search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Educação especial como política pública
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorporada às políticas públicas com a criação do Centro Nacional de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC).

O Brasil, porém, começou a pensar nesse público e no seu direito à educação com a Constituição de 1988, que em seu artigo 208 explicita: “(...) o dever do Estado com a educação será efetivado mediante (...) a garantia de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino”.

Nesse contexto, a educação especial surge como política pública fundamental na construção da escola inclusiva.

Na última década, censo do MEC mostrou crescimento de 53% das matrículas na educação especial. No Espírito Santo, o aumento foi de 9%, sendo que, na rede privada, caiu de 45% para 4%, com aumento na pública de 55% para 96%.

São resultados impulsionados por políticas específicas que atribuem mais responsabilidade às gestões municipais e estaduais no gerenciamento da educação especial, resultando em bons e novos “problemas”.

Numa linha de contradição, gestores optam pela terceirização da educação especial, por meio de parcerias com instituições privadas que não oferecem trabalho pedagógico adequado e sem possibilidade de convívio com os diferentes, além do senso comum segundo o qual o atendimento privado é melhor, o que é resultado de políticas públicas mal definidas e executadas.

Lembremos que há estigmatizações, preconceitos e discriminações com as pessoas com deficiência, que convivem com ausência de autonomia, além de incertezas e angústias, fruto desse histórico pesado que subtrai desse público o protagonismo e empoderamento.

Esse debate somente agora chega às universidades, a partir do ingresso desse público no ambiente acadêmico por meio da reserva de vagas, o que se tornou realidade nas instituições federais de ensino desde 2018.

Com isso, temos novos desafios, como a acessibilidade às edificações e ao acervo das bibliotecas, o aperfeiçoamento de conteúdos didático-pedagógicos e a formação continuada de educadores, o acesso aos meios de comunicação e a criação de uma cultura inclusiva.

Nem metade das vagas destinadas a esse público é ocupada, e respostas muito comuns no cotidiano apontam que as instituições não dialogam com a comunidade.

Não raro ouvimos familiares de pessoas com deficiência dizerem que a universidade não foi feita para elas. Assim, precisamos da educação especial como política pública desde a etapa infantil, nas famílias e na sociedade, e que seja sem assistencialismos e superproteção, trabalhando com altas expectativas e com o desenvolvimento da autonomia e da interdependência.

Na Ufes, estamos avançando. Promovemos reuniões pedagógicas; encontros com famílias, grupos de pesquisas e gestores; organizamos equipes para diferentes demandas; instalamos comissões de acessibilidade e outras ações.

São caminhos que ajudarão a pessoa com deficiência em sua trajetória acadêmica, para que ela acesse, permaneça e saia com sucesso da universidade, com cidadania e qualificação profissional para a vida e o mundo do trabalho, alcançando reconhecimento e visibilidade social.

Douglas Christian Ferrari de Melo é professor do Centro de Educação e coordenador do Núcleo de Acessibilidade da Ufes

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A digitalização dos planos de saúde acelerada pela pandemia

Grandes desafios podem provocar grandes revoluções. A necessidade de superar adversidades leva a humanidade a repensar hábitos e valores e a usar todo o seu potencial de criação. Nestes tempos …


Exclusivo
Tribuna Livre

A importância da Lei da Fauna capixaba em tempos de Covid

Em dezembro de 2019, foi sancionada a Lei Estadual de Proteção à Fauna que, dentre outros assuntos, cuida da prevenção de doenças advindas da relação humana com os animais, alertando sobre o perigo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Relacionamentos abusivos mais evidentes durante a pandemia

É significativo o aumento de casos de violência doméstica durante o isolamento social. Mas, infelizmente, a pandemia apenas traz à tona questões já presentes. É num momento de excesso ou modificação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Peste, indiferença e luta

Quando a peste resolve sair de seu recôndito esconderijo e assombrar a humanidade, o desespero e a indiferença vêm na bagagem. Desespero porque, por mais pestes e guerras que já tenham havido na …


Exclusivo
Tribuna Livre

Racismo no Brasil não gera a mesma repercussão que nos EUA

Os casos no Brasil ligados a crimes de racismo não geram a mesma repercussão que há nos Estados Unidos e para isso há razões muito específicas que justificam a banalização da violência racial no …


Exclusivo
Tribuna Livre

Quem paga pensão tem o direito de saber como valores são gastos

Alicerçando-se nos princípios constitucionais da proteção integral da criança e do adolescente e da dignidade da pessoa humana, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) modificou entendimento até então …


Exclusivo
Tribuna Livre

Profissões em alta na pandemia influenciam mercado de estágio

A pandemia do coronavírus desestruturou o mercado de trabalho. Além do aumento do desemprego, que subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril deste ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Renda mínima universal no mundo onde não existe almoço grátis

De repente nos deparamos com emergência de saúde pública internacional, com graves consequências em nosso meio, ocasionando, dentre outras medidas visando minorá-las, a instituição de um auxílio …


Exclusivo
Tribuna Livre

Nos 50 anos do Tri, temos pouco futebol e muita maracutaia

Nesta semana comemoramos o aniversário de 50 anos do Tri. A Copa do Mundo do México, realizada em 1970, foi emblemática! O futebol brasileiro da época era inigualável, fazendo com que nossa seleção …


Exclusivo
Tribuna Livre

Segurança alimentar durante a pandemia é obrigação de todos

A pandemia imposta pela Covid-19 tem nos remetido ao passado, revisitando nossas lembranças de quando nossos pais repetiam diuturnamente para lavarmos as mãos, antes das refeições, de proteger a boca …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados