Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Dupla comprou pela internet armas brancas usadas no massacre de Suzano

Notícias

Polícia

Dupla comprou pela internet armas brancas usadas no massacre de Suzano


Os autores do massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, Grande São Paulo, na quarta-feira (13), compraram armas brancas e outros objetos usados no dia do ataque na plataforma Mercado Livre, que agrega diversos vendedores.

A polícia incluiu os recibos entre o material apreendido. Nele, também há alvos onde os autores do crime praticaram tiro e uma fantasia de personagem de quadrinhos que representa a morte. A lista traz uma embalagem com etiqueta do Mercado Livre referente à compra de um arco e flecha (os criminosos usaram uma besta, espécie de arco, durante o crime).

Ao menos quatro comprovantes de pagamento do site de vendas online foram achados. A plataforma afirmou lamentar o episódio e que vai colaborar com as autoridades. Entre as armas brancas encontradas, além do arco, está uma machadinha e um machado, um deles usado para atacar alunos da escola, além de jet loaders (objeto para recarregar o revólver calibre 38).

A venda dessas armas não é ilegal, mas a de jet loaders é regulamentada por lei. Há ao menos 11 telefones celulares, quase todos relacionados a Guilherme. O material inclui uma série de acessórios: bandana de caveira, luvas e coturnos militares. Também há uma peça de um personagem de quadrinho em que um caderno tem o poder de matar as pessoas cujos nomes foram escritos nele.

Além disso, há um caderno de capa dura com anotações de Guilherme. O material deve ser analisado pela polícia. O Mercado Livre emitiu nota afirmando que "compartilha da indignação e da tristeza diante do massacre. "Consternados com a informação de que itens utilizados nesta ação poderiam ter sido adquiridos em nossa plataforma, fizemos contato com as autoridades policiais e colocamo-nos à disposição para colaborar com a investigação", afirma o comunicado.

O site afirmou repudiar o uso ilícito desses equipamentos. Segundo a empresa, os termos e condições de uso do site estão de acordo com a legislação brasileira e os anúncios trazem um botão de denúncia -todas são analisadas e se houver infração o anúncio é removido.

Armas como a besta podem disparar setas com velocidade de até 400 km/h, e são encontradas facilmente à venda na internet. Os valores vão de pouco mais de R$ 100 até R$ 3.000, para os modelos mais sofisticados. Machadinhas usadas por militares também são facilmente adquiridas em lojas virtuais.

A atividade da dupla na internet também é investigada pela Promotoria. Computadores foram apreendidos e apura-se se os dois participavam de grupos de discussão ligados a terroristas na chamada Deep Web, em que a troca de mensagens ocorre sob pesada criptografia, sem acesso por sites de busca e com monitoramento mais difícil.

"Não podemos descartar nenhuma área de investigação, e devemos traçar medidas preventivas para que esse tipo de crime não volte a ocorrer", disse o procurador-geral do estado, Gianpaolo Poggio Smanio.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados