Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

“Deixar o sacerdócio seria como deixar de seu eu”, diz padre Fábio de Melo sobre largar a batina

Entretenimento

Famosos

“Deixar o sacerdócio seria como deixar de seu eu”, diz padre Fábio de Melo sobre largar a batina


O padre Fábio de Melo desmentiu os boatos de que largaria a batina, mas assumiu que tem pensado em alterar a rotina de shows. As declarações foram feitas em entrevista à revista Quem e que foi publicada no site do veículo, na manhã desta sexta-feira (23).

 (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
“Não penso em largar a batina. Deixar o sacerdócio seria como deixar de ser eu. O que eu disse é que repensava um pouco aquilo em que gira em torno do meu sacerdócio. Estava com uma rotina extremamente exaustiva e não percebia. Nós nos acostumamos com a vida pesada que a gente se impõe, né? E foram 10 anos de trabalho e de cerca de quase 25 shows por mês. Então existe muito deslocamento e isto me trouxe um déficit muito grande. Por isso, tenho pensado, sim, em dar uma pausa neste trabalho com a música sobretudo da estrada, porque me cansa muito, e modificar a maneira que eu lido com a música. Fato este que será muito importante para mim”, exaltou o padre.

Outro tema abordado durante a entrevista é quanto ao fato do padre ser conhecido como uma pessoa bem humorada nas redes sociais. Fábio de Melo reconheceu ser uma pessoa alegre. "Graças a Deus, não tenho alteração de humor, sou alegre até mesmo quando o perrengue está demais. Sempre escolho a via do humor”, disse.

O padre também falou a respeito do incidente ocorrido com o padre Marcelo Rossi, que foi empurrado por uma mulher de cima do altar, durante a celebração de uma missa. Fábio de Melo revelou que tem medo de ser derrubado, já que houve situações em que quase caiu do altar.

“Já morria de medo de ser derrubado, antes mesmo de ter acontecido com o Padre Marcelo, porque já me ocorreram várias situações que quase cai também. Às vezes, as pessoas ficam tão afoitas que sobem no altar não com a intenção de nos derrubar, coitadas. Elas vêm com um movimento brusco sem querer e por isso tenho ficado mais atento sobre tudo, porque celebro muito naquele lugar que o padre foi derrubado. Mas isso acontece com pessoas públicas, elas despertam muitas coisas nas outras pessoas, às vezes boas e outras ruins”, concluiu.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados