Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Dona de casa cheia de graça!

Entretenimento

Entretenimento

Dona de casa cheia de graça!


Após o sucesso da debochada Valéria Bandida e da musa fitness Carol Paixão, é a vez da batalhadora Dona Graça arrancar boas risadas do público! Dona de casa, catadora de latinhas e pedinte, ela mora numa favela do Rio de Janeiro e sustenta os 13 filhos e Moacir, o ex-marido desempregado.

Rodrigo Sant'Anna faz rir como  Dona Graça, com seus filhos,  e aproveita para criticar famosos que gravam em favela (Foto: Divulgação)
Rodrigo Sant'Anna faz rir como Dona Graça, com seus filhos, e aproveita para criticar famosos que gravam em favela (Foto: Divulgação)


Essa mulher tão comum, e ao mesmo tempo invisível à sociedade, é mais uma personagem de Rodrigo Sant'Anna, 38, a dar certo nas telinhas. Protagonista do humorístico “Tô de Graça” (Multishow), que estreia sua 3ª temporada na próxima segunda, a personagem invadiu os teatros com o espetáculo “Tô de Graça - Da TV para o Palco”.

Tô de Graça - Da TV para o Palco (Foto: Divulgação)
Tô de Graça - Da TV para o Palco (Foto: Divulgação)
Para contar a história de Dona Graça e todos os indivíduos envolvidos no programa, o artista carioca, que viveu até os 18 anos no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, se baseou em suas próprias vivências.

“Pegar um pouco das minhas experiências de vida e contar de maneira bem-humorada é uma das ideias do programa. Acho que o maior mérito das classes menos favorecidas é conseguir lidar, de maneira bem-humorada, com as dificuldades. Mas quero que entendam que não são só flores. Tem tiro na hora que você vai subir e já passei por isso”, conta Rodrigo ao AT2.

Na versão para os palcos, a favela onde Graça vive será o cenário para a gravação do clipe de um artista famoso, prometendo causar um alvoroço na família da catadora, que considera um absurdo a imposição de eventos assim às comunidades carentes.

“Mulheres são minhas referências” - Rodrigo Sant'Anna, ator e humorista

Tô de Graça - Da TV para o Palco (Foto: Divulgação)
Tô de Graça - Da TV para o Palco (Foto: Divulgação)
AT2: “Tô de Graça” foi um sucesso na TV e agora invade os palcos. Como é levar esse projeto para tantos lugares?
Rodrigo Sant'Anna: Sempre me dei muito bem em levar personagem do teatro para a TV, e vice-versa. Desde Valéria, foi assim. Ela era um personagem do teatro que foi para a televisão. Minha preocupação é que o personagem seja verdadeiro, tenha uma história, que as pessoas se identifiquem.

AT2: Quando decidiram que Dona Graça invadiria os palcos?
Rodrigo Sant'Anna: Não sei dizer o momento exato, mas foi o fato do programa estar indo bem e de as pessoas começarem a falar: “Faz uma peça!”. Agora, o público pede filme e, se Deus quiser, faremos.

AT2: Qual a inspiração para a história da peça?
Rodrigo Sant'Anna: A gravação do clipe vem de uma experiência minha como ator, porque achava meio abusiva a maneira como a gente se colocava nas locações.

A gente vai fazer uma gravação e acaba mudando a rotina daquelas pessoas que vivem ali. E consegui, com a Graça, fazer essa crítica.

Hoje, muitos artistas sobem a comunidade para gravar seus clipes, seus trabalhos. Isso virou algo comum. Digo que conheci o Michael Jackson, pai do Maico, meu filho, na gravação do clipe de “They Don't Care About Us” no Pelourinho.

AT2: Então, tem um tom crítico?
Rodrigo Sant'Anna: Lembro de Madonna também. Falo: “Engraçado, que vem pra cá, põe a roupa do Exército, igual a Madonna, posta foto no Instagram, depois vai embora e continua tudo uma merda, esgoto a céu aberto, as crianças catarrentas”.

Essa romantização da comunidade existe, mas o problema continua porque as pessoas passam por ali sem deixar grandes feitos.

É preciso trazer uma lente de aumento para a favela. Mas entender que não é isso que vai fazer com que as coisas ali mudem.

Tô de Graça - Da TV para o Palco (Foto: Divulgação)
Tô de Graça - Da TV para o Palco (Foto: Divulgação)

AT2: Como é viver essa mulher sofrida e invisível à sociedade?
Rodrigo Sant'Anna: É um presente me comunicar com minha galera, com as Graças existentes, com as pessoas que se identificam com ela.

Hoje, infelizmente, a gente vê uma Graça em cada esquina.

AT2: Graça é mãe de 13 filhos. Daria conta?
Rodrigo Sant'Anna: Sonho em ser pai, mas não gostaria de ter 13, pelo amor de Jesus! (Risos) Hoje, não tenho a vida que a Graça possui, então eu teria um pouco mais de conforto e consciência para criar meus filhos.

AT2: Dona Graça é mais uma personagem feminina sua. Como é dar vida a tantas mulheres?
Rodrigo Sant'Anna: São minhas referências mais fortes, sabe? As mulheres com quem convivi são pessoas mais firmes, fortes, potentes. Coincidentemente, faço o Seu Batista, que é um homem frágil.

Gracyanne Barbosa ao lado de Rodrigo Sant’Anna (Foto: Gabriel Nunes / Divulgação Multishow)
Gracyanne Barbosa ao lado de Rodrigo Sant’Anna (Foto: Gabriel Nunes / Divulgação Multishow)
AT2: Gracyanne Barbosa estará na 3ª temporada de “Tô de Graça” e fará uma personagem que é casada com Marraia Carey (Evelyn Castro). O humor pode acabar com preconceitos?
Rodrigo Sant'Anna: Sim. É nosso trabalho tocar em questões tratadas de maneira velada ainda hoje na nossa sociedade.

AT2: No início do ano, fez uma declaração ao seu marido. Como foi assumir essa relação?
Rodrigo Sant'Anna: Sempre são relevantes os comentários. Não sei se tenho a maturidade de anular tudo que chega até mim. Mas o principal é o que sinto internamente.

Foi um momento em que eu estava feliz e queria falar disso, porque, se fosse numa situação hétero, eu faria. Não estava me importando com o resultado. O que importava era o que eu estava sentindo.


SERVIÇO:

Tô de Graça - Da TV para o Palco”
O quê: Comédia com Rodrigo Sant'Anna, Isabelle Marques, Andy Gercker e Evelyn Castro. Na 10ª Edição do Circuito Banestes de Teatro
Quando: Sábado, às 20h, e domingo, às 18h
Onde: Teatro da Ufes, em Goiabeiras
Ingressos (meia): Térreo a R$ 45,00 e Mezanino a R$ 25,00
Venda: Na bilheteria do Teatro da Ufes e no site tudus.com.br
Clas.: 12 anos


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados