Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Novas conversas de Moro com promotores são divisor de águas
Painel da Folha de São Paulo

Novas conversas de Moro com promotores são divisor de águas

Políticos, juristas e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) avaliam que a nova publicação de diálogos entre o ex-juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava a Jato elevou a pressão sobre o agora ministro da Justiça. Dois integrantes do STF disseram que, nas conversas publicadas pela revista Veja em parceria com o The Intercept, há, pela primeira vez, indicação cristalina de, no mínimo, falta administrativa grave. Até operadores do direito que estavam ao lado de Moro ou em posição de observação deram passo atrás.

Onde pega - Os trechos com maior repercussão no universo jurídico são os que indicam que Moro, então juiz, solicitou a inclusão de documentos em peças de acusação e também orientou investigadores a retardarem o cadastramento de papéis que imputavam pessoas com foro privilegiado, manipulando o timing de remessa de informações ao STF.

Passou da conta - O jurista Miguel Reale Júnior, um dos autores do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, subiu o tom de suas avaliações sobre o caso. Ele, que antes dizia que era preciso aguardar os desdobramentos, agora afirma que "se vê efetivamente um pendor do juiz na orientação da acusação".

Passou da conta II - Para Reale, as conversas registradas pela revista e pelo site apontam "um interesse do juiz em favor da acusação, tanto faz contra Lula, Cunha ou Cabral". "O que espanta é essa proximidade. Conspirando contra a defesa. Presumia-se que a 13ª Vara fosse um juízo rigoroso, mas não comprometido."

Manda quem pode - Integrantes da elite acadêmica do direito sinalizam entendimento na mesma direção. Entre os políticos, é consenso que os diálogos publicados nessa sexta-feira (5) adicionam novo componente à crise. A solução, eles afirmam, só virá do Supremo. Moro rechaça qualquer ilegalidade.

Aguarde e confie - É crescente, portanto, a expectativa sobre a reação da corte. A avaliação, hoje, é a de que o presidente do STF, Dias Toffoli, mantém distanciamento do caso. O que dirigentes partidários indagam é se permanecerá nessa atitude até agosto, na volta do recesso, com a possibilidade de mais revelações.

Sigamos - Mas Moro mantém apoios valiosos no STF. Há na corte quem ainda defenda o ex-juiz –embora veja com preocupação sinais de ofensiva sobre jornalistas, como a investigação de Glenn Greenwald.

Com as próprias mãos - Do jeito como o texto da reforma da Previdência foi aprovado na comissão especial, será difícil para o governo suavizar as regras para as polícias federais, apostam líderes da centro-direita. Para isso, O Planalto teria que se expor, apresentando emenda ao texto a própria equipe econômica endossou.

Negócios à parte - Para esses líderes, uma ação dessas seria uma "desmoralização" do ministro Paulo Guedes (Economia). Caso enverede por este caminho, o PSL espera contar com uma aliança inusitada: os votos oposição que tanto critica, como PT, PC do B e PSOL.

Débito ou crédito - O pedido de liberação expressa de verbas para bancar emendas de parlamentares, como prometido pelo governo para destravar a votação da Previdência, vem enfrentando limitações técnicas. Apenas o dinheiro da saúde, com origem em fundos que direcionam recursos para gastos específicos, tem desembolso acelerado.

Débito ou crédito II - Muitas obras, como creches, demandam projeto, licitação e previsão orçamentária, ou seja, empenho. Processo que dura, no mínimo, um mês.

Para o espaço - O governo Bolsonaro sofreu uma derrota, na última semana, na Comissão de Relações Exteriores. Num acordo que uniu a oposição e o centro, a votação do relatório que autoriza o uso da base espacial de Alcântara (MA) pelos EUA, acordada pelo presidente com os americanos, foi adiada para agosto. Os parlamentares querem ouvir especialistas antes de votar.

Sacola vazia - A troca de guarda do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) reacendeu especulações sobre o esvaziamento de Onyx Lorenzoni (Casa Civil). O fato de a indicação de Martha Seillier, nome que vai assumir a área, ter sido associada a outros ministros suscitou comentários de que, talvez, Onyx não consiga mandar nem no PPI.

Tiroteio
"Em vez de defender o trabalho infantil, Bolsonaro deveria se preocupar com os empregos dos milhões de pais dessas crianças."

De João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, após o presidente endossar que crianças trabalhem.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Problema tem família grande

Ao implodir o PSL, Jair Bolsonaro praticamente sepultou as chances de migrar para uma legenda de grande ou médio porte. Dirigentes de partidos de centro-direita dizem ser "muito difícil" encontrar …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

À mulher de César

Além de dar ares de crise incontornável ao impasse entre Jair Bolsonaro e seu partido, a batida da Polícia Federal que atingiu o presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), ampliou a desconfiança entre o …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

O teto é o limite

A ofensiva de deputados para debater proposta de emenda constitucional que autorize prisão após segunda instância nesta terça (15), dois dias antes de julgamento no STF, foi vista com ceticismo por …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Engata a primeira

Apontado como meta logo no início da gestão de Dias Toffoli na presidência do Supremo, o projeto de acelerar a solução de impasses judiciais que travam obras em todo o país entra agora em fase …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Bate e volta

Sob ofensiva de Jair Bolsonaro, o PSL decidiu se armar. Dirigentes dizem que a sigla já está cotando, por conta própria, empresas que possam analisar suas contas – o presidente cobra auditoria de …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Tela em branco

Integrantes da equipe econômica sugeriram incluir na reforma administrativa um dispositivo que proíba servidores públicos de terem filiação político-partidária. A vedação foi alvo de debates, na …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Pediu? Agora aguenta

O fragilíssimo equilíbrio do PSL implodiu com os últimos atos de Jair Bolsonaro. Deputados que manifestaram intenção de deixar a sigla ou que a atacaram publicamente, acompanhando o presidente, serão …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Soneto de separação

A cúpula do PSL não assiste inerte à movimentação de Jair Bolsonaro e de um grupo de deputados para se distanciar do partido. Ao contrário. A direção da sigla traça, há semanas, cenários para …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Maçã envenenada

Soou como tiro de alerta entre procuradores e juízes o telefonema, revelado pela Folha, nesta segunda (7), em que Marco Aurélio Canal, um dos auditores da Receita presos pela Lava Jato do Rio, disse …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Cai o véu

Para além do impacto da revelação, na Folha, de que a apuração sobre candidaturas laranjas no PSL de Minas levou a menções à campanha de Jair Bolsonaro, foi a reação de Sergio Moro (Justiça) à …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados