Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Cortem-lhe a cabeça!
Tribuna Livre

Cortem-lhe a cabeça!

A rainha louca de Alice no País das Maravilhas ficou famosa com a frase que intitula essa reflexão: "Cortem a cabeça dele, cortem a cabeça dele", ordenava aos súditos, apontando para todos que a contrariavam. Afinal, o que a Rainha de Copas pode ensinar sobre nós mesmos? Ele é diferente de mim? Horrível... Votou em outra pessoa? Ignoro.. Gosta de azul? Eu odeio, prefiro rosa... não converso mais.

Nestes tempos marcados pela intolerância, será que não estamos simbolicamente "cortando a cabeça" de várias pessoas que pensam diferente de nós todos os dias? O simples fato de pensar diferente ou contrariar a opinião do outro não pode nos levar à indiferença, ignorância ou até mesmo ao ar de superioridade face a opinião alheia. O bom interlocutor deve aproveitar a discordância para entender o outro, enriquecendo assim o debate de ideias.

Não se pode confundir opinião contrária de ideias com incentivo ou até mesmo prática de crimes, o que inviabiliza o debate. Alguns povos primitivos tinham efetivamente o costume de cortar a cabeça de seus inimigos; ostentavam em praça pública como um troféu da vitória, um símbolo de poder e prestígio que, sem dúvida alguma, aterrorizava os adversários.

Ainda hoje, em locais menos evoluídos a prática do terrorismo e da decapitação é existente. Mas a situação não se admite em hipótese alguma onde impera o Estado de Direito, onde funcionam os órgãos policiais, Legislativo, Judiciário e Ministério Público. No Brasil, em que pese não existir pena de morte, ocorreram alguns erros judiciários históricos, como o "Caso dos irmãos Naves", ocorrido em Minas Gerais, onde dois irmãos foram presos, acusados e julgados por um assassinato que nunca ocorreu. Prova disto? O "morto" apareceu "vivo" para visitar os irmãos já condenados e trancafiados no sistema penitenciário brasileiro. É preciso que se admita que vivemos um sistema passível de erros.

A falácia vigente no Brasil de que "bandido bom é bandido morto" é tentadora nos dias atuais, onde o descrédito da sociedade nas Instituições cresce em sentimentos visíveis, e no "engajamento do discurso do ódio". Entretanto, a história nos ensina que o ódio nunca foi solução para nada. Afinal, qual solução o discurso do ódio traz além de um belo palanque para os que querem fazer uso dessa fala? A Alemanha se orgulha de seu histórico nazista? A África da sua história escravocrata? E qual País tem orgulho da ditadura em seu histórico existencial?

Até mesmo a turba que vocifera ódio pode se ver confrontada a repensar suas escolhas, quando se vê vítima de alguma espécie de injustiça, pois elas existem e estão espalhadas por aí, muitas vezes perto de todos. Não se pode confundir o discurso de preservação de direitos fundamentais, defesa das leis e da Constituição Federal com a impunidade, sendo certo que toda natureza de crime necessita de investigação apurada, julgamento e execução das penas em face dos condenados, sem qualquer espécie de impunidade ou acobertamento daqueles que por algum motivo não conseguem viver em sociedade.

Talvez não se tenha nenhuma "fórmula mágica" imediata que solucione a violência que nos cerca, mas, sem dúvida alguma, ela passa pelo resgate da crença da sociedade nos Poderes Instituídos. Existe um oceano de diferença entre discordar e enveredar para a barbárie dos "justiçamentos" incentivados por discurso de ódio. Todos os cidadãos precisam estar sob a égide da Lei e da Constituição, mormente aqueles que vestem farda, terno ou toga.

José Carlos Rizk Filho é advogado, professor e presidente da OAB-ES.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A tecnologia é capaz de unir as famílias?

A geração dos nativos digitais já vem com o know how tecnológico como item de fábrica. Muitos estudos indicam que até a agilidade que as crianças de hoje possuem nos dedos é maior do que nós jamais …


Exclusivo
Tribuna Livre

A eficiência policial através dos números

Muito se discute, quase sempre de maneira extremamente superficial, a eficiência das forças públicas de segurança em nosso País. O debate traz a reboque questões de formação, qualificação e desvios …


Exclusivo
Tribuna Livre

O professor, o seu papel e as mudanças nos dias atuais

A docência é mais que uma profissão, é uma vocação: é um sacerdócio. O profissional da educação sabe que sua missão vai além de “educar a criança no caminho em que deve andar...”, mas de contribuir …


Exclusivo
Tribuna Livre

Elogio é uma carícia que se faz na alma

Elogie uma pessoa com absoluta sinceridade e perceba o que acontece diante de você. Imediatamente ela muda o ritmo da respiração e solta um sorriso, acompanhado de um leve suspiro. Esse é um claro …


Exclusivo
Tribuna Livre

Considerações sobre a Lava a Jato

Ultimamente temos presenciado um Brasil marcado por uma radical polarização. As duas últimas eleições presidenciais serviram para acirrar ainda mais a divisão do país, deixando clara a existência de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Partidos políticos: máquinas de triturar mulheres

Nas eleições presidenciais do ano passado. Dentre 13 candidatos, havia apenas uma mulher na disputa direta pela Presidência da Republica, a ex-deputada federal Marina Silva (Rede), que saiu da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Uma lei para conter abusos

Será que realmente é necessário existir um dispositivo legal obrigando o servidor público a atender um cidadão? Ora, não é o servidor público um trabalhador cuja a sua existência e função principal …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercantilização do ensino e trabalho docente

Este é um momento propício para se abordar a expansão desordenada do ensino superior privado brasileiro e suas implicações nas políticas curriculares, bem como no cotidiano do trabalho docente. …


Exclusivo
Tribuna Livre

O novo papel da escola no universo dos nativos digitais

Vivemos o boom da evolução tecnológica. Possibilidades se apresentam e novos caminhos são trilhados. As facilidades se mostram e se conectam em apenas um clique, principalmente nos últimos 20 anos. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Universidade 2020 e a batuta feminina

Prezados leitores, lembro-me que na infância ajudando meu pai em sua mercearia, um dos frequentadores do vício da bebida teve um ataque cardíaco fulminante. Dias depois apareceu no estabelecimento a …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados