Diálogo com os presidenciáveis

Considerando o período eleitoral, o Sindiex iniciou um diálogo com os presidenciáveis, objetivando conhecer os seus projetos de governo, e percebemos que já são velhos conhecidos: ajuste fiscal, recursos naturais, política cambial, acordos comerciais, educação e gestão. Muitos candidatos irão apresentar propostas que, contudo, não passarão de boas intenções.

Aos eleitores, cabe diferenciar discurso pré-eleitoral das ações que devem e podem ser implementadas.

Quem assumir o governo irá administrar um país com despesas maiores do que as receitas e isso pode ocasionar o retorno da inflação. É de conhecimento de muitos que a inflação existe quando o governo gasta mais do que arrecada. Portanto, a realização das reformas que impliquem no ajuste fiscal se tornam importantes, pois não existe tributo mais injusto do que a inflação que atinge, principalmente, as classes menos favorecidas.

Alguns candidatos relataram a prioridade de investimentos em combustíveis fósseis e matérias primas. Importante saber que, embora recursos naturais sejam importantes, existem limites para que possam prover vantagem competitiva. Isso só é possível se exploradas através do uso de modernas tecnologias.

Recentemente, um candidato comentou que adotará uma taxa de câmbio que não prejudique exportadores nem importadores. Com relação à política cambial é importante ter conhecimento que a desvalorização cambial não tem a capacidade de prover vantagem competitiva. O que dá sustentabilidade às exportações são investimentos em filiais no exterior, que demandam produtos da matriz.

Foi apresentada, também, a sugestão de priorização de acordos comerciais bilaterais. Fica sempre aquela questão: comércio internacional ou mercado interno? Quando são analisados os índices de competitividade do Brasil, a variável que apresenta a melhor pontuação é o tamanho do nosso mercado. Além disso, somos um país, exceção no mundo, formado por grupos étnicos sem grandes divergências e que falam a mesma língua. Consequentemente, é aconselhável continuar o fortalecimento do mercado doméstico. Isso, contudo, não quer dizer que devamos negligenciar as vendas para o exterior.

Outro assunto de debate foi o nível educacional do Brasil. Na última edição do Pisa, realizada com escolas de 70 países, o Brasil ficou 59º lugar em leitura e entre os 10 últimos nas categorias matemática e ciências. Não há dúvida que a educação terá um papel importante nas sociedades do futuro e parece que os candidatos se dão conta disso. Contudo, diria que o sistema educacional brasileiro tem que ser reformado, pois não premia habilidades, mas dinheiro. Apenas os filhos das famílias mais abastadas têm acesso a uma melhor educação. Isso tem que ser revisto.

Percebemos que muitos eleitores receiam o estilo administrativo do futuro presidente. Gerenciamento demanda prática. Sabemos que, embora, teorias administrativas sejam importantes, gestão requer experiência. Em momentos de crise não há tempo para se consultar o livro texto.

Portanto, é preciso ter prévio conhecimento de administração ou cercar-se de quem o possua. Não acredito, tampouco, que administração participativa seja uma panaceia. Em tempos de crise um líder tem que tomar a direção e determinar quem deve fazer e o que deve ser feito.


últimas dessa coluna


Jogos eletrônicos não são mais sinônimo de sedentarismo

A mãe pergunta à filha como foi o dia de aula, e a menina responde que passou a maior parte do dia disputando jogos eletrônicos. Surpresa, a mãe já se prepara para ligar para a escola e perguntar que …


A influência das mídias sociais sobre as decisões políticas

Estamos observando, no Brasil e em outras partes do mundo, o povo se reunindo através das redes digitais com o objetivo de influenciar as decisões políticas. Será que as principais decisões serão …


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …