search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Deixa falar! Deixa viver!
Tribuna Livre

Deixa falar! Deixa viver!

De acordo com o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a morte no Brasil tem cor, idade, gênero, classe social e nível de escolaridade. Ou seja, quem mais morre por morte violenta no Brasil são os homens negros jovens, pobres e de baixa escolaridade. A taxa de homicídio contra negros cresceu 33,1%, enquanto a de não negros aumentou 3,3%.

E há quem insista em afirmar que vivemos uma democracia racial. Isso não é verdade.

O racismo permeia as relações sociais e se manifesta, de modo geral, sutilmente, nas piadas e brincadeiras.

Esse foi um dos temas pesquisados e debatidos nas aulas de Sociologia em turmas de terceiro ano do Ensino Médio no mês de junho.

Essa aula rendeu muitas reflexões, sobretudo pelas narrativas carregadas de dor e sofrimento dos estudantes ao falar sobre as situações a que já foram expostos, dentro e fora da escola, devido à cor da pele.

Impossível não levar esse debate para a sala de aula, já que é a escola o lugar onde as diferenças se fazem presentes, diariamente, e onde também encontramos relações sociais marcadas pelo preconceito e pela discriminação.

E sendo a escola um espaço pedagógico temos a possibilidade de intervir e contribuir para a desconstrução dos preconceitos.

Uma estudante, emocionada, nos contou sobre o constrangimento que passou em uma loja ao ser seguida o tempo todo por um segurança. A narrativa dessa jovem emocionou a todos. E, segundo outros relatos, essa cena se repete o tempo todo.

Usando exemplos vistos em séries, falaram ainda sobre os cuidados que jovens negros precisam tomar para não serem confundidos com bandidos, já que há no imaginário social uma associação direta entre a negritude e a bandidagem, herança de anos de escravidão (importante lembrar que o Brasil foi o último país a abolir a escravidão, no século XIX).

O racismo também está presente no cotidiano da escola, mas, em muitas situações, é minimizado sob o rótulo de brincadeira e, talvez por isso, seja tão difícil agir em determinadas situações.

A cada vez que identificamos as “brincadeiras”, tentamos conscientizar os estudantes que para ser “brincadeira” é necessário que todas as partes envolvidas estejam se divertindo. Se há quem saia da situação constrangido, triste, humilhado, não é “brincadeira”. É violência e precisa de mediação, intervenção e conscientização.

Nas últimas semanas, percorreu as redes sociais a imagem de um professor da rede privada de ensino fazendo “blackface” (caracterização com estereótipos racistas), mostrando que nós, educadores, também precisamos estar mais atentos à forma como nos colocamos diante dos estudantes e do mundo.

É preciso compreender a dor do outro e agir de forma direta e objetiva contra toda e qualquer forma de violência.

Não podemos, de forma alguma, reforçar preconceitos e estereótipos. Nem com a melhor das intenções. A empatia precisa viver e crescer dentro de nós. Ou seja, não basta não ser racista. É preciso ser antirracista!

Por fim, concluímos que os jovens negros têm muito o que falar. Mas é preciso que a sociedade os deixe falar e os deixe viver!

Fabíola dos Santos Cerqueira é professora de Sociologia da rede estadual da Serra.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Tempos atuais caminham para a fusão entre Igreja e Estado

Os brasileiros, em geral, são de uma cultura que dá pouca atenção à história. Há 128 anos, a República brasileira foi implantada separando Igreja e Estado. Porém, a questão da relação entre Religião …


Exclusivo
Tribuna Livre

O custo socioeconômico da “imobilidade” urbana no Brasil

Um estudo realizado pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) mostra que o custo socioeconômico da “imobilidade” urbana no Brasil cresceu 7% em um ano e se aproxima de meio trilhão de …


Exclusivo
Tribuna Livre

A engenharia muda o mundo e está em tudo o que nos cerca

Com o ritmo acelerado da vida contemporânea, quase nunca nos sobra tempo para refletir sobre o mundo a nossa volta. Mas, se pararmos para pensar, concluímos que a engenharia está em tudo o que nos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Ineditismo e vanguarda: o Marco Regulatório das Startups

Foi publicada, no último dia 26 de novembro, a Lei Complementar Estadual nº 929/2019, de iniciativa do Governador do Estado, que institui instrumentos e procedimentos para o fomento às parcerias …


Exclusivo
Tribuna Livre

Sábio é quem aprende com a experiência alheia

Na semana passada, tivemos por aqui, nos Estados Unidos, a celebração do famoso feriado de Thanksgiving (Dia de Ação de Graças, destinado a agradecer a Deus os bons acontecimentos do ano). Aproveitam…


Exclusivo
Cidades Tribuna Livre

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos

Todos querem viver numa cidade que ofereça uma boa qualidade de vida. Para tanto, faz-se necessário compreendermos a “mobilidade peatonal”, reconhecendo os pedestres nos planejamentos estratégicos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Por que o Tribunal de Contas deu certo

O Tribunal de Contas do Espírito Santo completou 62 anos de existência em 2019. Por desairosa que seja, a verdade é que, ao longo do tempo, consumiu imensos recursos públicos em ajustes políticos que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Os jogos precisam ser legalizados no Brasil

O ano era 1946. No dia 30 de abril, foi publicado o Decreto Lei 9215 que proibiu os (erroneamente) denominados jogos de azar. Os fundamentos da proibição? Que a repressão aos jogos de azar é um …


Exclusivo
Tribuna Livre

O ônus do Judiciário e o Legislativo que joga para a plateia

Não é a primeira vez, e certamente não será a última, que vivenciamos certas articulações, no núcleo do poder, com o objetivo, simplesmente, de tentar limpar imagens manchadas e acalmar os ânimos da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Comer bem para viver bem

Mesmo antes das muitas descobertas científicas que revolucionaram o entendimento sobre o funcionamento do corpo humano; a correlação entre alimentação, atividades físicas e condições de saúde já era …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados