Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Deixa falar! Deixa viver!
Tribuna Livre

Deixa falar! Deixa viver!

De acordo com o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a morte no Brasil tem cor, idade, gênero, classe social e nível de escolaridade. Ou seja, quem mais morre por morte violenta no Brasil são os homens negros jovens, pobres e de baixa escolaridade. A taxa de homicídio contra negros cresceu 33,1%, enquanto a de não negros aumentou 3,3%.

E há quem insista em afirmar que vivemos uma democracia racial. Isso não é verdade.

O racismo permeia as relações sociais e se manifesta, de modo geral, sutilmente, nas piadas e brincadeiras.

Esse foi um dos temas pesquisados e debatidos nas aulas de Sociologia em turmas de terceiro ano do Ensino Médio no mês de junho.

Essa aula rendeu muitas reflexões, sobretudo pelas narrativas carregadas de dor e sofrimento dos estudantes ao falar sobre as situações a que já foram expostos, dentro e fora da escola, devido à cor da pele.

Impossível não levar esse debate para a sala de aula, já que é a escola o lugar onde as diferenças se fazem presentes, diariamente, e onde também encontramos relações sociais marcadas pelo preconceito e pela discriminação.

E sendo a escola um espaço pedagógico temos a possibilidade de intervir e contribuir para a desconstrução dos preconceitos.

Uma estudante, emocionada, nos contou sobre o constrangimento que passou em uma loja ao ser seguida o tempo todo por um segurança. A narrativa dessa jovem emocionou a todos. E, segundo outros relatos, essa cena se repete o tempo todo.

Usando exemplos vistos em séries, falaram ainda sobre os cuidados que jovens negros precisam tomar para não serem confundidos com bandidos, já que há no imaginário social uma associação direta entre a negritude e a bandidagem, herança de anos de escravidão (importante lembrar que o Brasil foi o último país a abolir a escravidão, no século XIX).

O racismo também está presente no cotidiano da escola, mas, em muitas situações, é minimizado sob o rótulo de brincadeira e, talvez por isso, seja tão difícil agir em determinadas situações.

A cada vez que identificamos as “brincadeiras”, tentamos conscientizar os estudantes que para ser “brincadeira” é necessário que todas as partes envolvidas estejam se divertindo. Se há quem saia da situação constrangido, triste, humilhado, não é “brincadeira”. É violência e precisa de mediação, intervenção e conscientização.

Nas últimas semanas, percorreu as redes sociais a imagem de um professor da rede privada de ensino fazendo “blackface” (caracterização com estereótipos racistas), mostrando que nós, educadores, também precisamos estar mais atentos à forma como nos colocamos diante dos estudantes e do mundo.

É preciso compreender a dor do outro e agir de forma direta e objetiva contra toda e qualquer forma de violência.

Não podemos, de forma alguma, reforçar preconceitos e estereótipos. Nem com a melhor das intenções. A empatia precisa viver e crescer dentro de nós. Ou seja, não basta não ser racista. É preciso ser antirracista!

Por fim, concluímos que os jovens negros têm muito o que falar. Mas é preciso que a sociedade os deixe falar e os deixe viver!

Fabíola dos Santos Cerqueira é professora de Sociologia da rede estadual da Serra.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Metamorfose profissional e o mercado corporativo

O mercado corporativo está passando por mudanças bruscas nos últimos anos. Com o avanço da tecnologia, as empresas estão se reinventando e procurando novos caminhos e soluções ligadas à transformação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reflexões sobre a Arte atual

As pinturas rupestres ou pré-históricas, reveladas ao público no séc. XIX, foram de início apontadas pelos darwinistas como fraudes dos criacionistas (aqueles que acreditam que animais e plantas …


Exclusivo
Tribuna Livre

A relação entre urbanismo e segurança pública

O que o urbanismo tem a ver com a segurança pública? Para muitas pessoas não existe uma relação entre o urbanismo e a segurança pública, mas veremos que ao contrário do que pensa a maioria das …


Exclusivo
Tribuna Livre

O segredo da pré-campanha está no almoço de domingo

No domingo, como bom genro, decidi fazer um churrasco de agrado à minha sogra. Próximo a nossa casa existe um açougue, entretanto, pego o carro e faço questão de atravessar a cidade para comprar os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Drama na educação superior pública

A lógica perversa imposta pelo governo às universidades públicas está visível para toda a sociedade. A situação financeira dramática da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) é acompanhada com …


Exclusivo
Tribuna Livre

No rumo das boas expectativas

É certo em economia que os agentes econômicos adoram as boas expectativas e detestam as incertezas quanto ao futuro. Empresários de todas as áreas ficam sempre atentos quando se fala de aquecimento …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados