Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

E os médicos ainda são culpados?
Tribuna Livre

E os médicos ainda são culpados?

Celso Murad (Foto: Arquivo/AT)
Celso Murad (Foto: Arquivo/AT)
A velha história se repete. A crise que acomete a assistência aos pacientes no PA de Alto Lage, em Cariacica, foi creditada, há pouco tempo, pelo prefeito daquele município, em entrevista a emissoras de TV, aos médicos. A alegação é de que eles não vão trabalhar, apesar de ganharem muito.
Para que se tenha ideia do volume de atendimento desta unidade, a Santa Casa de Belo Horizonte – maior hospital de Minas Gerais, com todo quantitativo de profissionais, recebe, entre pacientes internados e ambulatoriais, uma média de 45 mil pacientes/mês.

Então, vejamos, ponto a ponto. O PA em discussão, com mais ou menos 35 médicos, entre assistência pediátrica e atendimento a adultos, realiza em torno de 30 mil consultas/mês. Caso fossem os médicos os responsáveis pela desassistência, este volume nunca teria sido alcançado e nem os atendimentos realizados com qualidade.

Sobre os altos salários pagos pela Prefeitura de Cariacica, entre R$ 9.000 e até R$ 20.000 reais por mês, o que, para o prefeito, não justificaria a abstenção, é importante frisar que os dados sobre o volume de atendimento comprovam que não houve um volume significativo de faltas.

E, mais, o que é exigido do médico para atingir a tal remuneração? Pelos termos do edital do concurso, os contratos seriam de 20 horas semanais, mais quatro horas como parte de uma produtividade, sem reflexo na recomposição da carga horária, acrescidos de um número variável de pacientes a mais com gratificações diferenciadas pelo volume de atendimento.

O salário base contratual é de R$ 2.576,00. O excedente, completado pela tal produtividade, calculada em cima de quantidade de consultas. Quem faz mais, ganha mais.

Medicina não é, nem nunca será, linha de montagem. Cuidar de pessoas é uma arte e tratar de doenças, uma ciência.

Essa cruel lógica remunerativa, coloca em risco a qualidade do atendimento, a segurança do paciente e a segurança do médico, que pode responder em várias instâncias judicantes por um eventual desvio técnico.

A questão da produtividade é tão absurda que, caso um médico atenda a pelo menos dois pacientes graves em um plantão, o que é comum em PAs, e que o atendimento demande pelo menos seis horas para obter diagnóstico, estabilização do paciente, recuperação de condições para transferência à um serviço mais aparelhado, esse profissional não fará jus às condições de produção para melhorar a sua remuneração.

O que o paciente merece é um acolhimento com qualidade e não virar um número a mais, para resolver problemas de instituições e categorias profissionais. A imensa diferença de ganho entre o que é pago pela Prefeitura, como piso e o ganho final, que pode o médico alcançar pela tal produtividade é injusto, para dizer o mínimo.

Poder-se-ia aceitar até, uma produtividade menor em relação aos salários, pagas em situações de excepcionalidade, mas não da forma como é feita. Se existe recurso para chegar a R$ 20 mil de remuneração, por que não se estabelecer o piso Fenam para os médicos e deixar a produtividade no valor do salário base atual?

Medicina não é, nem nunca será, linha de montagem. Cuidar de pessoas é uma arte e tratar de doenças, uma ciência. Requer afetividade, solidariedade, presença e competência. Esses predicados não podem ser traduzidos por números, nem motivos de arranjos remuneratórios.

Celso Murad é presidente do Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES)


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

O bem-estar na escola

Fazer da escola um espaço de bem-estar para alunos, pais, professores e toda a comunidade escolar é – ou deveria ser – papel de todos os agentes envolvidos no processo educacional. Sabe-se das …


Exclusivo
Tribuna Livre

Nova droga revigora luta contra câncer de sangue

Estudo apresentado no maior congresso de oncologia do mundo mostra que tratamento, já aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no Brasil, pode prolongar e melhorar a vida das …


Exclusivo
Tribuna Livre

Que tipo de pensamento estamos nutrindo?

Você pensa sobre o conteúdo do seu pensamento? Da mesma forma que somos cuidadosos ao preparar nosso prato de comida, deveríamos ter o mesmo carinho para cuidar do conteúdo mental, a qualidade dos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Inspeção predial: check-up de edificações pode evitar tragédias

O desabamento da área de lazer do condomínio residencial de luxo Grand Parc, em Vitória, completa três anos em julho. Casos como esse podem ser evitados com a observância de cuidados como o atendimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Integração para enfrentar a criminalidade articulada

É sabido por todos, principalmente por aqueles que labutam na área da Segurança Pública, que o crime apresenta várias vertentes e os bandidos utilizam meios cada vez mais articulados para o cometimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Reclamação do cliente pode ser oportunidade para a empresa

A palavra “reclamação” é vista pela maioria das empresas como algo negativo, mas a grande verdade é que a reclamação é uma excelente oportunidade para “enxergarmos” falhas em nossos processos e em …


Exclusivo
Tribuna Livre

O desafio de tratar a dependência química

A dependência química é uma doença complexa, já considerada um dos maiores desafios de saúde pública no País. Diferentes pesquisas mostram o aumento do uso de drogas em todas as classes sociais. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Homenagem a um médico que fez a diferença

Recentemente perdemos um dos grandes personagens capixabas. Estamos nos referindo ao professor Carlos Sandoval Gonçalves, ícone dentre os pesquisadores e professores de Medicina do Brasil, que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorpora…


Exclusivo
Tribuna Livre

O “ser mulher” e a busca pela sobrevivência

Era uma vez uma selva, onde morava uma leoa muito dócil e, ao mesmo tempo, valente. Cuidava de seus filhotes e ia à caça para não lhes faltar alimento. Por instinto, fazia o que preciso fosse para …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados