search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Educação especial como política pública
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorporada às políticas públicas com a criação do Centro Nacional de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC).

O Brasil, porém, começou a pensar nesse público e no seu direito à educação com a Constituição de 1988, que em seu artigo 208 explicita: “(...) o dever do Estado com a educação será efetivado mediante (...) a garantia de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino”.

Nesse contexto, a educação especial surge como política pública fundamental na construção da escola inclusiva.

Na última década, censo do MEC mostrou crescimento de 53% das matrículas na educação especial. No Espírito Santo, o aumento foi de 9%, sendo que, na rede privada, caiu de 45% para 4%, com aumento na pública de 55% para 96%.

São resultados impulsionados por políticas específicas que atribuem mais responsabilidade às gestões municipais e estaduais no gerenciamento da educação especial, resultando em bons e novos “problemas”.

Numa linha de contradição, gestores optam pela terceirização da educação especial, por meio de parcerias com instituições privadas que não oferecem trabalho pedagógico adequado e sem possibilidade de convívio com os diferentes, além do senso comum segundo o qual o atendimento privado é melhor, o que é resultado de políticas públicas mal definidas e executadas.

Lembremos que há estigmatizações, preconceitos e discriminações com as pessoas com deficiência, que convivem com ausência de autonomia, além de incertezas e angústias, fruto desse histórico pesado que subtrai desse público o protagonismo e empoderamento.

Esse debate somente agora chega às universidades, a partir do ingresso desse público no ambiente acadêmico por meio da reserva de vagas, o que se tornou realidade nas instituições federais de ensino desde 2018.

Com isso, temos novos desafios, como a acessibilidade às edificações e ao acervo das bibliotecas, o aperfeiçoamento de conteúdos didático-pedagógicos e a formação continuada de educadores, o acesso aos meios de comunicação e a criação de uma cultura inclusiva.

Nem metade das vagas destinadas a esse público é ocupada, e respostas muito comuns no cotidiano apontam que as instituições não dialogam com a comunidade.

Não raro ouvimos familiares de pessoas com deficiência dizerem que a universidade não foi feita para elas. Assim, precisamos da educação especial como política pública desde a etapa infantil, nas famílias e na sociedade, e que seja sem assistencialismos e superproteção, trabalhando com altas expectativas e com o desenvolvimento da autonomia e da interdependência.

Na Ufes, estamos avançando. Promovemos reuniões pedagógicas; encontros com famílias, grupos de pesquisas e gestores; organizamos equipes para diferentes demandas; instalamos comissões de acessibilidade e outras ações.

São caminhos que ajudarão a pessoa com deficiência em sua trajetória acadêmica, para que ela acesse, permaneça e saia com sucesso da universidade, com cidadania e qualificação profissional para a vida e o mundo do trabalho, alcançando reconhecimento e visibilidade social.

Douglas Christian Ferrari de Melo é professor do Centro de Educação e coordenador do Núcleo de Acessibilidade da Ufes

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Sábio é quem aprende com a experiência alheia

Na semana passada, tivemos por aqui, nos Estados Unidos, a celebração do famoso feriado de Thanksgiving (Dia de Ação de Graças, destinado a agradecer a Deus os bons acontecimentos do ano). Aproveitam…


Exclusivo
Cidades Tribuna Livre

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos

Todos querem viver numa cidade que ofereça uma boa qualidade de vida. Para tanto, faz-se necessário compreendermos a “mobilidade peatonal”, reconhecendo os pedestres nos planejamentos estratégicos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Por que o Tribunal de Contas deu certo

O Tribunal de Contas do Espírito Santo completou 62 anos de existência em 2019. Por desairosa que seja, a verdade é que, ao longo do tempo, consumiu imensos recursos públicos em ajustes políticos que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um …


Exclusivo
Tribuna Livre

O ônus do Judiciário e o Legislativo que joga para a plateia

Não é a primeira vez, e certamente não será a última, que vivenciamos certas articulações, no núcleo do poder, com o objetivo, simplesmente, de tentar limpar imagens manchadas e acalmar os ânimos da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Comer bem para viver bem

Mesmo antes das muitas descobertas científicas que revolucionaram o entendimento sobre o funcionamento do corpo humano; a correlação entre alimentação, atividades físicas e condições de saúde já era …


Tribuna Livre

Raízes capixabas de Ayrton Senna

Ayrton Senna da Silva marcou nossas manhãs de domingo e fazia-nos sentir mais brasileiros, numa época de muito descrédito com o país, por sua ousadia, destreza e espírito de campeão. Tornou-se ídolo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Eu sou real. E você?

Nunca na história da humanidade vivemos um momento de tantas, intensas e tão rápidas transformações como o que presenciamos hoje. Em cerca de três décadas, equipamentos, até então considerados …


Exclusivo
Tribuna Livre

Adeus, prisão!

O Código de Processo Penal vigente, em seu texto original (Decreto-Lei nº 3.689, de 3/10/1941), no art. 393, previa: “São efeitos da sentença condenatória recorrível: I - ser o réu preso ou …


Exclusivo
Tribuna Livre

Black Friday e as mudanças no comportamento do consumidor

Há alguns anos venho observando que o fenômeno americano tem cada vez mais entrado na vida dos consumidores brasileiros. A tão aguardado Black Friday chega em poucos dias, mas se pararmos para pensar …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados