search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Encomenda de plataformas da Petrobras pode abrir 6 mil empregos no Estado

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Encomenda de plataformas da Petrobras pode abrir 6 mil empregos no Estado


Plataforma P-68 no Estaleiro Jurong Aracruz, que pode ser escolhido para construir novas unidades para a Petrobras (Foto: Agência Petrobras de Notícias)
Plataforma P-68 no Estaleiro Jurong Aracruz, que pode ser escolhido para construir novas unidades para a Petrobras (Foto: Agência Petrobras de Notícias)

A Petrobras vai voltar a investir na construção de plataformas de petróleo, com potencial de atrair investimentos bilionários para o Espírito Santo e criar milhares de empregos.

A estatal ficou 8 anos sem encomendar construção de plataformas de petróleo, período em que foram feitos contratos de “aluguel”, com a expectativa de reduzir custos. Mas, no final do mês passado, a empresa aprovou o início da construção de duas plataformas.

Ambas são do tipo FPSO (que produz, armazena e transfere óleo e gás) para o campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos.

Caso a construção de uma delas seja finalizada no Estado, serão abertas 6 mil vagas de emprego para várias áreas técnicas na cadeia do petróleo e gás, que engloba em torno de 600 empresas no Estado.

O Estaleiro Jurong Aracruz é um dos candidatos a receber novas plataformas. Em dezembro, ele entregou a P-68, cujo valor representou R$ 1,5 bilhão do PIB do Estado em 2019. Em março, a Jurong iniciou a finalização da P-71, com capacidade de 150 mil barris de petróleo por dia e de compressão de gás de 6 milhões de m/dia.

O analista de negócios do Fórum Capixaba de Petróleo e Gás da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Elimar Lorenzon, explicou que hoje a Petrobras tem seis plataformas sendo construídas: cinco na China e uma na Malásia.

Mas há uma regulação da Agência Nacional do Petróleo (ANP) que define 25% da produção no Brasil — o que favorece a Jurong.

“O que o Estado pode fazer para atrair esse investimento é a regulação tributária e a mão de obra, já que a asiática é mais barata. Temos todo o know-how. O Estado tem empresas habilitadas para fazer a integração das plataformas, até os 'top sides – a parte que fica visível.”

Ele frisou que, no processo licitatório, o que define a escolha da empresa pela Petrobras são três fatores: preço, qualidade e segurança.

Segundo ele, cada projeto requer até 6 mil profissionais, com mão de obra em áreas técnicas, como mecânica, elétrica e engenharia.

Depois de pronta, uma FPSO demanda até 400 pessoas para operação, além da aquisição de bens e serviços no valor de até R$ 100 milhões por ano — o que também favorece empresas fornecedoras da cadeia do óleo e gás no Estado.


Dólar caro favorece os Estados

Para o secretário de Estado do Desenvolvimento, Marcos Kneip, fatores como a valorização do dólar ante o real — o que torna os projetos no exterior mais caros — e a experiência com a P-68 e a P-71, finalizadas no Estaleiro Jurong Aracruz são fatores que tornam real a possibilidade de a Petrobras trazer projetos para o Estado.

Ele destacou que o estaleiro Jurong é competitivo e o mais moderno do País, além de contar com uma cadeia capacitada ao redor.

“Será uma concorrência internacional, mas estamos fazendo esforços e acompanhando as empresas do setor. O que fazemos efetivamente é criar um ambiente de negócios produtivo, com incentivos fiscais e segurança jurídica.”

Ele frisou que o Espírito Santo tem capacidade de produzir uma plataforma do tipo FPSO do “zero” — o que seria inédito no Estado. Procurada, a Jurong não se manifestou.


SAIBA MAIS


Novas plataformas
A Petrobras vinha atuando especialmente com o modelo de afretamento de plataformas, mas vai construir duas novas unidades próprias, a P-78 e a P-79.

  • Elas terão capacidade para processar diariamente:
    • 180 mil barris de óleo
    • 7,2 milhões de m de gás
    • E devem custar cerca de R$ 2 bilhões cada uma.
    • Até 2030, a Petrobras quer ter 12 unidades na Bacia de Santos, em São Paulo (pré-sal).

Empregos

  • Cada FPSO, na fase de montagem, vai criar cerca de 6 mil empregos diretos e indiretos, em áreas técnicas como mecânica, elétrica e engenharia.
  • Na operação, uma plataforma FPSO demanda cerca de R$ 100 milhões por ano em bens e serviços, além de até 400 empregados.
  • A licitação da Petrobras para escolher a construtora será em 2021.
Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados