search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Dê um tempo para um osso quebrado
Doutor João Responde

Dê um tempo para um osso quebrado

“Em quanto tempo minha fratura estará consolidada?” Certamente esta é uma pergunta muito comum na ortopedia, mas que não pode ser respondida de uma única maneira.

Fraturas em crianças têm potencial de remodelação óssea maior do que em adultos e em idosos, além de possuírem metabolismo mais acelerado, o que de maneira geral pode apressar a consolidação. Além disso, os ossos são menores e isso também torna o processo mais rápido.

Em casos de fratura exposta, o osso fraturado se expõe para fora da pele. Caso esteja associado à perda de músculos, de vasos sanguíneos, de pele e até de parte do osso, facilita o aparecimento de processo infeccioso, retardando a consolidação óssea.

Para que haja formação da ponte óssea entre as extremidades fraturadas, estas devem estar próximas e bem alinhadas. Se os ossos estiverem desalinhados ou não houver bom contato, pode gerar consolidação inadequada ou uma não remodelação do osso.

A calcificação óssea requer a utilização de energia e nutrientes. Pacientes debilitados ou com alterações metabólicas terão maior dificuldade para resolução de um osso fraturado.

Estes são apenas alguns fatores que definem o tempo de tratamento de uma fratura, lembrando que o processo de consolidação óssea é um processo biológico, de intenso metabolismo.

Fratura óssea é a perda da continuidade de um osso, que o divide em dois ou mais fragmentos. São acontecimentos muito frequentes. Algumas fraturas são tão simples que nem chegam a ser percebidas ou resolvem-se espontaneamente, mas outras podem ser tão graves que acarretam risco de morte.

Fraturas podem ocorrer aleatoriamente a todas as pessoas, embora haja uma maior incidência em certos grupos específicos, como em mulheres após a menopausa, em função da osteoporose, e em idosos, devido ao maior número de quedas e à fragilidade óssea e muscular que ocorrem na terceira idade.

Os traumatismos que incidem sobre os ossos com forças superiores à sua capacidade de deformação são as causas mais frequentes de fraturas. Isso acontece, sobretudo, em quedas, pancadas e acidentes, mas há também fraturas que ocorrem devido a impactos mínimos ou até espontaneamente, chamadas fraturas patológicas, as quais se devem a um anormal enfraquecimento dos ossos, como acontece em cânceres, por exemplo.

Ossos quebrados provocam dores, edemas, incapacidade total ou parcial de movimentos, deformidades e posturas anormais, hematomas, lesões cutâneas, infecções, etc.

Existe uma grande variedade de fraturas. Elas podem ser múltiplas ou únicas, por encurtamento muscular violento ou por torção, completas ou incompletas, oblíquas, epifisárias, fechadas ou abertas, entre outras.

Costuma-se chamar de politraumatizado ao paciente que tenha sofrido, ao mesmo tempo, várias fraturas num mesmo ou em diversos ossos. Fraturas cominutivas são aquelas em que o osso se parte em vários pequenos fragmentos.

Fraturas podem culminar com complicações, considerando que a imobilização de um membro fraturado motiva a perda mineral do osso e, caso seja nos membros inferiores, há uma tendência à formação de trombos.

Fraturas expostas podem provocar infecções ósseas graves devido à baixa irrigação sanguínea e escassez de células vivas nos ossos.

Em situações de fratura, é importante tomar algumas precauções para não ocorrer piora no traumatismo, tais como: não movimentar o membro lesionado, não tentar colocar possíveis fragmentos de osso expostos para dentro, não provocar compressões sobre o local e não tentar recolocar o osso no lugar.

Cicatrizar uma fratura é utilizar o trabalho de repouso, reconciliando aquilo que a carne quer com aquilo que o osso pode.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Coçar nem sempre cessa coceira

O nome “Jussara” vem da palavra tupi que significa “coceira”, sendo usada para designar os espinhos de uma palmeira que os índios utilizavam como agulhas para tecer. O pó que saía …


Exclusivo
Doutor João Responde

Flatulência e arroto

O pudor é uma vigilante virtude. Apesar disso, liberar flatos e arrotos é um hábito saudável. Os distúrbios relacionados com o conteúdo de gás no tubo digestivo são frequentes em consultórios de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nó na garganta nem sempre tem uma causa emocional

Lágrimas escorrendo sobre os olhos, olhar disperso e um coração silencioso, amarrando as palavras com as cordas vocais, apertando o nó na garganta. Angústia e angina derivam de “angere”, que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Divertículo de Meckel, o inimigo que derrotou Tancredo Neves

Cansado dos sucessivos governos militares, eu também ansiava por um presidente civil, ainda que indicado por meio de eleição indireta, como aconteceu com o mineiro Tancredo de Almeida Neves. Na …


Exclusivo
Doutor João Responde

A embaraçosa urina solta

Semana passada eu atendi uma senhora acometida por incômoda incontinência urinária. Este sintoma se mostra tão constrangedor que a paciente fez um longo rodeio, antes de abordar a referida queixa. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Síndrome do ombro congelado

Esperando que o tempo lhe devolva a atividade, um braço repousando na tipoia nos ensina a vital importância de cada pedacinho do corpo. Se, durante a noite, fazemos um movimento descuidado dentro do …


Exclusivo
Doutor João Responde

A torturante insônia

Quem tem insônia não dorme e nem acorda de verdade. Com ruminantes pensamentos, noites de insônia tornam cansado o amanhecer. Tentando me concentrar, rolo na cama de um lado para o outro, e nada do …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pombos podem transmitir doenças

Embora pareçam indefesos e frágeis, os pombos urbanos são transmissores de doenças. Isto ocorre, não por que eles querem; muito pelo contrário, na verdade os pombos se contaminam e depois acabam …


Exclusivo
Doutor João Responde

Os cuidados necessários com o pé diabético

Abençoados pés, que nos apoiam e nos levam de um lado para o outro. Dependemos deles para não dependermos de ninguém para caminhar. São os pés que nos ligam a terra, simbolizando suporte, absorvendo …


Exclusivo
Doutor João Responde

A importante cera do ouvido

“Fazer cera” significa demorar de forma proposital para realizar alguma coisa que já poderia ter sido feita. Talvez por isso, a palavra “sincera” significa “sem cera”. Todavia, em se tratando do …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados