Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Faculdade capixaba tem seis meses para emitir diplomas de alunos

Notícias

Educação

Faculdade capixaba tem seis meses para emitir diplomas de alunos


O Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES) obteve a condenação de uma faculdade particular do Estado e sua sócia para emitir, no prazo de seis meses, todos os certificados de conclusão de curso aos alunos que já completaram algum de seus cursos de complementação pedagógica.

Em caso de impossibilidade jurídica de cumprimento da determinação de emissão dos diplomas, as rés deverão devolver integralmente os valores pagos pelos alunos que já completaram algum de seus cursos, com acréscimo de juros e correção monetária. Também foi determinado pela Justiça que as rés deixem de oferecer ao público cursos sequenciais não reconhecidos e que não utilizem em seus comunicados e publicidade termos que induzam os consumidores a erro.

Elas deverão ainda, pagar indenização por danos morais coletivos, no valor de R$ 50 mil, que serão destinados ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos.

A ação civil pública ajuizada pelo MPF partiu da notícia de que pelo menos 13 pessoas haviam sido lesadas pela instituição e deixaram de receber o diploma ou receberam certidões de conclusão de curso fornecidas por instituições não credenciadas pelo MEC.

Inicialmente, sete alunos denunciaram que tiveram suas inscrições indeferidas em processo seletivo realizado pela Secretaria de Estado da Educação (Sedu) por apresentar documentação irregular. Eles não possuíam diploma do curso concluído na Ieses em 2012, somente certidões entregues pela faculdade, mas emitidas por outras instituições. e com datas referentes aos anos de 2013, 2015 e 2014, respectivamente. Outros casos semelhantes também chegaram ao conhecimento do MPF.

Durante a investigação, o MEC informou ao MPF sobre a inexistência de registros relacionados à Ieses, fosse como mantenedora ou como mantida, e que, portanto, não se tratava de instituição de ensino superior, tendo em vista não estar credenciada junto ao Sistema Federal de Ensino para a oferta de cursos superiores.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados