Diálogo com os presidenciáveis

Considerando o período eleitoral, o Sindiex iniciou um diálogo com os presidenciáveis, objetivando conhecer os seus projetos de governo, e percebemos que já são velhos conhecidos: ajuste fiscal, recursos naturais, política cambial, acordos comerciais, educação e gestão. Muitos candidatos irão apresentar propostas que, contudo, não passarão de boas intenções.

Aos eleitores, cabe diferenciar discurso pré-eleitoral das ações que devem e podem ser implementadas.

Quem assumir o governo irá administrar um país com despesas maiores do que as receitas e isso pode ocasionar o retorno da inflação. É de conhecimento de muitos que a inflação existe quando o governo gasta mais do que arrecada. Portanto, a realização das reformas que impliquem no ajuste fiscal se tornam importantes, pois não existe tributo mais injusto do que a inflação que atinge, principalmente, as classes menos favorecidas.

Alguns candidatos relataram a prioridade de investimentos em combustíveis fósseis e matérias primas. Importante saber que, embora recursos naturais sejam importantes, existem limites para que possam prover vantagem competitiva. Isso só é possível se exploradas através do uso de modernas tecnologias.

Recentemente, um candidato comentou que adotará uma taxa de câmbio que não prejudique exportadores nem importadores. Com relação à política cambial é importante ter conhecimento que a desvalorização cambial não tem a capacidade de prover vantagem competitiva. O que dá sustentabilidade às exportações são investimentos em filiais no exterior, que demandam produtos da matriz.

Foi apresentada, também, a sugestão de priorização de acordos comerciais bilaterais. Fica sempre aquela questão: comércio internacional ou mercado interno? Quando são analisados os índices de competitividade do Brasil, a variável que apresenta a melhor pontuação é o tamanho do nosso mercado. Além disso, somos um país, exceção no mundo, formado por grupos étnicos sem grandes divergências e que falam a mesma língua. Consequentemente, é aconselhável continuar o fortalecimento do mercado doméstico. Isso, contudo, não quer dizer que devamos negligenciar as vendas para o exterior.

Outro assunto de debate foi o nível educacional do Brasil. Na última edição do Pisa, realizada com escolas de 70 países, o Brasil ficou 59º lugar em leitura e entre os 10 últimos nas categorias matemática e ciências. Não há dúvida que a educação terá um papel importante nas sociedades do futuro e parece que os candidatos se dão conta disso. Contudo, diria que o sistema educacional brasileiro tem que ser reformado, pois não premia habilidades, mas dinheiro. Apenas os filhos das famílias mais abastadas têm acesso a uma melhor educação. Isso tem que ser revisto.

Percebemos que muitos eleitores receiam o estilo administrativo do futuro presidente. Gerenciamento demanda prática. Sabemos que, embora, teorias administrativas sejam importantes, gestão requer experiência. Em momentos de crise não há tempo para se consultar o livro texto.

Portanto, é preciso ter prévio conhecimento de administração ou cercar-se de quem o possua. Não acredito, tampouco, que administração participativa seja uma panaceia. Em tempos de crise um líder tem que tomar a direção e determinar quem deve fazer e o que deve ser feito.


últimas dessa coluna


Eleição presidencial: de volta ao terror

Ao longo da campanha eleitoral para Presidente da República do ano de 2002, quando o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva estava à frente nas pesquisas eleitorais, o PSDB, estando no Poder, …


Você sabe quando e como utilizar um pronto-socorro?

Não é de hoje que assistimos pela televisão, internet ou até mesmo vivenciamos de alguma maneira a superlotação das unidades de urgência e emergência, comumente conhecidas como pronto-socorro. …


Vacinar ou não vacinar? Eis a questão

A reumatologia é mesmo uma especialidade que nos obriga a conhecer não só sobre doenças e medicamentos, mas também sobre exercício físico, nutrição, psicologia e imunização. Haja cérebro pra guardar …


Terceira idade: desafios e cuidados

Com o avanço da idade, é comum surgirem alterações no estilo de vida. Em razão desse processo, vem o comprometimento de funções e atividades que antes pareciam ser de simples execução. A partir …


A internet e a fragilidade das campanhas eleitorais

É consensual entre os analistas que a atual disputa eleitoral para a Presidência da República é a mais incerta desde a redemocratização do Brasil, nos anos 1980. Apesar da sensação difusa de …


Resolver só a corrupção, não resolve o Brasil

Em tempos de cenário eleitoral, Operação Lava a Jato, lideranças políticas apreendidas, democracia sendo questionada e vazio extremo de lideranças, urge a necessidade de parar, analisar e discernir. …


Nota fiscal eletrônica: avanço que exige novos hábitos

O Código Tributário Nacional define as obrigações acessórias como o conjunto de informações, declarações e prestações exigidas do contribuintes e de interesse do Fisco para fins de arrecadação e …


Segurança pública e eleições

Os números da segurança pública no Brasil podem ser considerados de um país em guerra. De acordo com os últimos dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgados no 12º Anuário de Segurança …


O cuidado fora dos hospitais e o foco no paciente

A palavra desospitalização pode até assustar, mas nada mais é do que tirar, na medida do possível, os pacientes de dentro dos hospitais, garantindo a eles o melhor cuidado, com as terapias necessária…


A luta contra a poluição do pó preto

Eliminar a poeira que foge ao Complexo de Tubarão e se dissemina pelas cidades da Grande Vitória tem sido uma demanda forte dos moradores, da sociedade civil e da imprensa capixaba. A tarefa é …