Fabiana Tostes

Fabiana Tostes


Desafios aos novos parlamentares

Findada a eleição em outubro passado, cientistas políticos foram unânimes em constatar que, apesar do otimismo de boa parte da população em relação a 2019, o ano político deveria ser desafiador e imprevisível. Até agora, as previsões estão seguindo à risca. O turbulento e polêmico início de governo do presidente Jair

Bolsonaro vai impor aos novos congressistas, que tomam posse hoje, muito jogo de cintura. No Estado, embora Bolsonaro tenha vencido com folga, o governador é de um partido (PSB) que já declarou oposição. Os 10 deputados federais e os três senadores, além do próprio Casagrande, terão de apostar bastante no diálogo para que o Estado não sofra retaliações.

No âmbito local, a bancada aliada de Casagrande é maioria na Assembleia, mas a definição de alguns postos na Mesa Diretora e nas comissões já tem gerado ruídos e reclamações.

Gilsinho vai também
O deputado estadual Gilsinho Lopes, que não se elegeu à Câmara Federal, deve contar com um espaço no governo. Ontem, o deputado Sandro Locutor disse que ele e Gilsinho estariam no governo.
Gilsinho, que já foi cotado para integrar a Casa Civil, deve ser nomeado como subsecretário de Estado da Justiça.

Quem conta?
O deputado estadual Sandro Locutor se despediu ontem dos colegas de plenário – ele não tentou a reeleição – e falou dos quatro anos que ficou à frente da Corregedoria: “Não tivemos nenhum problema”.
Nesse mandato, porém, um deputado foi cassado por caixa 2 (Almir Vieira) e outro foi preso por estupro (Luiz Durão).

Vereador por uma semana
O deputado estadual eleito Fabrício Gandini renunciou ontem ao seu mandato de vereador para poder assumir, hoje, o de deputado.
Seu suplente, o secretário de Meio Ambiente de Vitória, Luiz Emanuel Zouain, assume a cadeira e fica até semana que vem, quando a Câmara de Vitória vai definir o comando das comissões permanentes. Depois retorna à prefeitura e o mandato vai para Virgínia Brandão.

Sobrou pra todo mundo!
O deputado Zé Esmeraldo foi discursar ontem e mirou sua artilharia nos colegas. Disse que Erick Musso veio de Aracruz montado num cavalo, que Marcelo Santos deveria ser mais educado e esperado pelo seu discurso e que Sandro Locutor não foi eleito porque quis dar um passo maior que a perna.

Erick Musso presidente eternamente?
Não se sabe se o deputado Zé Esmeraldo falou por conta própria ou se, sem querer, revelou o que não deveria. Fato é que ontem, ao discursar no lançamento do Relatório de Gestão do biênio 2017-2018, na Assembleia, disse que o presidente Erick Musso será presidente da Casa não somente nesse biênio (2019-2020) como no próximo também (2021-2022). Erick ficou visivelmente constrangido e os demais deputados se entreolharam.

GALERIA

Tirou do bolso
Os 500 exemplares impressos do Relatório de Gestão da Ales foram pagos pelo presidente, Erick Musso, sem gasto de dinheiro público.
Prestígio
O governador de São Paulo, João Doria, apresentou aos seus seguidores na internet seu novo secretário executivo da Educação: será o ex-secretário capixaba Haroldo Rocha. “Durante o período em que atuou, o Espírito Santo apresentou o melhor nível de aprendizagem no ensino médio do País”, escreveu Doria.
Recuperação
A deputada Janete de Sá teve de passar por uma cirurgia após quebrar o braço esquerdo e deve ir hoje à posse ainda com uma tala.
Abaixo-assinado
O senador Marcos do Val (PPS) e o senador Eduardo Girão (Pros-CE) estão à frente de um abaixo-assinado a favor do voto aberto para a presidência do Senado. Do Val está colhendo a assinatura de colegas.