É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a infecção é denominada linfadenite. Os linfonodos, também chamados glândulas linfáticas, desempenham um papel vital na capacidade do corpo para combater infecções. Eles funcionam como filtros, capturando germes, antes que estes possam infectar outras partes do organismo.

O sistema linfático é uma rede de órgãos, vasos e linfonodos, situados em todo o corpo. Nódulos linfáticos inchados sinalizam que algo está errado em algum local do organismo. Gânglios rígidos, fixos e com rápido crescimento, apontam para um possível tumor. Os linfonodos apresentam-se em grupos, e cada um deles drena uma área específica do corpo. O local dos gânglios linfáticos inchados pode ajudar a identificar a causa subjacente.

Linfócitos fazem parte do sistema imune e agem capturando substâncias ou microrganismos, atacando e destruindo germes que são transportados pelo líquido linfático. Inflamações, infecções, doenças autoimunes e cânceres costumam vir acompanhados por adenopatias. Qualquer tipo de inflamação pode causar esse carocinho, pois os gânglios funcionam como agentes contra possíveis ameaças ao corpo.

É comum que surjam ínguas devido a irritações na pele pelo uso de substâncias químicas, como desodorante, ou por algum ferimento que acontece após uma depilação, foliculite, cabelo encravado ou lesões, que ocorrem em vários locais do corpo.

Inflamações que surgem na cavidade bucal ou nas vias aéreas, como rinite alérgica, faringite, gengivite ou inflamação de algum dente, por exemplo, também são importantes causas de linfonodos aumentados.

Qualquer tipo de infecção provoca íngua, e algumas das mais comuns são os resfriados, as otites, sinusites, faringites ou qualquer tipo de virose, como dengue ou rubéola, por exemplo, que geram gânglios no pescoço, nuca, mandíbula ou atrás da orelha.

Pneumonia e bronquite podem provocar gânglios nas axilas. Infecções abdominais como gastroenterites, genitais como HPV, sífilis e ferimentos nos membros inferiores causam gânglios na virilha.

Enfermidades que interferem na imunidade também podem produzir aumentos dos linfonodos, como lúpus eritematoso, artrite, vasculite e doença inflamatória intestinal.
O câncer é uma causa rara de enfartamento ganglionar, podendo surgir em qualquer lugar do corpo, não desaparecendo e não parando de crescer. Qualquer tipo de tumor pode causar ínguas, sendo alguns mais característicos, como os linfomas e cânceres de mama e pulmão.

O aparecimento de um gânglio palpável na virilha, pescoço ou axila, é preocupante, podendo indicar doenças mais sérias, como câncer ou tuberculose ganglionar, por exemplo. Eles são localizados nos braços, ou ao redor da clavícula, espalhado por vários locais do corpo, acompanhado de febre, suor noturno, perda de peso e mal-estar.

Nestes casos, deve-se procurar auxílio médico para que sejam realizados exames gerais, pesquisando infecções ou inflamações pelo corpo. Quando a dúvida persiste, é imperioso realizar biópsia do linfonodo, para demonstrar se ele tem características benignas ou malignas. Além da intervenção médica, recomenda-se repouso e hidratação.

O tratamento pode variar, dependendo da causa e da região da adenopatia, embora o quadro possa se resolver de forma natural. Não convém relaxar com a saúde. O desgaste do sistema imunológico diante da doença incentiva nosso anjo da guarda a solicitar férias.


últimas dessa coluna


Sintomas são delações premiadas

Diante do delito cometido pela criminosa doença, o inocente corpo acumula provas, utilizando sintomas como forma de delação. Dessa maneira, ele espera, como prêmio, o retorno da saúde. Sintomas …


O perigo de nunca sentir dor

A presença da dor é essencial para a integridade e a sobrevivência da espécie. Jesus enfrentou o sofrimento, sabendo que estaria abandonado da presença misericordiosa de Deus. O cálice da …


A doença da urina do rato

O mundo está lembrando o centenário do término da Primeira Guerra Mundial. Entre 1914 e 1918, soldados inimigos trocavam tiros, buscando proteção dentro das trincheiras. Naquela época, ninguém …


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria. O …


O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão? Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação …