X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Voo mais alto é no Catar: Capixaba Richarlison revela expectativas para a Copa

Figura constante nas convocações de Tite, Richarlison, também chamado de Pombo, espera estar na lista dos escolhidos para a Copa

Marcela Delatorre Lovatti | 21/06/2022 10:51 h | Atualizado em 21/06/2022, 12:03

-
- |  Foto: Lucas Figueiredo / CBF
  

O mais badalado jogador capixaba da atualidade, Richarlison de Andrade, de 25 anos, nasceu em Nova Venécia — município com pouco mais de 50 mil habitantes. Apesar da cidade pequena, o sonho do jovem jogador sempre foi gigante.

Também conhecido como “Pombo”, por imitar a ave e arrancar risadas dos companheiros de Seleção Brasileira, o atacante busca seu maior voo: o título no Mundial do Catar. 

Ele começou a carreira como jogador de futebol na base do Real Noroeste em 2013. No ano seguinte, voou para o primeiro desafio e pousou em Minas Gerais, para defender o América/MG. Já no final de 2015, após ter se destacado na Série B pelo Coelho, o capixaba assinou contrato com o Fluminense.

O atacante ficou no tricolor carioca por cerca de dois anos, até o momento em que fez o seu voo mais distante, quando assinou com a equipe Watford, da Inglaterra, em 2017. Já no ano seguinte, Richarlison assinou com o Everton, onde se encontra até hoje. 

Com pouca idade e muitos voos, o Pombo busca agora a vaga para a sua primeira Copa do Mundo. Convocado pela primeira vez em 2018, Richarlison carrega na bagagem o título da Copa América de 2019 e a medalha de ouro das Olimpíadas de 2020, competição em que foi artilheiro.

Apesar da longa caminhada já feita, o capixaba não esquece suas raízes. Embaixador do Nova Venécia Futebol Clube, o jogador sempre volta para visitar a família e o lugar onde nasceu.

Em uma dessas visitas, o jogador conversou com A Tribuna e falou sobre a expectativa para a convocação para a Copa do Mundo, a trajetória do Nova Venécia e muito mais.

Você acredita que será convocado para a Copa do Mundo?

Richarlison – Além do Neymar, acho que ninguém está garantido. Acredito que todos os jogadores ainda têm muito trabalho nos próprios clubes.  Há muita coisa que ainda precisamos fazer acontecer. Então vou continuar trabalhando forte para estar na convocação final.

Claro que ser convocado, principalmente agora que a Copa está ficando cada vez mais próxima, é bom para o jogador. Essa última convocação foi muito importante. Cheguei lá, fiz gols e joguei bem. Então acho que isso acaba definindo um pouco a cabeça do treinador.

Mas o grupo está preparado para alcançar o hexa?

Ah, com certeza! Nós estamos mais preparados do que nunca. A gente apanhou muito durante esses anos, então agora é a hora de alegrar o nosso povo e até os próprios jogadores. Acho que temos tudo para fazer um grande Mundial. Claro que vai ser no meio de temporada pra gente lá na Europa, mas estamos preparados, estamos com uma equipe muito boa. O trabalho que estamos fazendo é antigo, com jogadores que vem atuando juntos desde a última Copa. Então a gente vai chegar bem forte para o Mundial.

Em relação ao seu futuro. Há especulações de que você vai para outro clube, é verdade?

Eu não estou sabendo de nada! Estou de férias e com a cabeça só aqui na minha família. Vim ao Estado assistir o jogo do sub-20, no Torneio Internacional de Seleções (Brasil foi campeão no estádio Kleber Andrade, em Cariacica), porque é muito importante dar essa moral para a garotada. 

Quando estava no sub-20, eu era doido para que algum atleta da Seleção principal fosse ver um jogo nosso. Então, estar aqui prestigiando eles, estar perto deles, é importante para que possam ter um incentivo a mais, para poderem trabalhar mais forte e seguirem o caminho para o profissional.

Você consegue acompanhar a trajetória do Nova Venécia?

Assisto praticamente todos os jogos e estou vendo a evolução (time busca acesso à Série C do Brasileiro). Claro que os jogadores vão se destacando e algumas peças vão saindo, pois os clubes maiores vão contratando.  Acho que isso é importante até para os próprios jogadores, porque eles ganham visibilidade. Acho que estamos fazendo o certo e agora é continuar trabalhando com a rapaziada.

O Espírito Santo recebeu um torneio internacional de seleções. Qual a importância disso para o Estado?

O Estado costuma ter poucos jogos da Série A ou da Seleção. Acho importante trazer esses torneios porque o capixaba gosta muito de assistir essas partidas. Gostam de assistir aos jogos grandes das Série A e B, e da Seleção Brasileira. Espero que mais partidas sejam transferidas aqui para o Estado e, assim, o capixaba vai poder vir aqui acompanhar.

Acredita que investir na base é necessário?

É muito importante. Eu joguei na base do América/MG e a gente não tinha tantos materiais de qualidade, como chuteiras e bolas. Por esse motivo, agora que tenho certa condição, consigo levar coisas boas para a garotada. 

Espero continuar ajudando eles para que possam evoluir cada vez mais e a cada dia.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS