Luiz Fernando Brumana

Luiz Fernando Brumana

E agora, como ficam os Guardiões da Galáxia?

 Foto:Guardiões da Galáxia (2016) - (Divulgação)
Foto:Guardiões da Galáxia (2016) - (Divulgação)
E agora, como ficam os Guardiões da Galáxia? Essa foi a pergunta que todo fã da franquia (nisso, me incluo, por ser alucinado pelos filmes da equipe mais improvável do cinema) fez quando o diretor James Gunn foi demitido pela Disney, na última semana (20/07). O motivo da demissão: tweets antigos tratando de estupro e pedofilia. Para um estúdio conhecido pelas animações e com tamanho apelo junto ao público infantil, a atitude foi mais do que coerente.

O próprio diretor não discordou da empresa, afirmando, em comunicado, que “entende e aceita” a decisão. Alguns integrantes do elenco saíram em sua defesa, como Dave Bautista, que interpreta o Drax, e até mesmo o criador do Thanos, Jim Starlin. Um abaixo-assinado também passou a circular na internet pedindo o retorno de Gunn. Tudo isso, porque seus feitos para a equipe e para a própria Marvel foram fantásticos. Mas, a Disney tem sua razão em primar pelos seus quadros e a postura pública daqueles que os compõem.

 Foto: James Gunn (Divulgação)
Foto: James Gunn (Divulgação)
O problema é que quem escrevia o roteiro do terceiro filme de Guardiões da Galáxia era o próprio James Gunn, assim com era ele quem escolhia as marcantes trilhas sonoras. Ou seja, a Disney tem um desafio e tanto pela frente.

Ninguém é insubstituível, como diz a máxima do capitalismo, mas é necessário tomar cuidado com a escalação do substituto para que os personagens não se percam. Além disso, o terceiro longa-metragem faz parte da 4ª fase do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU) e, como diz um amigo especialista em HQs e cinema, a tendência é que o estúdio aposte nas batalhas e guerras espaciais, o que dá muito dinheiro (leia-se a franquia Star Wars).

 Foto: Brie Larson interpreta Capitã Marvel (Divulgação)
Foto: Brie Larson interpreta Capitã Marvel (Divulgação)
Essa expectativa parte do fato de Capitã Marvel, a principal aposta do estúdio para o próximo ano ao lado de Vingadores 4, ter todo o seu arco no espaço, onde estão os Guardiões.Há também uma vontade, ainda não confirmada, de fazer um filme do Nova, outro herói que habita o mesmo ambiente e que é oriundo da frota que apareceu no primeiro filme, de 2016.

O fato é que, antes mesmo do ocorrido a Gunn, aos Guardiões já cabia missões de suma importância no MCU, o que deve ser intensificado. São elas: cimentar bem o universo espacial que começou no primeiro filme; criar uma ponte para a continuação da 4ª Fase; continuar a boa vendagem de bonecos, como do Groot; e finalizar as principais tramas da equipe, a exemplo do caso entre Peter Quill e Gamora.

Agora, se haverá mais filmes do grupo depois da demissão do diretor? Só a Disney sabe.