Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Como acontecimentos trágicos podem se tornar aprendizados
Tribuna Livre

Como acontecimentos trágicos podem se tornar aprendizados

Uma sucessão de acontecimentos trágicos nos últimos dias colocou os brasileiros diante de um sofrimento coletivo, mistura de indignação, frustração, angústia, desânimo. Afinal, grandes tragédias suscitam umas das emoções mais básicas do ser humano: a tristeza.

Esse sentimento se origina de uma percepção de perda, de algo que não pode ser substituído com facilidade. Por isso, a tristeza pode resultar em duas ações distintas: tentar recuperar o que foi perdido ou, de alguma forma, superar aquilo, encontrando coisas que possam preencher o espaço vazio.

Certamente, lidar com a perda de um emprego ou com o término de um relacionamento afetivo é mais fácil do que enfrentar situações em que dezenas de vidas (às vezes, centenas, como no caso de Brumadinho, em Minas Gerais) se vão num piscar de olhos.

Desde muito cedo, em nossa existência, somos estimulados a buscar a felicidade. De forma incessante. Evita-se a todo custo a tristeza, não se fala sobre ela, como se essa emoção fosse um monstro à espreita, dissociada da vida humana, distante de nosso dia a dia.

É claro que todos queremos viver uma vida alegre, mas é preciso entender que todas as emoções nos ensinam algo.

Aprender a lidar com elas, sejam agradáveis ou desagradáveis, é fundamental para que as pessoas possam se desenvolver de maneira saudável.

Em situações de perda, a tristeza ajuda a compreender o que é realmente importante em nossas vidas, pois fortalece os laços afetivos entre os que ficam.

O sofrimento é condição indissociável do ser humano e pode ajudar no desenvolvimento de habilidades como resiliência e autocontrole.

É desejável, é normal, é necessário viver o luto pela morte de uma pessoa querida ou chatear-se por conta de um desastre como as tragédias que aconteceram recentemente.

Apesar de tristes, essas situações nos ajudam a pensar nas relações humanas que queremos construir.

Tragédias de grandes proporções também podem provocar raiva, emoção que está associada à percepção de injustiça diante do que aconteceu.

Dependendo de sua intensidade, a raiva pode levar a uma explosão emocional. No entanto, é possível torná-la positiva, se canalizamos esse sentimento para ações preventivas, evitando que novos episódios como esses se repitam.

A raiva é capaz de ajudar a combater as causas que geraram desastres como esses.

O mais importante de tudo é compreender os próprios sentimentos. Quando não racionalizamos a tristeza ou outras emoções desagradáveis, elas podem se transformar em “sombras”, que se refletem nas relações humanas e que desencadeiam até mesmo alguns sintomas físicos.

Todos nós estamos sujeitos a ter esses sentimentos ao longo da vida e o que pode servir de lição é canalizar os nossos esforços para o que está totalmente ao nosso controle.

Falar sobre a tristeza, elaborando-a internamente, pode ser um passo importante para detectar doenças sérias, como a depressão.

A aprendizagem socioemocional é um instrumento poderoso nessa jornada de autoconhecimento. Precisamos entender que sentir emoções, todas elas, é o que nos torna, essencialmente, humanos.

Celso Lopes de Souza é médico psiquiatra, professor e fundador do Programa Semente.


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Inspeção predial: check-up de edificações pode evitar tragédias

O desabamento da área de lazer do condomínio residencial de luxo Grand Parc, em Vitória, completa três anos em julho. Casos como esse podem ser evitados com a observância de cuidados como o atendimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Integração para enfrentar a criminalidade articulada

É sabido por todos, principalmente por aqueles que labutam na área da Segurança Pública, que o crime apresenta várias vertentes e os bandidos utilizam meios cada vez mais articulados para o cometimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Reclamação do cliente pode ser oportunidade para a empresa

A palavra “reclamação” é vista pela maioria das empresas como algo negativo, mas a grande verdade é que a reclamação é uma excelente oportunidade para “enxergarmos” falhas em nossos processos e em …


Exclusivo
Tribuna Livre

O desafio de tratar a dependência química

A dependência química é uma doença complexa, já considerada um dos maiores desafios de saúde pública no País. Diferentes pesquisas mostram o aumento do uso de drogas em todas as classes sociais. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Homenagem a um médico que fez a diferença

Recentemente perdemos um dos grandes personagens capixabas. Estamos nos referindo ao professor Carlos Sandoval Gonçalves, ícone dentre os pesquisadores e professores de Medicina do Brasil, que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorpora…


Exclusivo
Tribuna Livre

O “ser mulher” e a busca pela sobrevivência

Era uma vez uma selva, onde morava uma leoa muito dócil e, ao mesmo tempo, valente. Cuidava de seus filhotes e ia à caça para não lhes faltar alimento. Por instinto, fazia o que preciso fosse para …


Exclusivo
Tribuna Livre

Deixa falar! Deixa viver!

De acordo com o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a morte no Brasil tem cor, idade, gênero, classe social e nível de escolaridade. Ou seja, quem …


Exclusivo
Tribuna Livre

Respeito à vontade do idoso sobre sua saúde

Respeitar a vontade do paciente idoso quando ele ainda possui domínio mental sobre a própria vida por meio da Diretiva Antecipada de Vontade (DAV) é um recurso que, aos poucos, vem ganhando força e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qual a sua toga?

A revolução francesa legou àquele país uma cultura política refratária ao Poder Judiciário. Ainda hoje, os salários dos seus juízes são baixos e a jurisdição constitucional é feita por órgão político …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados