Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Especialistas ensinam como agir com cães agressivos
AT em Família

Especialistas ensinam como agir com cães agressivos

Por Luciana Pimentel

 (Foto: IStock)
(Foto: IStock)

Quando são pequenos, brincam de morder os tutores. Depois, passam a latir muito e atacar outros animais durante os passeios. Esses sinais são um alerta de que o cão precisa de limites para não se tornar um animal agressivo.

Na opinião do adestrador da PlayPet Reinaldo Carvalho, o tipo mais problemático de cachorro é aquele que ataca por medo. “Ele se sente acuado por qualquer coisa e ataca para se defender. Como tudo assusta esses animais, os acidentes são bem mais frequentes”.

Reinaldo lembrou que não é correto reagir às agressões com carinho. “As pessoas acham que dando carinho, o cão vai ficar calmo. Só que o animal vai repetir a agressão, porque recebeu o comando errado”, lembrou.

O médico veterinário Victor Milanez explicou que humanizar os cachorros é um erro grave. “Se o ser humano não se impõe como o líder da casa, o animal toma esse papel. E quando se sentem líderes, passam a rejeitar os carinhos e atacar”, ressaltou o especialista.

Ele citou o especialista em comportamento animal Cesar Millan quando disse que o cão precisa de amor, disciplina e exercícios. E ponderou que é fundamental corrigir sempre que necessário.

“É preciso corrigir sem violência, sem castigo físico. O tutor deve se impor de forma enérgica e mostrar para o animal que é ele o líder do ambiente. Não disciplinar deixa os animais estressados”, frisou.

O confinamento e a falta de exercícios também alteram o comportamento dos animais. E isso pode provocar agressividade.

Rodrigo Miranda Pinheiro é médico veterinário e adestrador de animais que trabalham com a polícia na busca por drogas e armas. Ele destacou que cães respondem a estímulos positivos e negativos, que são reforçados no dia a dia.

“Mesmo sem o proprietário saber, pode estar reforçando comportamento negativos. Cão no colo o tempo todo, na cama, ser permissivo sempre e nunca corrigir acaba virando estímulo”.

O especialista contou que até um “não ” pode virar estímulo. “Como ele aprende por associação, se você disse não, ele fez e não foi corrigido, o não virou estímulo. Rosnou, corrija logo”, ressaltou.

Para evitar que os animais se tornem agressivos, é importante construir uma rotina diária que inclui disciplina, brincadeiras, passeios, amor e carinho.

 (Foto: Acervo pessoal)
(Foto: Acervo pessoal)

 (Foto: Reprodução/Jornal A Tribuna)
(Foto: Reprodução/Jornal A Tribuna)


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados