Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Em dia de protestos tímidos, Guaidó pede que venezuelanos continuem saindo às ruas

Notícias

Internacional

Em dia de protestos tímidos, Guaidó pede que venezuelanos continuem saindo às ruas


Em um dia de protestos tímidos na Venezuela, o autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, pediu neste sábado (11) a seus apoiadores que não deixem de sair às ruas por medo do regime de Nicolás Maduro. Na praça Alfredo Sadel, no leste de Caracas, de maioria anti-chavista, Guaidó discursou para cerca de 2.000 apoiadores, um público reduzido em comparação com as marchas das últimas semanas que reuniram milhares de pessoas.

Juan Guaidó pediu a seus apoiadores que não deixem de sair às ruas por medo de Maduro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Juan Guaidó pediu a seus apoiadores que não deixem de sair às ruas por medo de Maduro (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

"Chegamos a um momento histórico: ou somos presas do medo, da desesperança, da inação, ou nos mantemos unidos nas ruas", disse o líder opositor.

Neste sábado, protestos dispersos aconteceram em outras cidades do país, segundo a imprensa local.

O pronunciamento ocorre onze dias após o fracassado movimento para depor Maduro que desencadeou uma onda de repressão do regime. Na quarta-feira (8), o número dois da Assembleia Nacional, Edgar Zambrano, foi preso por agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência).

Ao menos três deputados opositores buscaram refúgio em embaixadas em Caracas: Americo de Grazia e Mariela Magallanes, na da Itália, e Richard Blanco, na da Argentina.

"O chamado é para ir às ruas. Todos temos medo da repressão, mas não podemos ficar em casa", diz Melquíades Rosales, um comerciante de 42 que carregava uma bandeira venezuelana com a palavra "luto".

RECONHECIMENTO DA ITÁLIA

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, enviou uma carta ao autoproclamado presidente da Venezuela, o opositor Juan Guaidó, na qual reconhece sua legitimidade perante o governo de Nicolás Maduro.

"Nós reconhecemos a Assembleia Nacional e seu presidente Guaidó como legítimos. O presidente Maduro não tem legitimidade democrática. A Itália sempre trabalha pela opção política", escreveu Conte no documento publicado pelo jornal italiano La Stampa.

Desde que a crise venezuelana começou a ganhar grandes proporções, o governo da Itália preferiu não tomar posição oficialmente.

No entanto, o Movimento 5 Estrelas chegou a expressar profunda preocupação com a tentativa de depor Nicolás Maduro e com os riscos de ela desencadear uma violenta crise política, que deveria ser resolvida com o diálogo e a convocação de novas eleições.

O vice-premiê e ministro do Interior, Matteo Salvini, por sua vez, defendeu a queda do ditador e demonstrou preocupação com a segurança de Guaidó, que já foi reconhecido como presidente interino por mais de 50 países, incluindo Brasil e Estados Unidos.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados