Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Comissão especial da PEC da Previdência não deve ser instalada nesta semana, diz secretário

Notícias

Política

Comissão especial da PEC da Previdência não deve ser instalada nesta semana, diz secretário


Após reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que a comissão especial, segunda etapa da reforma da Previdência, deve ser instalada apenas na próxima semana.

Segundo Marinho, o presidente da Casa ainda decidirá o tamanho da comissão e quem assumirá a presidência e relatoria da PEC (Proposta de Emenda à Constituição). "Tem um número máximo e um número médio dos integrantes da comissão, ele [Maia] está avaliando junto com os líderes", afirmou.

A PEC da reforma da Previdência está em tramitação na Câmara há dois meses (Foto: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados)
A PEC da reforma da Previdência está em tramitação na Câmara há dois meses (Foto: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados)

O líder do MDB, Baleia Rossi (SP), contudo, disse que a intenção de Maia é instalar a comissão especial nesta quinta-feira (25). Rossi também esteve reunido com o presidente da Câmara nesta quarta, um dia após a reforma da Previdência ser aprovada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

Para a comissão especial ser instalada, líderes de partidos na Câmara precisam indicar os membros do colegiado. A oposição, no entanto, não deve apresentar os escolhidos para esvaziar a comissão.
Por isso, aliados do presidente Jair Bolsonaro precisam mobilizar as bancadas da Câmara para conseguir metade das indicações nesta semana e acelerar o processo.

Para o secretário, o prazo está apertado. Marinho avaliou que o placar da CCJ, que aprovou a PEC por 48 a 18 votos, foi "uma vitória superlativa".

O resultado foi obtido após o governo ceder em alguns pontos e retirar trechos da PEC já na CCJ -um pedido de partidos independentes ao Palácio do Planalto.

O grupo já articula uma nova desidratação da reforma na comissão especial, mas o secretário nega que a equipe econômica aceita retirar mais partes da PEC. "O governo não está conformado de abrir mão de nenhum pressuposto da PEC da Previdência antes do processo de discussão [na comissão especial]".
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados