Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Educação especial como política pública
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorporada às políticas públicas com a criação do Centro Nacional de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC).

O Brasil, porém, começou a pensar nesse público e no seu direito à educação com a Constituição de 1988, que em seu artigo 208 explicita: “(...) o dever do Estado com a educação será efetivado mediante (...) a garantia de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino”.

Nesse contexto, a educação especial surge como política pública fundamental na construção da escola inclusiva.

Na última década, censo do MEC mostrou crescimento de 53% das matrículas na educação especial. No Espírito Santo, o aumento foi de 9%, sendo que, na rede privada, caiu de 45% para 4%, com aumento na pública de 55% para 96%.

São resultados impulsionados por políticas específicas que atribuem mais responsabilidade às gestões municipais e estaduais no gerenciamento da educação especial, resultando em bons e novos “problemas”.

Numa linha de contradição, gestores optam pela terceirização da educação especial, por meio de parcerias com instituições privadas que não oferecem trabalho pedagógico adequado e sem possibilidade de convívio com os diferentes, além do senso comum segundo o qual o atendimento privado é melhor, o que é resultado de políticas públicas mal definidas e executadas.

Lembremos que há estigmatizações, preconceitos e discriminações com as pessoas com deficiência, que convivem com ausência de autonomia, além de incertezas e angústias, fruto desse histórico pesado que subtrai desse público o protagonismo e empoderamento.

Esse debate somente agora chega às universidades, a partir do ingresso desse público no ambiente acadêmico por meio da reserva de vagas, o que se tornou realidade nas instituições federais de ensino desde 2018.

Com isso, temos novos desafios, como a acessibilidade às edificações e ao acervo das bibliotecas, o aperfeiçoamento de conteúdos didático-pedagógicos e a formação continuada de educadores, o acesso aos meios de comunicação e a criação de uma cultura inclusiva.

Nem metade das vagas destinadas a esse público é ocupada, e respostas muito comuns no cotidiano apontam que as instituições não dialogam com a comunidade.

Não raro ouvimos familiares de pessoas com deficiência dizerem que a universidade não foi feita para elas. Assim, precisamos da educação especial como política pública desde a etapa infantil, nas famílias e na sociedade, e que seja sem assistencialismos e superproteção, trabalhando com altas expectativas e com o desenvolvimento da autonomia e da interdependência.

Na Ufes, estamos avançando. Promovemos reuniões pedagógicas; encontros com famílias, grupos de pesquisas e gestores; organizamos equipes para diferentes demandas; instalamos comissões de acessibilidade e outras ações.

São caminhos que ajudarão a pessoa com deficiência em sua trajetória acadêmica, para que ela acesse, permaneça e saia com sucesso da universidade, com cidadania e qualificação profissional para a vida e o mundo do trabalho, alcançando reconhecimento e visibilidade social.

Douglas Christian Ferrari de Melo é professor do Centro de Educação e coordenador do Núcleo de Acessibilidade da Ufes

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Um Barracão de memórias

Bianualmente, sempre no mês de julho, ex-alunos do antigo Colégio Agrícola de Santa Teresa se reúnem para um grande encontro festivo. Memórias de um período de vida que marcou toda uma geração, e na …


Exclusivo
Tribuna Livre

A nova cobertura dos benefícios do INSS

O Governo Federal poderá abrir uma concorrência para acabar com o monopólio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na cobertura dos chamados benefícios de risco não programados, como auxílio-d…


Exclusivo
Tribuna Livre

A pasta para dentes e a propaganda abusiva

No Ocidente, os egípcios e gregos foram os primeiros a compor uma mistura para limpar os dentes. A fórmula era bastante variada (cinzas, casca de ovo, pedra-pomes, ervas, carvão, hortelã...). …


Exclusivo
Tribuna Livre

A música romântica e a visão de mundo

Em 1995 escrevi algo sobre a as diferenças entre o romantismo pós-wagneriano e o estilo francês (impressionista, pós-impressionista, de Stravinsky, de Satie, etc). Hoje, retomo ao tema, estando …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado de trabalho e o profissional do futuro

Com um mercado de trabalho que muda a cada dia, muitos profissionais ficam em dúvida sobre qual caminho seguir. Afinal de contas, vale a pena investir em uma profissão do futuro? Quando é o momento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Isenção do “imposto sobre a herança” no Espírito Santo

Como defensor público titular da 2ª Defensoria de Órfãos e Sucessões de Cariacica efetuo diariamente orientações aos meus assistidos sobre as regras legais para a elaboração de inventários e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Dragagem ainda não trouxe os resultados esperados

As obras de dragagem no Porto de Vitória foram concluídas em outubro de 2017. A tão esperada dragagem previa que o canal passaria de uma profundidade de 11,7 metros para 14 metros e de 11,7 metros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A intolerância do preconceito

Mais uma vez, ficamos chocados com ondas de ataques simultâneos às pessoas inocentes, morrendo, sem motivo aparente, senão à cor que mais uma vez se manifesta diante do racismo radical, abalando a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Competindo com eficiência

O Espírito Santo é o maior produtor mundial de pelotas de minério de ferro e o terceiro maior produtor de aço do Brasil, sendo que, juntos, os dois setores representam mais de 20% do PIB estadual, …


Exclusivo
Tribuna Livre

A polêmica “PL do saneamento”

Desde a edição da Medida Provisória (MP) 868 no ano passado, a necessidade de se estabelecer um novo Marco Regulatório sobre Saneamento Básico no País está em voga. É que na última década, os …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados