Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Eles gostam de sofrer!
Papo do Dias
Flávio Dias

Flávio Dias


Eles gostam de sofrer!

Comemoração dos jogadores do Cruzeiro após a classificação (Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)
Comemoração dos jogadores do Cruzeiro após a classificação (Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C.)
Talvez não tanto quanto o Grêmio, mas este Cruzeiro do Mano Menezes adora passar no limite. Acho um timaço. De verdade. No papel. Na prática, deixa a impressão de que faz o suficiente. Ganha, se classifica, mas sempre passa raspando. E não precisa.

Fábio é um goleiro excepcional. Os laterais estão na média dos outros times. A dupla de zaga é excelente, puxada pelo “mito” Dedé. Henrique é um baita volante e Lucas Silva volta a jogar o que já jogou em 2013 e 2014. Jogou tanto naqueles anos que foi para o Real Madrid!

Robinho é um jogador que deixa todo técnico apaixonado. Faz de tudo um pouco. Cai bem em qualquer time.

Qual outro time do Brasil tem dois meias como Arrascaeta e Thiago Neves? Covardia… Na frente, o nome seria Fred. Não é por causa da lesão no joelho direito. Barcos chegou, tem nome, mas quem joga bola mesmo é o Raniel.

Enfim, é ou não é um timaço?

Por que, então, o Cruzeiro sofre? Na Copa do Brasil, venceu o Santos fora de casa e perdeu no Mineirão. Passou nos pênaltis. Na Libertadores, venceu o Fla fora de casa e perdeu de novo no Mineirão. Desta vez, passou pela vantagem mínima que tinha por causa do saldo de gols. Perdeu ótimas chances, é verdade, mas parece que se dá por satisfeito com o que o regulamento pede.

O Cruzeiro está na minha lista de favoritos na Libertadores e na Copa do Brasil. Estava também no Brasileirão, mas abriu mão do campeonato e ficou para trás. Mas acho possível que brigue pelo título nas duas competições de mata-mata. Só gostaria que o time jogasse, com mais frequência, a bola que acredito que pode jogar.

***

Joga muito!

Dedé está jogando demais (Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C)
Dedé está jogando demais (Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro E.C)
Como joga bola o Dedé! Totalmente recuperado das lesões nos joelhos, é o melhor zagueiro do Brasil. E olha que o Grêmio tem o Geromel, que também joga demais!

Em 2015, Dedé nem jogou. Em 2016, foram só seis partidas. No ano passado, sete. Agora, recuperou a forma, o ritmo de jogo e dá aula nas partidas. Por cima, por baixo, com antecipação. É muito bom ver o Dedé jogar! Sorte dos cruzeirenses.

***

Discurso que cansa

“Agora é levantar a cabeça”. “Precisamos esquecer e trabalhar”. “Caímos de pé”. Na boa, qual tipo de torcedor gosta de ouvir essas pérolas dos jogadores e treinadores a cada derrota ou eliminação?

Conformismo pós-eliminação (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)
Conformismo pós-eliminação (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)
O discurso cansativo agora foi repetido pelo Flamengo. Até parece que o time deu show em cima do Cruzeiro! Não deu. Contem quantas defesas o Fábio precisou fazer?

A eliminação é pesada, sim. Mas parece que tudo são flores no reino rubro-negro. Com Zé Ricardo, a bronca era em cima do conformismo do treinador e do elenco com as derrotas. Agora, continua a mesma coisa.

Vejam bem, não estou dizendo que tem que mudar tudo, invadir o Ninho do Urubu, bater nos jogadores. Nada disso. Longe disso. Mas aceitar tão bem cada eliminação irrita ainda mais o torcedor. Que tal, pelo menos de vez em quando, mostrar que perder é ruim?


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados