search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Como pedir desculpas
Claudia Matarazzo
Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo


Como pedir desculpas

Final de ano é uma época de confraternização: de encontros, reencontros e, para muita gente, de acertos de mal-entendidos quando as pessoas pedem perdão e perdoam ofensas recebidas. Ou não.

Sim, pois tem gente que é craque em se fazer entender em um segundo e nunca passa dos limites ou ofende os outros.

Já o oposto, infelizmente, anda cada vez mais frequente: todo mundo se acha no direito de ser sincero – e sem muita delicadeza, pois é o estilo corrente.

No entanto, com o passar do tempo, e baixada a poeira, percebe-se que um pedido de desculpas é essencial e pode ser eficiente para retomar, seja a amizade ou mesmo o relacionamento profissional com a outra pessoa.

É nesse momento que a forma faz diferença. Um pedido de desculpas sincero, e feito no momento certo, funciona realmente.

Mas há maneiras de se fazer isso que, em vez de melhorar, pioram muito a situação.
Veja só como não cair nessa armadilha.

“Desculpe, mas” – Usar o “mas” não rola. Já fica claro que você não está convencido de suas desculpas.

O “ mas”, em geral, anula o efeito de tudo o que vem antes dele.

“Eu sinto muito se você se sente (ou pensa) assim” – Esse tipo de frase é como colocar a “culpa” do que está errado no outro.

É como se ele é que estivesse errado; e você, certo.

Acredite, isso só piora a situação, pois faz você parecer convencido e condescendente.
Quando nós estamos muito ofendidos e/ou fragilizados com algo, nada pior do que esse tipo de atitude.

“Ok, desculpe! Vamos seguir em frente agora” – Além de grosseiro, a pressa em seguir em frente mostra claramente que você não está nem aí, e só quer formalizar as desculpas.

Mostra também que não se importa a mínima com o que sente a outra pessoa.

“Fulano disse que era para eu pedir desculpas, então...” – Esse, então, é o fim do mundo! Em geral, é um pedido muito pouco convincente, além de deixar claro que você não pediria desculpas se não fosse o amigo em questão ter praticamente obrigado você a isso.

Quando pedir desculpas – De maneira geral, sempre que você achar que errou ou ofendeu alguém.
Se for algo leve, como uma gafe, por exemplo, faça isso discretamente no mesmo momento. E pronto.

Há situações mais delicadas. Essas exigem que se escolha um momento propício.
Se esse momento não se apresentar naturalmente, procure a pessoa. Vale até áudio de voz, tá?

Em público – Se estiver em uma roda de pessoas, faça isso de forma clara, para que, além da pessoa ofendida, todos entendam que você se desculpou.

Isso faz diferença para quem foi ofendido – e demonstra a sua capacidade de reconhecer erros, o que não é pouco.

Em particular – Muitas vezes, é mais fácil puxar a pessoa de lado e pedir desculpas. Beleza.
Já em outras ocasiões, é preciso procurar a pessoa especialmente para isso. O quanto antes melhor, claro.

Mas, ainda assim, o fato de ter passado um tempo da eventual ofensa, não justifica que ela se perpetue.

Procure sim, marque um encontro (de preferência em um local confortável para a outra pessoa) e explique o motivo do encontro de coração aberto.

Em geral, desculpas são bem recebidas. Se forem sinceras e o outro não se sensibilizar, paciência. Você terá feito a sua parte.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Um futuro nem tão ambicioso

Vamos falar do futuro. O futuro que, agora percebemos, foi subitamente sabotado – e está, neste exato momento, sendo repensado, ressignificado, reinventado, e uma porção de outros “res” que nos …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Lições da pandemia

Não vamos falar da finitude, de nossos medos, nem da angústia de ver nossas vidas em risco graças ao total despreparo, da boçalidade e pura teimosia dos titulares de nosso “desgoverno” – que poderiam …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

De meditação a sexo nas lives

Você entraria em uma web suruba? Pagaria para entrar? Confiaria no anonimato da organização? Se ficou perplexo com a possibilidade, saiba que não está sozinho. Mas não apenas as web surubas …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Novo momento, novos horários

Vivemos um novo momento trazido pela pandemia de Covid-19: home office, cursos a distância e reuniões agora fazem parte do nosso dia a dia. Se em casa economizamos preciosas duas horas por dia (que …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Eliminar para iluminar

A frase é da jornalista da Lilian Pacce e foi dita em uma fala sua ao se referir ao desapego. Nessa pandemia, percebemos que é muito, muito mais importante SER do que TER. Ser saudável, ser …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Líder pós-pandemia

É fato: o mundo que conhecemos ficou para trás, em todos os sentidos. Não existe nada de normal no futuro próximo, mas muito de “novo”. Porém, “novo normal”? Não aguento mais ouvir essa bobagem. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

O que é etiqueta preventiva?

É a nova etiqueta. E se baseia, como na etiqueta tradicional, nos pilares do bom senso e afetividade, acrescentando um fator essencial nesse momento de delicada transição: a biossegurança. Isso …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Desabafo de madame

Passei grande parte da minha vida justificando o rótulo de “madame”, maldosamente aplicado a minha pessoa desde a faculdade de Jornalismo. Na ocasião, nos anos 1970, em plena abertura da ditadura e …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Para fazer diferença com cliente

Atendimento e fidelização – Hoje, palavras-chave para quem quer se diferenciar, principalmente na atividade de atendimento de alimentos e bebidas delivery –, uma das poucas que se manteve, mesmo …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Lute, se cuide e fique bem!

Vidas não se contabilizam, se preservam! A frase, da senadora Mara Gabrilli, merece reflexão mais profunda: neste momento, vemos um enorme afã em se contar mortes – ou vidas que se apagaram. Ou …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados