Nossos ossos imortais

Doutor João Responde
Doutor João Responde
Doutor João Evangelista

Deus fez Adão cair num profundo sono e, com as suas mãos, retirou uma de suas costelas para dar início à mulher, sua mais sublime criação. Poderia Deus criar a mulher do barro, como fez com Adão, e soprar em suas narinas o fôlego de vida.

Mas ele escolheu, com toda a sua sabedoria, soprar a vida em um osso, mais precisamente uma costela. Este osso abraça e protege o coração e os pulmões, cobrindo-os cuidadosamente como uma mãe faz com seu filho.

A costela também se prende à coluna vertebral e à medula óssea, este tutano que produz sangue, que dá vida.

A história do ser humano começa pelo sistema esquelético, de onde, entre ossos, tendões, ligamentos e cartilagens, uma costela foi retirada.

O osso é um tecido dinâmico, cuja principal característica é a mineralização de sua matriz. Ele compõe a maior parte do esqueleto e participa de um processo contínuo de remodelamento, com a produção de ossos novos e a degradação de ossos velhos.

Em seu interior existem várias lacunas que contêm células denominadas osteófitos. Estas estruturas possuem prolongamentos chamados canalículos, que se unem a outros canalículos das lacunas vizinhas, formando, assim, uma rede em toda a massa de tecido mineralizado.

Durante a vida embrionária, o esqueleto é cartilaginoso, o qual será substituído quase que totalmente por um esqueleto ósseo a partir do segundo mês da vida intrauterina.

O esqueleto cartilaginoso se ossifica entre os 18 e 20 anos de idade, cessando o crescimento dos ossos. Na fase adulta existem cartilagens somente em locais onde a flexibilidade é importante, como a ponta do nariz, orelha, laringe, parede da traqueia e extremidades dos ossos que se articulam.

O esqueleto de um recém-nascido contém cerca de 270 ossos, enquanto o do adulto é formado por aproximadamente 206 ossos. Isto ocorre, pois os bebês possuem alguns espaços entre as placas dos ossos, chamados de fontanela.

Esta estrutura, conhecida como moleira, facilita a passagem do bebê no momento do parto. Com o tempo ela se fecha e alguns ossos se fundem.

Os ossos possuem as seguintes funções:
– Proteção: A caixa torácica guarda certos órgãos vitais, como o coração, os pulmões, o fígado e os rins. O cérebro é protegido pelo crânio. O esqueleto também protege a bexiga urinária, assim como os órgãos reprodutores internos, como o útero. Nas mulheres, a pelve protege o feto em desenvolvimento.
– Sustentação: Os ossos servem para suportar os tecidos moles do corpo e fixar os músculos. Em outras palavras, ele é a nossa armação. Sem a estrutura óssea, o corpo não poderia se manter em pé.
– Locomoção: Os ossos são formados por um material rígido que sustenta os tecidos, permitindo os movimentos, como levantar, agachar, flexionar os braços e pernas, etc.
– Hematopoese: É o processo pelo qual as células do sangue formam, desenvolvem e amadurecem alguns elementos do sangue, como eritrócitos, leucócitos e plaquetas, a partir de células-tronco encontradas na medula óssea. Estas são responsáveis pela formação de todas as células e derivados celulares que circulam no sangue.
– Reserva de minerais: Os ossos estocam alguns minerais importantes para o organismo, como o cálcio, o sódio e o fósforo. Estes minerais são transportados para outras regiões do corpo por meio do sistema vascular.

Quando ocorre diminuição do nível de cálcio no sangue, sais de cálcio são mobilizados dos ossos para suprir a deficiência do organismo. É por isso que os ossos do corpo humano podem permanecer intactos por muitos anos, mesmo depois que morremos.

Quando a alma sobe e o corpo desce, tudo se desfaz. O que mais dura, é o que mais se esquece: nossos ossos imortais.

 

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


Ginecomastia na adolescência

O crescimento das mamas em homens pode criar constrangimentos de cunho estético.Anormalidade benigna, passível de correção, a ginecomastia é caracterizada por um excesso de tegumento, gordura e …


O sentido do olfato

Ao chegar, o cheiro tempera o ar. Quando parte, ele deixa lembranças – boas ou más. Um trivial aspirar pode despertar fome, provocar atração ou repulsa e resgatar cenas do passado. Quase tudo tem …


Surdez pode causar isolamento

A perda da audição causa um pesado infortúnio. Ela representa a ausência de um estímulo vital, o som da voz, que veicula a linguagem, agita os pensamentos e nos mantém conectados aos outros. A …


O medo de ter câncer

Carcinofobia – ou medo de câncer – é um temor que aflige grande quantidade de pessoas. Na maioria dos casos, esse medo é racional. Mas em pessoas com preocupação extrema, a condição pode gerar pânico …


Meningite, uma doença grave

Em 1977, apesar de ainda estar cursando o quinto ano de Medicina, fui chamado para consultar um adolescente que apresentava dor de cabeça e febre. Ao examina-lo percebi que se tratava de uma infecção …


Gripe intestinal e seus sintomas

Conhecida também como virose digestiva, a gripe intestinal provoca um quadro clínico bastante incômodo, embora desapareça, sem muitas complicações, depois de alguns dias. Esse tipo de gastroente…


Entupimento do ducto salivar

Pedras podem surgir na vesícula, no trato urinário e nas glândulas salivares. A sialolitíase ou cálculo salivar representa a obstrução do sistema excretor de uma glândula salivar por calcificações …


Nossas vigilantes e aliadas amígdalas

Tonsilas ou amígdalas são órgãos que auxiliam na fabricação de anticorpos para combater bactérias agindo, assim, como grandes aliadas do sistema imunológico. Localizadas na encruzilhada entre a …


Trememos por várias razões

“Quando a vela chega ao fim, a chama começa a tremer, com medo da escuridão”. O tremor resulta de várias situações. Sua principal causa é o frio, condição que faz com que os músculos se contraiam …


Açúcar vicia o cérebro

A glicose é um componente essencial à vida, especificamente para o correto desenvolvimento das funções cerebrais. Entretanto, não é preciso ingerir açúcar e nem alimentos doces para que o organismo …