Déficit fiscal traz dor de cabeça para o novo governo

O ano de 2019 inicia cercado de expectativas em relação à gestão do novo presidente da República e sua equipe. O Brasil vive uma situação fiscal dramática e, para este ano, o déficit previsto no Orçamento da União é de aproximadamente R$ 140 bilhões.

O déficit de um país é o reflexo de que ele gasta mais do que arrecada. Para quitar o saldo negativo, o governo precisa tomar uma série de medidas, como cortar despesas, elevar a carga tributária e até emitir títulos públicos, que são comprados por investidores do mercado financeiro – uma espécie de “empréstimo” para o governo, em troca de pagamento de juros. Esses títulos são um dos componentes da dívida pública brasileira.

Quando as despesas do governo superam as suas receitas não sobra dinheiro para fazer investimentos nos diversos setores da economia e cria-se um grande obstáculo para o país alcançar o crescimento econômico com geração de emprego e renda.

Além disso, manter as contas públicas em ordem é um indicador para o mercado de que o governo tem condições de quitar as suas dívidas.

Foi justamente o elevado grau de endividamento público que tirou do Brasil o selo de bom pagador, conhecido como “grau de investimento”, concedido pelas agências de classificação de risco internacionais.

A carga tributária e a dívida pública (bruta) brasileira encontram-se em patamares bastante elevados. Segundo dados do Banco Central do Brasil, no final de 2018 alcançaram 32% e 77% do PIB, respectivamente.

Sinalizando claramente que não seria prudente elevar ainda mais essas duas variáveis, a alternativa da equipe econômica seria executar uma redução significativa nos gastos públicos.
Para isso, a reforma da Previdência é um elemento crucial para alcançar esse objetivo.

Sem a aprovação das reformas estruturantes, como a da Previdência, por exemplo, dificilmente iremos conseguir alcançar o equilíbrio fiscal, manter as taxas de risco e câmbio em patamares razoáveis, e preparar o ambiente para um ciclo de recuperação da economia.

No discurso de posse do ministro da Economia, Paulo Guedes, foram elencados os três pilares na área econômica que o governo irá trabalhar: reforma da Previdência, unificação de impostos e as privatizações.

Foi um passo importante, entretanto, falta avançar ainda mais, apresentando propostas detalhadas de cada um dos pilares, indicando os impactos financeiros e como serão afetados os setores e os agentes econômicos que integram a economia brasileira.

Vale ressaltar que o novo governo deve aproveitar o momento favorável para tentar aprovar as referidas reformas.

Segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), 72% dos entrevistados estão otimistas com o cenário econômico de 2019, e 72% acreditam que sua vida financeira será melhor.

Esses indicadores são convergentes com os resultados da pesquisa do Instituto Datafolha, indicando que para 65% dos brasileiros o atual presidente fará um governo ótimo ou bom.

Mesmo assim, não será uma tarefa fácil colocar o País nos trilhos do crescimento econômico e os desafios exigirão muita habilidade e competência do Presidente e de sua equipe. Caso contrário, o cenário econômico irá se deteriorar rapidamente e assistiremos o retorno da incerteza.

Ricardo Paixão é presidente do Conselho Regional de Economia do Espírito Santo (Corecon-ES)


últimas dessa coluna


Mudanças sociais também aceleram o sofrimento humano

Mudanças nos contextos sociais, políticos, culturais e econômicos, ocorridas no mundo desde o século XIX e que se fortaleceram durante o século passado, trouxeram transformações relevantes para a …


Cláusula de desempenho ajuda, mas ainda não resolve tudo

A Emenda Constitucional nº 97 veio a combater um dos maiores males de nossa democracia: o pluripartidarismo desenfreado. No Brasil, atualmente, existem 35 partidos políticos registrados no Tribunal …


Aposentadoria por tempo de contribuição com os dias contados

O novo texto da reforma da Previdência está sendo lapidado pela nova equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro. Nos bastidores, estão vazando uma série de alternativas que estão sendo ventiladas …


Pintura não é apenas obra de arte, é uma obra para a arte

Nossos ancestrais de mais de 3 milhões de anos não se interessavam por arte. Viviam nas florestas da África saltando de galho em galho. Nossos retataravós, os australopitecus, mudaram da floresta …


Mais de 22 milhões de bagagens extraviadas por ano no mundo

Dentre as diversas expectativas para o ano que está começando, os analistas econômicos convergem num ponto: haverá considerável crescimento econômico no Brasil. O aquecimento da economia já está em …


Mercado de crédito digital é visto como grande negócio

Historicamente, a tomada de crédito sempre foi relacionada aos bancos tradicionais, o que acabava limitando o acesso a empréstimos por grande parte da população que, de alguma forma, não era …


RH digital: novas tecnologias na área de gestão de pessoas

O setor de Recursos Humanos (RH) está vivendo uma transformação sem limites graças às novas tecnologias e também à chegada das novas gerações ao mercado de trabalho. Como consequência, o relacionamen…


Linguagem não verbal dos profissionais bem-sucedidos

Como você é percebido ou gostaria de ser notado durante as suas conversas, reuniões, entrevistas e uma infinidade de atividades que exigem o ato de se comunicar bem? Embora a resposta possa …


Camata: sabedoria para governar no presente e pensar no futuro

Em 1983, Gerson Camata assumia o governo do Espírito Santo. Uma carreira política, já vitoriosa, se constituiria, a partir de então, como um marco da história política capixaba, e que se seguiria com …


Justiça do Trabalho: essencial para o País

Ano de 2004 – o leilão do maquinário da Braspérola rende 7,5 milhões de reais, que pagam os direitos de 889 empregados da antiga indústria têxtil; 2013 – o Tribunal Regional do Trabalho, em …