Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Doença virou moda
Doutor João Responde

Doença virou moda

“Doutor João, hoje eu não estou sentindo nada! Será que isso é muito grave?”. Como não achar graça diante desse desabafo inusitado? Apesar disso, a mensagem é bastante séria, pois mostra a perigosa fronteira entre saúde e doença, onde médicos e pacientes costumam deambular.

Algumas pessoas se sentem doentes, sem estarem doentes; outras estão doentes, mas não se sentem doentes. Doença não é sintoma de saúde, assim como saúde não é sintoma de doença.

O aumento de conhecimento e a facilidade de comunicação têm produzido grande quantidade de diagnósticos e indivíduos medicados.

É óbvio que remédios salvam vidas. Seria um contrassenso pensar diferente. Depressões, por exemplo, existem e devem ser medicadas. Entretanto, devemos pensar quando foi que abandonamos as condições necessárias para enfrentar as vicissitudes existenciais, sem remédios?

Queixar-se de ansiedade também faz parte da rotina. E o diagnóstico de déficit de atenção está tão em alta que, ninguém mais se lembra de que existem indivíduos distraídos.

Muitas pessoas procuram um diagnóstico psiquiátrico simplesmente porque não se enxergam dentro de um padrão de felicidade.

Todos nós sofremos, é verdade. Viver também dói, mas passa. Contudo, mesmo não passando, o sofrimento fortalece, e sem os efeitos colaterais que a maioria das medicações provoca.

Existem enfermidades que geram status e viram moda. Algumas delas até carregam certo charme.
O conhecimento científico normalmente caminha da literatura técnica para os veículos de divulgação e desses para a mídia leiga

É importante saber que doenças existem e devem ser tratadas. O risco é que muitas vezes a informação vai sendo distorcida, levando a um abismo entre o que os cientistas dizem e o que as pessoas repetem. Na ânsia de encontrar explicações e soluções para seus sofrimentos, muitas vezes os indivíduos começam a ver enfermidades onde não tem, recorrendo a remédios inutilmente.

Vamos citar a vitamina D, fundamental para o sistema imunológico e para os ossos, pois ajuda na absorção do cálcio. Embora possa ser encontrada em alimentos como ovos e sardinha, a forma mais eficaz de sintetizá-la é por meio da exposição ao sol. Embora o Brasil seja um país ensolarado, tomar vitamina D virou panaceia.

De uma hora para outra, todo mundo se tornou intolerante ao glúten e à lactose, tornando o pão, esse alimento bíblico, um carrasco alimentar.

Dor abdominal, flatulência, eructação e diarreia podem realmente ser efeitos da intolerância à lactose. Com a idade, nossa capacidade de absorver esse açúcar presente no leite e seus derivados diminui. Todavia, algumas pessoas sadias podem apresentar esses mesmos sintomas caso bebam grandes quantidades de leite.

O erro por trás do modismo da dieta sem lactose é acreditar que o açúcar do leite é um veneno universal.

Desconforto abdominal, indisposição, diarreia e febre podem traduzir intolerância ao glúten. De uma hora para outra, milhares de pessoas se descobriram intolerantes à proteína que está presente em comidas como trigo, centeio e cevada.

O glúten é uma proteína de difícil digestão. É normal que alguns indivíduos se sintam melhor se pararem de comê-lo. Mas a intolerância ao glúten não tem diagnóstico laboratorial, só clínico, ao contrário da doença celíaca.

Pacientes confundem uma doença com a outra e saem cortando o glúten da dieta, de forma indiscriminada, gerando incômodos nutricionais e gastos financeiros.

Não suportando a simplicidade da saúde, algumas pessoas usam a enfermidade como ferramenta de vaidade. Muitas vezes, eu preciso dizer ao paciente que prefiro não tirar sua doença enquanto ele não estiver pronto para deixá-la.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças exantemáticas

Dezembro de 1978. Após frutificante período de faculdade, eu terminava o curso de Medicina. Durante as festividades de formatura, amanheci febril e com o corpo todo pintado de vermelho. Como …


Exclusivo
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se …


Exclusivo
Doutor João Responde

Envelhecer é um privilégio

Velho não é sinônimo de imprestável. Ao contrário, alcançar os últimos degraus da idade pode trazer consigo um grande acúmulo de sabedoria. O que seria do mundo presente se não houvesse as lembranças …


Exclusivo
Doutor João Responde

Boqueira, essa incômoda feridinha

Queilite angular, chamada popularmente de boqueira, é um pequeno machucado doloroso que ocorre no canto da boca. Trata-se de uma dermatose comum, caracterizada por fissura e inflamação no ângulo dos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra …


Exclusivo
Doutor João Responde

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Exclusivo
Doutor João Responde

Afeto faz bem à saúde

Experimente caminhar pelas ruas distribuindo abraços e apertos de mãos. Infelizmente, a maior parte das pessoas não retornará as demonstrações de afeto oferecidas por você. Algumas reagirão com …


Doutor João Responde

Tato, o olho da pele humana

O tato é o idioma do corpo. Vendo, ouvindo, cheirando, apalpando e sentindo sabores, percebemos o meio que nos cerca. Ao processar esses estímulos em nosso cérebro, nós os interpretamos, sejam como …


Doutor João Responde

Saúde esterilizada vira doença

Ninguém questiona a imprescindível necessidade da higiene, do uso de medicamentos, do emprego de vacinações, entre outros cuidados que visam preservar a saúde. Antigamente, a preocupação do ser …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados