Considerações sobre a ideia de nação

O termo nação adquiriu importância significativa em meados do século XVIII por meio da obra de Johann Gottfried von Herder (1744-1803) e suas críticas ao cosmopolitismo e universalismo amplamente difundidos pelo Iluminismo.

De fato, Herder é considerado o precursor do nacionalismo cultural, isto é, a ideia segundo a qual a nação é a personificação de uma cultura única e um modo de vida original, dotado, no entanto, de existência objetiva acima dos interesses particulares dos seus membros e da situação jurídico-territorial vigente.

Em seu entendimento, a nação seria uma unidade orgânica, cultural e linguística que manteria unidos os diferentes indivíduos não somente por meio de ideias, inclinações e modos de vida comuns, mas também por meio de leis e instituições transmitidas às outras gerações por intermédio da linguagem, dos hábitos e da educação, dando-lhes sua forma específica e plural. Em Herder, todavia, o sentimento nacional não era um fenômeno político, pois ele reprovava qualquer forma de dominação cultural de um povo sobre outro.

Por outro lado, a ideia de nacionalismo político relaciona-se à obra de Johann Gottlieb Fichte (1762-1814), o grande filósofo alemão que, após assistir perplexo à invasão da Prússia pelas tropas napoleônicas, escreveu os Discursos à Nação Alemã (1808).

Decerto, o tema central dos Discursos é a educação nacional (National-Erziehung), a qual visa “formar indivíduos autônomos, independentes e autossuficientes; fundamentalmente determinados e capazes de fazer a coisa certa de forma resoluta e espontânea, sem hesitar e sem qualquer expectativa de recompensa material ou cálculos utilitários”, pois, para Fichte, a causa da catástrofe militar de seu país localizava-se no egoísmo e na aspiração de seus conterrâneos somente àquilo que é aprazível segundo critérios de bem-estar, ainda que em prejuízo de toda a comunidade.

O modelo educacional de Fichte influenciou particularmente o Ministro Wilhelm Humboldt (1767-1835), que deu início à completa reconstrução de todo o sistema de ensino alemão. Seus escritos foram, posteriormente, usados com fins políticos para fundamentar a edificação do novo império sob a regência do Chanceler Bismarck.

Em meados do século XIX, ganha relevo outro tipo de nacionalismo, o qual decorre da percepção do atraso econômico e do desejo de uma economia moderna. A esse respeito, cumpre ressaltar ter sido Friedrich List (1789-1846) um dos primeiros eruditos a associar o retardo econômico à ausência de unidade nacional. List acreditava que as nações encontram-se em diferentes níveis de desenvolvimento. Por isso, indicava como melhor política assegurar à indústria nacional posição dominante no mercado interno.

Isso aumentaria a concorrência entre os fabricantes, ao passo que a competitividade elevaria a produtividade, forçando a queda progressiva do preço dos bens manufaturados.

Quando a manufatura autóctone tiver alcançado posição dominante no mercado nacional, não faz mais sentido manter elevadas as tarifas, podendo-se reduzi-las à escala favorável ao livre comércio.

Dos ensinamentos da História, depreende-se, pois, que a ideia de nação tem sido, na prática, um conceito funcional, uma vez que tem servido a propósitos diversos, sejam eles culturais, políticos ou econômicos.

Flávio Santos Oliveira é doutor em História pela Ufes


últimas dessa coluna


Quem cuida do cuidador?

Vemos, na prática clínica atual, um aumento sustentado na incidência de doenças crônicas incapacitantes que, majoritariamente, são agravadas pelos processos disfuncionais envolvidos no envelhecimento …


Reforma da Previdência é um debate atrasado

Para trazer ao debate questões de ordem demográfica e social, verificamos que nos anos 60, a razão de trabalhadores da ativa versus aposentados era 12 para 1. Em 2000, esta proporção caiu para …


O sentido da vida

Passadas as férias, findo o Carnaval, a agenda do ano novo entra de vez no cotidiano de 2019. Assim, temos como que um replay da questão que sempre marca as viradas: o que faremos do ano que se …


Multipropriedade imobiliária: inovação no registro de imóveis

Tudo o que é novidade gera dúvidas: as maiores inovações vêm carregadas delas. As pessoas questionam, ficam curiosas, pesquisam, se informam e no final colocam tudo na balança para pesar o que vale …


Tragédia em Suzano: fuja do discurso raso!

Diante da recente tragédia ocorrida em uma escola de Suzano (SP), que ceifou vidas e marcou indelevelmente famílias e amigos, a sociedade volta a se perguntar o que pode levar uma pessoa a cometer …


Doutrinação nas escolas vai além de um cabo de guerra político

O período da história do Brasil, que se estendeu da proclamação da República em 15 de novembro de 1889 até o golpe de 1930, liderado por Getúlio Vargas, faz de suas ações um eixo explicativo para …


O homem criminoso e as agressões contra mulheres

A visão da sociedade ainda é muito ingrata com as mulheres, séculos de discriminação e desrespeito não são facilmente apagadas do nosso cotidiano, mas o empoderamento feminino, que é a luta pelo …


Tecnologia ajuda a transformar os motoristas e o trânsito

Mapas atualizados em tempo real, aluguel de bikes, motoristas de aplicativo e até cursos exigidos pelos Departamentos Estaduais de Trânsito, como o de reciclagem para recuperação de Carteira Nacional …


Como se livrar das dívidas? Não é tarefa fácil, mas há luz no túnel

Estamos em março e as famílias sentem no bolso o peso das contas, como material escolar, rematrícula, IPVA, IPTU, Imposto de Renda e por aí vai. Quem dirá, para quem já carrega os débitos antigos. …


Mulher, a equilibrista

Era ainda menina e sonhava em construir a minha família. Igualmente me motivava construir uma carreira em que eu pudesse fazer a diferença na vida das pessoas. Meu avô me ensinou ainda criança que …