Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Cooperativas fazem sucesso

Especial Tendências

Cooperativas fazem sucesso


Pedro Scarpi, presidente da OCB-ES (Foto: Divulgação)
Pedro Scarpi, presidente da OCB-ES (Foto: Divulgação)

A sabedoria popular ensina que a união faz a força. Mas, quando o assunto é cooperativismo, a união também cria novos negócios, divide oportunidades, reduz custos e ainda dá lucro. No Espírito Santo, em 2017, o faturamento das cooperativas foi de R$ 5,3 bilhões. Esses dados foram divulgados pela Organização das Cooperativas Brasileiras do Espírito Santo (OCB/ES), que comemora os resultados e o crescimento do cooperativismo capixaba.

As muitas conquistas e a satisfação dos envolvidos – cerca de 350 mil cooperados em 125 cooperativas de acordo com a OCB-ES – fazem das cooperativas uma tendência para o desenvolvimento econômico e social.
As cooperativas atuam como empresas e seus associados são “donos” com direito à participação nos lucros.

As decisões acontecem da forma mais democrática possível, através do voto nas assembleias.
O presidente da OCB-ES, Pedro Scarpi, explica que para serem cada vez mais competitivas nas disputas de mercados, as cooperativas investem em gestões arrojadas, tecnologias inovadoras, além de capacitação profissional e técnica. “Assim elas conseguem oferecer produtos e serviços de qualidade”.

Para isso, contam com o apoio da OCB, que oferece serviços de consultoria nas áreas contábil, jurídica, técnica, empresarial, entre outras. As cooperativas também têm à disposição o Serviço Nacional de Aprendizagem Cooperativista (Sescoop), um dos braços do Sistema S, que em 2017 beneficiou 90 mil cooperados capixabas.

Este ano será inaugurada a nova sede da entidade com mais estrutura para promoção de cursos e eventos. Para se ter uma ideia, a atual sede tem 280m2, enquanto as novas instalações, na Reta da Penha, terão 900m2.

“O novo espaço é fruto da confiança depositada pelas cooperativas ao longo dos anos no Sistema OCB -ES”, afirma Pedro Scarpi. “Como entidade representativa, a OCB tem uma atuação política junto aos parlamentares e ao governo, sugerindo propostas, orientando e fiscalizando os interesses do segmento e da economia do Brasil”, comenta Scarpi.

Os cooperados também apostam no crescimento e nos projetos de suas cooperativas e da OCB. A professora Fernanda Caetano Miertschink, da Cooperativa Educacional Centro Serrana, de Santa Maria de Jetibá, diz que os resultados favorecem pais, alunos e professores através de uma educação que, além das disciplinas convencionais, inclui valores.

Coopeavi e Veneza são unificadas

O Espírito Santo é o 2º no ranking nacional na produção de ovos (Foto: Divulgação)
O Espírito Santo é o 2º no ranking nacional na produção de ovos (Foto: Divulgação)

O cooperativismo que reúne tantas pessoas com objetivos em comum agora também une cooperativas, uma tendência em alta nesse mercado especializado em agregar. E quando a união se dá entre as grandes dos seus setores a parceria ganha ainda mais destaque, como aconteceu com a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) que incorporou a Veneza, em fevereiro deste ano.

Com a união, o quadro social saltou para cerca de 15 mil cooperados, tornando-se a maior cooperativa agropecuária do Estado. A aproximação de produtores de ovos – o Espírito Santo é o 2º no ranking nacional – com o setor de laticínios capixaba, que tem 46% do leite e derivados comercializados por cooperativas, já aponta bons negócios pela frente e a previsão de faturamento para 2019 é superior a meio bilhão de reais.

A cooperada da Veneza, Fernanda Zavarise, vê ótimas perspectivas para essa associação, principalmente porque os dois segmentos são sujeitos a condições sazonais e climáticas. “Os produtores de laticínios sofreram muito com a crise hídrica de 2016 e 2017. A fusão pode oferecer alternativas para esses períodos”, avalia a jovem que participa dos núcleos jovem e feminino das cooperativas.

O vice-presidente da Coopeavi, Denilson Potratz, fala de outras possibilidades de negócios como a participação dos produtores de leite em um condomínio avícola da Coopeavi. “A Coopeavi vai se tornar mais forte porque vai diversificar os seus negócios, o que é bom para o mercado. Vamos produzir mais ração e agregar mais valor ao produto lácteo. Isso é importante para diminuir o ciclo financeiro”, destacou Denilson Potratz.

O presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras do Espírito Santo (OCB/ES), Pedro Scarpi, acredita que mais fusões podem acontecer entre outras cooperativas do Estado e que esse tipo de associação tem grande potencial. “A OCB-ES está sempre à disposição para orientar nesse sentido, tanto no caso de fusões quanto para a criação de novas cooperativas ”, afirmou o presidente da OCB-ES.

Saiba mais

O cooperativismo se desenvolveu no Espírito Santo, em grande parte, com a força dos produtores de leite e café (Foto: Divulgação)
O cooperativismo se desenvolveu no Espírito Santo, em grande parte, com a força dos produtores de leite e café (Foto: Divulgação)

Serviços OCB-ES

  • A Organização das Cooperativas oferece serviços contábil/tributário, jurídico/sindical, comunicação, financeiro, desenvolvimento, promoção e formação logística e TI.
  • Ramos do cooperativismo no Espírito Santo: agropecuária, consumo, crédito, educacional, habitacional, produção, trabalho, transporte e saúde.
  • Onde fica: av. Marechal Mascarenhas de Moraes, 2.501, Bento Ferreira, Vitória.
  • Nova sede: av. Nossa Senhora da Penha, 1.477, Santa Lúcia, Vitória.
  • Telefone: (27) 2125-3200.
  • Site: www.ocbes.com.br

leia mais / especial tendências


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados