Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Família de pastor morto não estaria colaborando, segundo promotor

Notícias

Polícia

Família de pastor morto não estaria colaborando, segundo promotor


Anderson e Flordelis. (Foto: Reprodução/Instagram)
Anderson e Flordelis. (Foto: Reprodução/Instagram)

A deputada Floredelis esteve na delegacia para prestar novo depoimento, na condição de testemunha, nesta segunda-feira (24). Ela chegou por volta das 12h30 e, até o início da noite, não tinha deixado o local. Outras 25 pessoas da casa da deputada - entre filhos, parentes e funcionários - também estiveram na delegacia.

A polícia e o Ministério Público (MP) não descartam a participação da deputada no crime, bem como a de outros filhos e parentes. Flordelis e o pastor tinham 55 filhos, entre biológicos e adotivos.

"Um homicídio aconteceu dentro de uma casa, então todas as pessoas que estavam dentro da casa devem ser cogitadas", afirmou nesta segunda, em entrevista à radio CBN, o promotor Sergio Luiz Lopes Pereira, que acompanha o caso. Ele reclamou também que a família não estaria colaborando para o esclarecimento do crime.

"O que esperamos da família, especialmente da esposa, é uma maior colaboração com o MP e a polícia", afirmou. "No dia do crime, ela foi até a delegacia e disse que estava com o celular do marido; até hoje esse celular não foi entregue. O celular do Flávio também não foi entregue."

O promotor contou ainda que, no dia em que esteve na casa da deputada, havia uma grande fogueira no quintal, onde provas podem ter sido destruídas.

O fato de a família não estar colaborando com a investigação foi também a alegação dada pelo advogado Angelo Máximo, contratado pela mãe e por uma irmã do pastor para acompanhar as investigações sobre a sua morte.

Versão

O advogado Anderson Rollemberg, um dos responsáveis pela defesa de Flávio dos Santos, suspeito de ter participado da morte do padrasto, Anderson do Carmo, na madrugada do último dia 16, contestou a versão divulgada pela polícia e afirmou que o seu cliente não deu nenhum depoimento admitindo o crime.

"A autoridade diz que houve confissão, mas ele falou para mim que não confessou. E, se existe uma confissão, já digo que ela não é idônea, não condiz com a verdade", disse o advogado, que, nesta segunda, esteve na Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói e São Gonçalo, onde o crime está sendo investigad.

Na última sexta-feira (21), a polícia informou que Flávio confessou ter disparado seis tiros contra o marido de sua mãe, a deputada Flordelis. O Ministério Público confirmou a confissão. Flávio está preso na carceragem da DH desde o dia seguinte ao crime. Um outro filho do casal, Lucas dos Santos, de 18 anos, teria ajudado o irmão a comprar a arma usada no crime por R$ 8 mil.

Os advogados de Flávio e de Lucas informaram que vão pedir a transferência de ambos para um presídio. Os dois seguem presos na carceragem da DH e, segundo seus advogados, não tiveram acesso a produtos de higiene, não puderam tomar banho e estão se alimentando muito mal.

Morte

O pastor foi morto na madrugada do último dia 16, após chegar em casa, em Pendotiba, com a mulher. Ele foi alvo de mais de 30 tiros, muitos deles na região genital. Câmeras de segurança da rua revelam que ninguém entrou nem saiu da casa. Segundo a polícia e o MP, foi um crime de ódio, ligado a assuntos de família. 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados