Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

E os médicos ainda são culpados?
Tribuna Livre

E os médicos ainda são culpados?

Celso Murad (Foto: Arquivo/AT)
Celso Murad (Foto: Arquivo/AT)
A velha história se repete. A crise que acomete a assistência aos pacientes no PA de Alto Lage, em Cariacica, foi creditada, há pouco tempo, pelo prefeito daquele município, em entrevista a emissoras de TV, aos médicos. A alegação é de que eles não vão trabalhar, apesar de ganharem muito.
Para que se tenha ideia do volume de atendimento desta unidade, a Santa Casa de Belo Horizonte – maior hospital de Minas Gerais, com todo quantitativo de profissionais, recebe, entre pacientes internados e ambulatoriais, uma média de 45 mil pacientes/mês.

Então, vejamos, ponto a ponto. O PA em discussão, com mais ou menos 35 médicos, entre assistência pediátrica e atendimento a adultos, realiza em torno de 30 mil consultas/mês. Caso fossem os médicos os responsáveis pela desassistência, este volume nunca teria sido alcançado e nem os atendimentos realizados com qualidade.

Sobre os altos salários pagos pela Prefeitura de Cariacica, entre R$ 9.000 e até R$ 20.000 reais por mês, o que, para o prefeito, não justificaria a abstenção, é importante frisar que os dados sobre o volume de atendimento comprovam que não houve um volume significativo de faltas.

E, mais, o que é exigido do médico para atingir a tal remuneração? Pelos termos do edital do concurso, os contratos seriam de 20 horas semanais, mais quatro horas como parte de uma produtividade, sem reflexo na recomposição da carga horária, acrescidos de um número variável de pacientes a mais com gratificações diferenciadas pelo volume de atendimento.

O salário base contratual é de R$ 2.576,00. O excedente, completado pela tal produtividade, calculada em cima de quantidade de consultas. Quem faz mais, ganha mais.

Medicina não é, nem nunca será, linha de montagem. Cuidar de pessoas é uma arte e tratar de doenças, uma ciência.

Essa cruel lógica remunerativa, coloca em risco a qualidade do atendimento, a segurança do paciente e a segurança do médico, que pode responder em várias instâncias judicantes por um eventual desvio técnico.

A questão da produtividade é tão absurda que, caso um médico atenda a pelo menos dois pacientes graves em um plantão, o que é comum em PAs, e que o atendimento demande pelo menos seis horas para obter diagnóstico, estabilização do paciente, recuperação de condições para transferência à um serviço mais aparelhado, esse profissional não fará jus às condições de produção para melhorar a sua remuneração.

O que o paciente merece é um acolhimento com qualidade e não virar um número a mais, para resolver problemas de instituições e categorias profissionais. A imensa diferença de ganho entre o que é pago pela Prefeitura, como piso e o ganho final, que pode o médico alcançar pela tal produtividade é injusto, para dizer o mínimo.

Poder-se-ia aceitar até, uma produtividade menor em relação aos salários, pagas em situações de excepcionalidade, mas não da forma como é feita. Se existe recurso para chegar a R$ 20 mil de remuneração, por que não se estabelecer o piso Fenam para os médicos e deixar a produtividade no valor do salário base atual?

Medicina não é, nem nunca será, linha de montagem. Cuidar de pessoas é uma arte e tratar de doenças, uma ciência. Requer afetividade, solidariedade, presença e competência. Esses predicados não podem ser traduzidos por números, nem motivos de arranjos remuneratórios.

Celso Murad é presidente do Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES)


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A trajetória da coxinha

Linguistas ensinam que a existência de muitos idiomas em um espaço territorial pequeno é característica de áreas ocupadas há muito tempo. Já a existência de um único idioma em uma área territorial …


Exclusivo
Tribuna Livre

Metamorfose profissional e o mercado corporativo

O mercado corporativo está passando por mudanças bruscas nos últimos anos. Com o avanço da tecnologia, as empresas estão se reinventando e procurando novos caminhos e soluções ligadas à transformação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reflexões sobre a Arte atual

As pinturas rupestres ou pré-históricas, reveladas ao público no séc. XIX, foram de início apontadas pelos darwinistas como fraudes dos criacionistas (aqueles que acreditam que animais e plantas …


Exclusivo
Tribuna Livre

A relação entre urbanismo e segurança pública

O que o urbanismo tem a ver com a segurança pública? Para muitas pessoas não existe uma relação entre o urbanismo e a segurança pública, mas veremos que ao contrário do que pensa a maioria das …


Exclusivo
Tribuna Livre

O segredo da pré-campanha está no almoço de domingo

No domingo, como bom genro, decidi fazer um churrasco de agrado à minha sogra. Próximo a nossa casa existe um açougue, entretanto, pego o carro e faço questão de atravessar a cidade para comprar os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Drama na educação superior pública

A lógica perversa imposta pelo governo às universidades públicas está visível para toda a sociedade. A situação financeira dramática da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) é acompanhada com …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados