Direito à acessibilidade

É necessária uma intensa reflexão de todos os setores da sociedade sobre as reais dificuldades da pessoa com deficiência na vida moderna, o que nos remete, imediatamente, ao tema da acessibilidade. São inúmeras as leis e decretos que asseguram este direito às pessoas com deficiência, embora seja um arcabouço jurídico largamente ignorado.

Mesmo as pessoas sem deficiência sofrem, diariamente, com a falta de acessibilidade, embora constitua um direito fundamental. O número de pessoas com algum tipo de deficiência no Brasil corresponde a 23% da população, segundo o último censo do IBGE (2010), sendo que no Espírito Santo o percentual é semelhante.

São cerca de 45 milhões de pessoas com deficiência visual, auditiva, motora ou mental/intelectual, e que não vivem em uma sociedade adaptada. Como viver assim, com tantas barreiras e impedimentos? Podemos citar dificuldades sistemáticas como na formação inicial e continuada, na presença em shows e peças teatrais, nas políticas de atendimento ao público, nos estereótipos das empresas, na ocupação de vagas reservadas, nas campanhas de conscientização e sensibilização, no capacitismo, no acesso e permanência na escola e universidades, entre tantas.

A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), particularmente, busca enfrentar o desafio da inclusão e da acessibilidade, sobretudo com a decisão de implantar a reserva de vagas para pessoas com deficiência, a partir de 2017. Hoje, são 362 estudantes com deficiência na Universidade, sendo 136 com necessidades especiais, além de professores e técnicos. O ingresso deles contribui para um ambiente de humanização, proporcionado pela convivência de pessoas com e sem deficiência. Nesse contexto, a lista de demandas por acessibilidade é considerável: edificações adaptadas (bibliotecas, laboratórios, auditórios, salas de aula, equipamentos culturais), acessibilidade digital, programas didático-pedagógicos, formação continuada de professores e técnicos, sistemas e meios de comunicação, e cultura com política inclusiva.

Ainda no âmbito da Universidade, há ações concretizadas como a construção das primeiras rotas acessíveis, criação do núcleo de acessibilidade, acolhida de calouros, e o núcleo de tradução e interpretação em Libras. Estão em curso processos de compra de equipamentos para acessibilizar 33 laboratórios de informática e as bibliotecas, com destaque para a construção do laboratório de acessibilidade na biblioteca central. Próxima de completar 65 anos, a Ufes consegue que estudantes com deficiência, enfim, rompam os obstáculos para ingressar na Universidade, sendo que uns concluem seus cursos, outros não, como resultado de complexas vivências de sacrifícios e adversidades.

Há, de fato, a sensação de que os estudantes com deficiência são invisíveis, e a realidade mostra que o que sobressalta é a luta permanente pela dignidade humana. É preciso que seja construído um movimento pró-acessibilidade na sociedade. Na Ufes, em especial, esse movimento deve ter amplo alcance, de modo que seja indutor de inovadoras ações no Espírito Santo, para que a acessibilidade se mantenha na agenda principal da sociedade, com produtiva combatividade, permanentes diálogos e sólidas proposições.

Douglas Christian Ferrari de Melo é professor do Centro de Educação e coordenador do Núcleo de Acessibilidade da Ufes
 


últimas dessa coluna


Quem cuida do cuidador?

Vemos, na prática clínica atual, um aumento sustentado na incidência de doenças crônicas incapacitantes que, majoritariamente, são agravadas pelos processos disfuncionais envolvidos no envelhecimento …


Reforma da Previdência é um debate atrasado

Para trazer ao debate questões de ordem demográfica e social, verificamos que nos anos 60, a razão de trabalhadores da ativa versus aposentados era 12 para 1. Em 2000, esta proporção caiu para …


O sentido da vida

Passadas as férias, findo o Carnaval, a agenda do ano novo entra de vez no cotidiano de 2019. Assim, temos como que um replay da questão que sempre marca as viradas: o que faremos do ano que se …


Multipropriedade imobiliária: inovação no registro de imóveis

Tudo o que é novidade gera dúvidas: as maiores inovações vêm carregadas delas. As pessoas questionam, ficam curiosas, pesquisam, se informam e no final colocam tudo na balança para pesar o que vale …


Tragédia em Suzano: fuja do discurso raso!

Diante da recente tragédia ocorrida em uma escola de Suzano (SP), que ceifou vidas e marcou indelevelmente famílias e amigos, a sociedade volta a se perguntar o que pode levar uma pessoa a cometer …


Doutrinação nas escolas vai além de um cabo de guerra político

O período da história do Brasil, que se estendeu da proclamação da República em 15 de novembro de 1889 até o golpe de 1930, liderado por Getúlio Vargas, faz de suas ações um eixo explicativo para …


O homem criminoso e as agressões contra mulheres

A visão da sociedade ainda é muito ingrata com as mulheres, séculos de discriminação e desrespeito não são facilmente apagadas do nosso cotidiano, mas o empoderamento feminino, que é a luta pelo …


Tecnologia ajuda a transformar os motoristas e o trânsito

Mapas atualizados em tempo real, aluguel de bikes, motoristas de aplicativo e até cursos exigidos pelos Departamentos Estaduais de Trânsito, como o de reciclagem para recuperação de Carteira Nacional …


Como se livrar das dívidas? Não é tarefa fácil, mas há luz no túnel

Estamos em março e as famílias sentem no bolso o peso das contas, como material escolar, rematrícula, IPVA, IPTU, Imposto de Renda e por aí vai. Quem dirá, para quem já carrega os débitos antigos. …


Mulher, a equilibrista

Era ainda menina e sonhava em construir a minha família. Igualmente me motivava construir uma carreira em que eu pudesse fazer a diferença na vida das pessoas. Meu avô me ensinou ainda criança que …