronze.

 Cauã exibe as medalhas de ouro do brasileiro X-Combat e da Copa COB (Foto: Acervo pessoal)
Cauã exibe as medalhas de ouro do brasileiro X-Combat e da Copa COB (Foto: Acervo pessoal)
“Treinar com meus pais é muito bom. Eles me motivam a fazer melhor”, afirma Cauã, que veste o quimono em casa depois que chega da escola.

A paixão da família pelo esporte, entretanto, não fica apenas no tatame. Os três também surfam juntos, por influência do pai. Mas diferentemente do jiu-jítsu, eles não competem no surfe e aproveitam as ondas do mar para terem um momento de lazer, fora da rotina e treinos e competições nos tatames.

Cauã, entretanto, é taxativo quando perguntado sobre qual sua preferência: “Prefiro o jiu-jítsu (risos). Quero ser atleta profissional e ser campeão mundial”.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados