Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Entupimento do ducto salivar
Doutor João Responde

Entupimento do ducto salivar

Pedras podem surgir na vesícula, no trato urinário e nas glândulas salivares. A sialolitíase ou cálculo salivar representa a obstrução do sistema excretor de uma glândula salivar por calcificações resultantes da estagnação da saliva.

Podem variar em tamanho entre um grão de arroz, até um caroço de azeitona, raramente ultrapassando um centímetro.

Geralmente são de formato arredondado, oval ou alongado. Ocorrem principalmente nos três pares de glândulas salivares principais: parótidas, submandibulares e sublinguais, mas também podem surgir nas chamadas glândulas salivares menores, distribuídas por toda a cavidade oral.

As glândulas salivares secretam saliva, cuja produção diária é em torno de 1.500 ml. Os principais componentes dessa substância viscosa são proteínas e sais minerais, com funções lubrificante, digestiva e antibacteriana. Quando a viscosidade e a concentração de cálcio na secreção salivar aumentam, costumam surgir os cálculos salivares.

Restos alimentares e bactérias presentes na cavidade bucal podem migrar para o ducto salivar e favorecer a obstrução.

Assim, a deposição de sais minerais ao redor de acúmulos de muco, bactérias e células epiteliais descamadas no interior das glândulas fazem com que a massa mineralizada aumente de volume com o passar do tempo.

A glândula submandibular é geralmente a mais afetada, pois possui ducto longo e sinuoso, com calibre menor que o ducto da glândula parótida, por exemplo. Por este motivo, a ação da força da gravidade favorece a formação dos cálculos durante o trajeto angulado e tortuoso da saliva.

A sialolitíase ocorre devido ao entupimento dos ductos das glândulas salivares, que é provocado por pedras que podem formar-se devido à cristalização de substâncias da saliva, como o fosfato de cálcio e o carbonato de cálcio, fazendo com que a saliva fique retida nas glândulas.

Não se sabe ao certo o que provoca a formação dessas pedras, mas pensa-se que é devido a determinados medicamentos, como anti-hipertensivos, anti-histamínicos ou anticolinérgicos, que reduzem a quantidade de saliva produzida nas glândulas, ou desidratação que torna a saliva mais concentrada, ou mesmo por se ter uma alimentação insuficiente, o que leva a uma redução da produção de saliva.

Além disso, pacientes com gota têm mais probabilidade de sofrer de sialolitíase, devido à formação de pedras pela cristalização do ácido úrico.

Os sintomas provocados pela sialolitíase são: dor no rosto, boca e pescoço que podem piorar antes ou durante as refeições, quando aumenta a produção de saliva pelas glândulas salivares.

Esta saliva fica bloqueada, causando inchaço e dificuldade para engolir.

Além disso, a cavidade oral torna-se seca, e podem também surgir infecções bacterianas, originando sintomas como febre, halitose e vermelhidão local.

A sialolitíase é diagnosticada através de avaliação clínica e de exames complementares, como tomografia computadorizada, ultrassonografia e sialografia.

Quando a pedra é pequena, o tratamento pode ser realizado em casa, bebendo muita água, de forma a estimular a produção de saliva e forçar a pedra a sair do ducto.

Além disso, pode-se aplicar calor e massagear gentilmente a região afetada.

Antibióticos devem ser prescritos quando surgem infecções geradas pela saliva estagnada.

Em casos mais graves pode ser necessário recorrer à cirurgia para remover o cálculo. Ondas de choque também são utilizadas para fragmentar as pedras em pedaços menores, de forma a facilitar a sua passagem através dos ductos.

Lágrimas, suor, sangue e saliva. Esses fluidos secam a dor, molham a vontade, aquecem a esperança e lubrificam o desejo.
 


últimas dessa coluna


Exclusivo

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Exclusivo

Afeto faz bem à saúde

Experimente caminhar pelas ruas distribuindo abraços e apertos de mãos. Infelizmente, a maior parte das pessoas não retornará as demonstrações de afeto oferecidas por você. Algumas reagirão com …


Tato, o olho da pele humana

O tato é o idioma do corpo. Vendo, ouvindo, cheirando, apalpando e sentindo sabores, percebemos o meio que nos cerca. Ao processar esses estímulos em nosso cérebro, nós os interpretamos, sejam como …


Saúde esterilizada vira doença

Ninguém questiona a imprescindível necessidade da higiene, do uso de medicamentos, do emprego de vacinações, entre outros cuidados que visam preservar a saúde. Antigamente, a preocupação do ser …


As frustrantes colites imunológicas

Existem basicamente três tipos de doenças: aquela que cura rápido, a que demora curar e aquela que nunca cura. Médicos apreciam enfermidades que evoluem rapidamente para o restabelecimento da saúde …


Ginecomastia na adolescência

O crescimento das mamas em homens pode criar constrangimentos de cunho estético.Anormalidade benigna, passível de correção, a ginecomastia é caracterizada por um excesso de tegumento, gordura e …


O sentido do olfato

Ao chegar, o cheiro tempera o ar. Quando parte, ele deixa lembranças – boas ou más. Um trivial aspirar pode despertar fome, provocar atração ou repulsa e resgatar cenas do passado. Quase tudo tem …


Surdez pode causar isolamento

A perda da audição causa um pesado infortúnio. Ela representa a ausência de um estímulo vital, o som da voz, que veicula a linguagem, agita os pensamentos e nos mantém conectados aos outros. A …


O medo de ter câncer

Carcinofobia – ou medo de câncer – é um temor que aflige grande quantidade de pessoas. Na maioria dos casos, esse medo é racional. Mas em pessoas com preocupação extrema, a condição pode gerar pânico …


Meningite, uma doença grave

Em 1977, apesar de ainda estar cursando o quinto ano de Medicina, fui chamado para consultar um adolescente que apresentava dor de cabeça e febre. Ao examina-lo percebi que se tratava de uma infecção …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados