Educação e games: mais próximos do que se imagina

Rafael Scandian é game designer (Foto: Divulgação)
Rafael Scandian é game designer (Foto: Divulgação)
A digitalização das nossas rotinas abriu as portas para uma nova era de quantificação do indivíduo. Contando passos, horas de sono, calorias ingeridas, etc, a ideia de que o acesso constante às medidas das nossas rotinas nos ajudaria a melhorá-las, empolgou muita gente.

Na jornada em busca do eu-digital, se imaginava que a parte mais difícil seria obter os dados dos indivíduos, se aproveitando do smartphone para transformar em números cada atividade do usuário, do momento em que acorda até a hora do jantar, do tempo que se passa sentado no escritório até a quantidade de repetições abdominais. Porém, hoje, somos capazes de ter acesso a um fluxo enorme desse tipo de informação, mas ainda não sentimos isso traduzido em bem-estar instantâneo. Por que será?

A facilidade de reproduzir sistemas de pontos, medalhas e placares de líderes levou centenas de empresas a apostar na promessa de "gamificar para lucrar". Alguns anos antes com o despertar das redes sociais, já havia ficado provado que a repetição de padrões e o uso de ferramentas pré-prontas inseridas numa nova tecnologia não eram tarefas simples.

Altas expectativas resultaram num grande número de fanpages sem qualquer relevância na comunidade e o papel do novíssimo profissional de mídias sociais posto em cheque. No final dos anos 90, falhava quem usava seu website como mero cartão de visitas e nos anos 2000, quem usava sua fanpage como um mero website!

Quando falamos de gamificação, falamos em engajamento. Esse que resulta de ciclos de feedback, proporcionados pelos inputs espontâneos dos usuários, que alimentam o sistema com dados na esperança de serem gratificados na devida proporção.

Obviamente, isso não passa da definição de qualquer jogo, game, videogame, tabuleiro, cartas, etc. Ao tentarmos introduzir a estética lúdica e as mecânicas de jogos no dia a dia das pessoas, estamos propondo domar a ideia do game – esse mundo mágico e misterioso que captura a atenção de milhões de pessoas pelo mundo – e torná-la acessível ao contexto contemporâneo dos negócios.

Então, por que nossa fixação por Super Mario não se repete na busca de medalhinhas das dezenas de aplicativos Fit na AppStore e Google Play? Por que a motivação de curto prazo de um sistema pontificado quase nunca se traduz numa mudança de comportamento a longo prazo como gostaríamos? É preciso pensar o engajamento, através de uma narrativa convincente e o entendimento dos anseios dos “jogadores”, assumindo o papel do game designer.

Ao trazer a discussão para a educação, logo percebemos que a parte mais séria da nossa vida estudantil se resume a erros ou acertos, plágio ou originalidade, preguiça ou performance. E aquilo que une tudo isso numa representação digital: o ponto/ a nota.

Pelo mundo, professores de ensino a distância cada vez mais se envolvem na transformação de suas aulas em verdadeiras aventuras. Aulas memoráveis, que não buscam trazer a sala para a internet, mas realizar algo novo e que só o mundo virtual pode proporcionar.

A tendência é juntar boas narrativas a um sistema de regras que atenda aos anseios de cada perfil. Um bom e divertido jogo jamais substituirá a pedagogia, mas aliado a ela, pode melhorar potencialmente a experiência do aprendizado virtual.

Rafael Scandian é game designer


últimas dessa coluna


Jogos eletrônicos não são mais sinônimo de sedentarismo

A mãe pergunta à filha como foi o dia de aula, e a menina responde que passou a maior parte do dia disputando jogos eletrônicos. Surpresa, a mãe já se prepara para ligar para a escola e perguntar que …


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …